Tragédia em Mariana (MG)

Credores tentam barrar Samarco de pagar por danos com barragem

York Global Finance e os fundos do Ashmore Group Plc estão entre os credores; Samarco está em recuperação judicial no Brasil

Por  Bloomberg -

(Bloomberg) — O York Global Finance e os fundos do Ashmore Group Plc estão entre os credores que tentam barrar a Samarco de pagar por reparos sociais e ambientais decorrentes do rompimento de sua barragem em 2015.

A Samarco, produtora brasileira de minério de ferro pertencente à Vale e à BHP, está em recuperação judicial no Brasil e os credores pedem que a Justiça de Minas Gerais solicite à empresa que esclareça os detalhes das negociações sobre os custos das indenizações com as autoridades, segundo documento enviado nesta semana. Os mesmos credores também exigem que o tribunal peça à Samarco a suspensão dos pagamentos à Fundação Renova, que cuida dos reparos, e pedem para decidir sobre o assunto em assembleia. Eles esperam que a Vale e a BHP continuem pagando a indenização, como faziam antes de a Samarco retomar as operações.

Milhões de toneladas de lama tóxica e água foram expelidas sobre a paisagem brasileira quando a barragem de resíduos da Samarco desabou em 2015, matando 19 pessoas. A empresa enfrenta uma série de processos judiciais em decorrência do acidente e criou a Fundação Renova para cuidar do pagamento, inclusive das famílias vítimas.

Leia também:
York e fundos Ashmore se opõem a empréstimo da Vale e BHP para Samarco

Os mesmos credores haviam argumentado em uma petição anterior que a Vale e a BHP deveriam ser responsáveis, cada uma, por um terço dos custos ambientais e sociais decorrentes do rompimento da barragem, que quase destruiu duas pequenas vilas em Mariana, Minas Gerais. A empresa retomou a produção em dezembro pela primeira vez desde o desastre.

Em seu pedido de concordata em abril, a Samarco incluiu R$ 23 bilhões devidos à Vale e à BHP pelas linhas de crédito que as duas empresas concederam para pagar pelos danos do desastre da barragem e financiar as operações. Isso responde por quase metade dos R$ 50 bilhões de dívidas inadimplentes da Samarco.

A Renova já teve cerca de R$ 13 bilhões de custos de reparo e a Samarco calcula que precisará de mais R$ 17 bilhões para daqui para frente.

As estratégias dos melhores investidores do país e das melhores empresas da Bolsa, premiadas num ranking exclusivo: conheça os Melhores da Bolsa 2021

Compartilhe