Dinheiro para startups está curto, mas crowdfunding tem salvado menores

Enquanto Venture Capital tradicional amarga quedas recorrentes, investimentos via crowdfunding sobem no país

Wesley Santana

(Pixabay)

Publicidade

Diferente de 2021, quando os caixas ficaram cheios, o ano passado foi bem difícil para as startups, que viram a fonte de recursos financeiros secar. Ao que tudo indica, o ano de 2023 deve replicar essa performance nada animadora ou ser ainda mais desafiador.

Um levantamento da Distrito, publicado nesta terça-feira (1º), mostrou que as startups brasileiras captaram US$ 96,6 milhões em janeiro, número que representa uma queda de 84% em relação ao mesmo mês do ano passado. O relatório aponta que esse resultado só não foi pior em razão de um aporte de US$ 50 milhões -ou seja, metade do total- captado pela energytech Origo na última semana do mês.

Com isso, o montante levantado pelas startups em janeiro deste ano já é o menor resultado para este mês desde 2018, antes do boom dos aportes, quando somaram US$ 77 milhões. O pódio para o mês fica com: janeiro de 2021, com US$ 720 mi; janeiro de 2022, com US$ 615 mi; e janeiro de 2020, com US$ 230 mi.

Continua depois da publicidade

Em termos de número de transações, houve queda de quase 80%, totalizando 25 nos primeiros 30 dias do ano contra 117 do mesmo intervalo do ano passado. Entre as fusões e aquisições (M&A na sigla em inglês), a baixa foi de 65%, das 26 anteriores para 8 operações do mês passado.

Para o hub de inovação, esse resultado negativo está ligado ao cenário global de alta de juros ao redor do mundo. Diante disso e de um cenário econômico global com grandes incertezas, o mercado de Venture Capital tem segurado a carteira para fazer novas apostas de risco.

“Não temos a menor dúvida que 2023 será um ano desafiador para a indústria. Ainda existem dúvidas sobre quando e como os juros globais começaram a ceder. Com isso, os recursos tendem a continuar escassos e as startups deverão buscar sustentabilidade operacional e fontes alternativas de capital”, diz Gustavo Gierun, CEO e cofundador do Distrito. “Janeiro foi marcado por maior intensidade no movimento de demissões, tanto de big techs quanto de startups, o que demonstra o humor do mercado ”

Crowdfunding, o salvador

Com o dinheiro curto, quem mais sofre são as startups em estágio inicial, que têm pouca ou nenhuma visibilidade. Mas elas estão podendo contar com uma ajuda alternativa para ampliar o caixa, no chamado crowdfunding, um tipo de captação certificada pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) que permite o receber de recursos por pessoas físicas em quantias a partir de R$ 1 mil.

Um relatório divulgado pelo órgão federal nesta terça-feira (1º) mostrou que, em 2022, esse tipo de captação alcançou a marca de R$ 210 milhões no país, um percentual 62% maior no que o acumulado em 2021. Ao todo, foram registradas 110 operações neste modelo, que foram viabilizadas pelas 57 intermediadoras que estão aptas a fornecer essa transação, segundo a CVM.

Uma das plataformas autorizadas é a Captable, que movimentou quase R$ 28 milhões em 15 rodadas diferentes. Em uma única operação, a empresa conseguiu juntar 211 investidores, além de um fundo de investimentos, para aplicar R$ 3,5 milhões na foodtech Simples&Co.

Em um levantamento feito com dados públicos, a empresa avaliou que as dez principais plataformas do setor conduziram 43 captações durante o ano passado. Beegin.Invest (R$ 18,5 mi), SMU Investimentos (R$ 12,3 mi) e Kria (R$ 12 mi) foram as outras em destaque.

“Um dos maiores desafios no venture capital é democratizar o acesso ao investimento privado. Em 59 rodadas promovidas até agora [desde a fundação], percebemos que cada vez mais o brasileiro está aprendendo que há uma possibilidade de variar a carteira investindo em inovação. E temos no nosso portfólio justamente as queridinhas do momento que são as early stages”, explica Guilherme Enck, cofundador da Captable.