Crise na cadeia produtiva

General Motors vê liderança do mercado mais longe

Problema não é falta de investimentos nem novos produtos, mas escassez de semicondutores para a produção

Por  Estadão Conteúdo -

Após superar seu pior momento no país, quando a matriz cogitou, no início de 2019, a saída da marca da região, a General Motors passa por novo abalo, desta vez envolvendo queda drástica nos negócios.

O problema não é falta de investimentos nem novos produtos, como ocorreu com a Ford, mas escassez de semicondutores para a produção, que levou o grupo a manter fechada a fábrica que produz seu campeão de vendas, o Onix, por quase cinco meses.

A planta de Gravataí (RS) volta a operar no dia 16 só com um turno de trabalho. Analistas acreditam que levará um bom tempo para a GM recuperar o mercado perdido este ano.

Além disso, não há garantia de entrega regular de chips, o que está previsto pelo setor só para 2022.

O Onix representa cerca de 40% das vendas da marca, líder do mercado nos últimos cinco anos. Sem poder atender à demanda pelo carro até então mais vendido no país, a GM perdeu o pódio em janeiro e está em terceiro lugar no acumulado do ano, atrás de Fiat e Volkswagen.

A escassez do item eletrônico tem afetado a indústria automobilística do mundo todo. No Brasil, a maioria das marcas já teve de suspender a produção em vários períodos, mas a GM é a mais prejudicada.

Leia também:
Marcopolo dá férias coletivas em unidades industriais em meio à falta de componentes eletrônicos

A empresa alega que o Onix tem cerca de mil semicondutores e sistemas integrados, até o dobro do que outros modelos da mesma categoria.

A falta de chips levou ao fechamento das outras fábricas do grupo, mas por menor período.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Apesar desse quadro, que vai afetar ainda mais seus resultados financeiros, no vermelho desde 2016, a GM está bancando grande reforma na fábrica de São Caetano do Sul (SP) para a produção da nova picape Montana.

“Essa fábrica quase centenária vai poder competir com qualquer outra do mundo, em qualidade e eficiência”, diz Michel Malka, diretor executivo das plantas de São Caetano e de Mogi das Cruzes (ler mais abaixo).

Situação temporária

Há um ano, a fatia da GM nas vendas de automóveis e comerciais leves até julho era de 17,5%. Neste ano, despencou para 11,5%. Nos últimos três meses isolados, ficou na sétima posição, atrás também de Hyundai, Toyota, Jeep e Renault.

A Fiat tem conseguido driblar melhor seu abastecimento e ocupou a liderança ganhando pontos perdidos pela GM e outras marcas. Sua participação saltou de 14,4%, nos sete primeiros meses de 2020, para 22,9% das vendas neste ano.

Para Paulo Cardamone, presidente da Bright Consulting, vai demorar para a GM recuperar a fatia perdida.

Ao Estadão, a GM diz que a situação é “pontual e temporária”. Afirma ter portfólio amplo de produtos recém-atualizados com avançadas tecnologias de eficiência energética, segurança e conectividade.

A última grande novidade da marca foi o SUV Tracker, feito na fábrica de São Caetano desde o ano passado.

Jaime Ardila, sócio da consultoria Hawksbill Group, com sede nos EUA, avalia que a falta maior de chip para a GM e outras empresas “é resultado da estratégia das companhias de privilegiar veículos mais rentáveis nos EUA e na China, e deixar a América Latina com prioridade menor”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para ele, a situação da GM brasileira é ruim, “mas sem dúvida é temporária e deve melhorar até o fim do ano”. Ardila já presidiu a montadora no Brasil e na América do Sul.

Cardamone também credita a situação a estratégias da matriz, que adquire os semicondutores (a maioria da Ásia) e os repassa às subsidiárias.

“A matriz privilegia mercados mais rentáveis e estáveis, principalmente porque precisa de dinheiro para investir em eletrificação dos seus modelos.”

Ele ressalta que manter uma fábrica parada por longo período custa caro. Mesmo sem produzir, é preciso fazer manutenção de robôs, equipamentos e pagar funcionários.

“O que está ocorrendo não é demérito da GM, mas do mercado, e não consigo vislumbrar reversão rápida”, diz Ricardo Bacellar, responsável pela área automotiva da KPMG do Brasil.

Sem cortes

Líderes dos trabalhadores das três fábricas de carros dizem que a GM não fala, no momento, em redução de mão de obra.

Na planta de São José dos Campos (SP), única em operação, acredita-se até em criação do terceiro turno se a entrega de chips for normalizada, informa o secretário-geral do Sindicato dos Metalúrgicos, Renato Almeida. A empresa já contratou 450 temporários neste ano.

A fábrica de São Caetano, parada desde 26 de junho, retorna parcialmente no dia 26 com cerca de 2 mil funcionários, segundo Aparecido Inácio da Silva, presidente do sindicato.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ele lembra que, antes da crise, a empresa também estudava a volta do terceiro turno na unidade.

Valcir Ascari, líder do Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí, calcula que 1,2 mil funcionários voltarão à fábrica dia 16 para retomar a produção do Onix.

Em curso gratuito de Opções, professor Su Chong Wei ensina método para ter ganhos recorrentes na bolsa. Inscreva-se grátis e participe.

Compartilhe