Em onde-investir / acoes

Veja os maiores erros dos analistas com a OGX

Os analistas que mais insistiram na companhia foram os da Empiricus e os da Inva Capital

Eike Batista faz careta
(Ricardo Moraes/Reuters)

SÃO PAULO – A OGX Petróleo (OGXP3), companhia de petróleo e gás do Grupo EBX, de Eike Batista, abriu seu capital no dia 12 de julho de 2008, entrando na bolsa de valores com a promessa de que seria uma "mini-Petrobras" em poucos anos. Muitos (não todos) acreditaram na capacidade da empresa pré-operacional e apostaram todas as suas fichas na companhia antes mesmo de ver qualquer resultado. Tudo com base nas promessas exorbitantes do controlador.

Acompanhe a cotação de todos os fundos imobiliários negociados na BM&FBovespa

Não só os investidores pessoa física caíram nessa, mas sim muitas corretoras também, que recomendaram veementemente e de forma insistente as ações da petrolífera. Ter indicado a compra desses papéis entre 2008 e 2010, com a ressalva sobre o grande risco por conta de ser uma empresa pré-operacional, é compreensível, afinal, a companhia realmente parecia ser algo que traria resultados no futuro. No entanto, algumas corretoras, casas de análises e boutique de investimentos insistiram no erro e continuaram recomendando ela até pouco tempo atrás, mesmo após uma queda de mais de 90%.

Empiricus
A Empiricus Research foi uma das que mais apostaram no potencial da OGX. Até o ano passado eles ainda recomendavam as ações da petrolífera, apesar da queda de 73,26% entre 15 de outubro de 2010, quando a ação fechou no seu preço máximo histórico, de R$ 23,37, até R$ 6,25, que era a cotação do dia em que um dos seus relatórios foi publicado, no dia 28 de junho. “Encontramos bastante atratividade no valuation da companhia”, afirmou o relatório.

Quer saber mais sobre os termos usados no mercado financeiro? Acesse o glossário InfoMoney

A carteira recomendada da casa de research referente a julho de 2012 também indicava compra das ações da companhia, mesmo após uma queda de 40% em uma semana, imediatamente anterior ao relatório. Nesta época, muitas corretoras, como a SLW, retiraram a petrolífera da carteira permanentemente. No relatório, a Empiricus afirmou que “o valuation continuava atrativo e o fluxo de notícias negativas iria acabar”. As recomendações permaneceram até janeiro deste ano.

Outro exemplo de crença da Empiricus na empresa, na contramão de todo o mercado, foi em 2011. Após um relatório da OGX sobre as reservas da empresa que frustrou as expectativas do mercado, analistas do Bank of América, Santander, BTG Pactual e Citi cortaram a recomendação da companhia, enquanto a casa de research reforçou. Em entrevista ao Portal Exame, na época, Rodolfo Amstalden, analista, afirmou que mesmo com a notícia ruim continuava recomendando as ações da empresa para quem tem “estômago para a volatilidade”. “Não tem como exigir tudo apenas um ano depois da última análise. É uma questão de foco da empresa, que preferiu mapear as reservas até 2013”, afirmou.

O analista e sócio da casa, Roberto Altenhofen, em entrevista ao InfoMoney, afirmou que mantiveram a recomendação por conta do nível de informação ao qual tinham acesso, que davam a entender que a relação risco retorno era favorável ao investidor. “Enquanto nós acreditávamos nela, ela estava em nossas recomendações, mas quando ela acabou com a própria credibilidade ao afirmar, no início deste ano, que superestimou a capacidade de produção dos poços, nós paramos de indicar ela aos investidores”, afirmou o analista.

Para ele, para a empresa voltar a ser sensata vai demorar, afinal, ela teve sua credibilidade totalmente arranhada. “Se ela vier com uma estimativa para Tubarão Martelo, que garante que ela será verdadeira? Ela precisa recuperar a credibilidade e isso será difícil. Não significa que nunca mais iremos recomendar, pois não sabemos o dia de amanhã, mas será difícil”, finalizou.

Inva Capital
A Inva Capital foi a última a deixar de recomendar as ações da companhia, afinal, até junho deste ano a OGX continuava na carteira recomendada da boutique de investimentos.

No portfólio de junho, a empresa surpreendeu ao manter sua recomendação, mesmo após a OGX reportar queda de 29,3% em maio e mais de 70% no ano (na época). Em maio a petrolífera ocupava 5% da carteira, enquanto em junho a participação havia diminuído para 3%.

O analista Raphael Cordeiro afirmou em entrevista ao InfoMoney que a estratégia da Inva era se manter posicionada na atividade de exploração do petróleo, por acreditar que este é um ativo valioso e que o preço da matéria prima não tem mais espaço para cair. “A prioridade era se manter posicionado para pegar uma possível onda de alta das ações”, afirmou.

Na época, o analista afirmou que preferia as ações da OGX às da Petrobras, pelo fato que não acreditava que a estatal iria entregar os projetos, e que ainda duvidada da capacidade de exploração do pré-sal. Um mês depois as ações da OGX foram retiradas da carteira e em agosto as da Petrobras foram colocadas.

 

Contato