BRF (BRFS3): Os bastidores da negociação em Dubai e a cartada de Molina para garantir R$ 4,5 bilhões

Chairman de BRF e Marfrig foi o fio condutor do aporte bilionário que deve ajudar a aliviar o balanço da dona da Sadia

Rikardy Tooge

Publicidade

Nos últimos dias de fevereiro, em uma das milhares rodas de negociação na Gulfood, feira em Dubai que reúne as principais empresas de alimentos do mundo, o empresário Marcos Molina seguia em seu processo de convencimento, iniciado meses antes, para que o poderoso fundo soberano da Arábia Saudita, o Salic, investisse em uma de suas mais recentes incursões.

Fundador e controlador da Marfrig (MRFG3), principal acionista da BRF (BRFS3) há pouco mais de um ano, Molina buscava recursos para diminuir o endividamento da dona da Sadia. No apertar de mãos no evento, o Salic aceitou participar da operação em conjunto com a Marfrig e com o empresário, que se comprometeu a colocar dinheiro do próprio bolso na transação.

Em 28 de fevereiro, e a 12,2 mil quilômetros dali, a BRF divulgava ao mercado brasileiro prejuízo líquido de R$ 3,1 bilhões em 2022 e alavancagem (relação entre a dívida líquida pelo Ebitda) de 3,75 vezes, mantendo aceso um sinal de alerta entre os investidores.

Continua depois da publicidade

A empresa também anunciava um programa de desinvestimentos estimado em R$ 4 bilhões, ancorado na venda de sua divisão de pet food e de créditos tributários. O plano de desalavangem animou o mercado e as ações chegaram a subir 5,36% no dia, porém a falta de avanço nas negociações nas semanas seguintes interrompeu a sequência de alta.

Marcos Molina
Marcos Molina: controlador da BRF e Marfrig conduziu aporte bilionário (Divulgação)

Mais de dois meses depois, em 15 de maio, a dona da Sadia reportava mais um prejuízo líquido, desta vez no primeiro trimestre de 2023, de R$ 1,02 bilhão.

A alavancagem caiu para 3,35 vezes, mas ainda consideravelmente acima das 2,76 vezes de um ano antes. A dívida líquida cresceu 4,8% entre o 4T22 e o 1T23, para R$ 15,3 bilhões, e o aguardado plano de desinvestimentos seguia sem grandes evoluções, com a venda de apenas uma fazenda por R$ 110 milhões.

Os papéis caíram 9,2% após o balanço, embora tenham chegado a reagir nos pregões seguintes com especulações de que o plano de desinvestimento estava avançando. A despeito dessa sinalização do sell side, pessoas próximas da empresa dizem que as tratativas estão em ritmo lento.

No entanto, o surgimento dos primeiros casos de gripe aviária no Brasil, mesmo que apenas em animais silvestres, voltou a pressionar as cotações da BRF. Isso porque, caso a doença chegue às granjas comerciais, a exportação de carne de frango brasileira, o principal negócio da empresa, passa a correr risco de sofrer embargo.

Com a soma de fatores negativos, Molina, também presidente do conselho da BRF, buscava efetivar a promessa feita pelos árabes em fevereiro e deu sua cartada. “Na semana passada, ele informou que a Marfrig seguiria com a operação com ou sem o Salic. Então o Salic decidiu participar”, relata uma pessoa próxima da empresa ouvida pelo InfoMoney.

O aporte

Como resultado, a BRF anunciou nesta quarta-feira (31) um aporte de até R$ 4,5 bilhões que será feito via follow-on pela sua controladora Marfrig e pelo fundo Salic. Cada uma se comprometeu a comprar até 250 milhões de papéis da dona da Sadia, a um preço de R$ 9 por ação, sugerindo prêmio de 24% em relação ao fechamento de terça-feira (30).

Paralelamente, a Marfrig anunciou um aumento de capital estimado em até R$ 2,25 bilhões para dar conta da operação com a BRF. O aporte será ancorado pela MMS Participações, holding de Molina, que se comprometeu a cobrir ao menos dois terços da operação e eventuais sobras. Isso significa que a operação não deverá ter efeito caixa para a Marfrig.

Para o Bradesco BBI, o aumento de capital é positivo e deverá ter efeito no preço de tela da empresa no curto prazo. A tendência é que a injeção dos R$ 4,5 bilhões deverá reduzir a alavancagem da BRF para algo em torno de 2,4 vezes o Ebitda – isso considerando os números do 1T23.

Outra fonte reforça essa percepção e lembra que o aporte tira a pressão da BRF em negociar ativos sob qualquer condição. “Ainda mais com o fantasma de gripe aviária rondando”, lembra.

“A Arábia Saudita tem sido o maior país importador de carne de frango da BRF nos últimos anos e, portanto, esse investimento poderá reduzir as preocupações dos investidores sobre os casos recentes de gripe aviária [até agora apenas em animais silvestres]”, escreveu o analista do BBI Leandro Fontanesi. O banco tem recomendação de compra para o papel, com preço-alvo de R$ 17.

O Goldman Sachs reconhece que a entrada de capital será um alívio para a estrutura financeira da dona da Sadia, além de sinalizar que investidores importantes estão dispostos a pagar prêmio pelo negócio. Porém, o banco mantém recomendação de venda ao papel, a R$ 6,20, por conta dos desafios para a geração de caixa da BRF.

Para a XP, que tem recomendação neutra ao papel, a desalavangem é o principal ponto do negócio. “Em nossa visão, traz alívio ao caixa da companhia, com uma redução estimada em R$ 400 milhões nas despesas médias com juros. No entanto, ainda não está claro quanto da atual dívida poderá ser quitada”, escreveram os analistas Leonardo Alencar e Pedro Fonseca.

Conselho define próximos passos

Ainda segundo o fato relevante publicado pela BRF nesta quarta-feira, Salic e Marfrig terão até 31 de dezembro para realizar o aporte sob as condições já citadas. Mas a ideia é que ele ocorra bem antes disso, se possível, ainda neste semestre.

Para isso, o conselho de administração da empresa deverá se reunir ainda hoje para elaborar uma proposta da administração para a realização de uma assembleia geral extraordinária, em data ainda a ser definida.

O ponto central deverá ser a retirada da poison pill prevista no estatuto da BRF que obriga a Marfrig a realizar uma oferta pública de aquisição de ações (OPA) por exceder 33,3% do capital da BRF – com o aporte, a tendência é que a Marfrig monte uma posição de 38,7% na companhia.

Nesse sentido, o Goldman Sachs não vê um caminho tão simples para a Marfrig remover a poison pill de seu estatuto. Caso os acionistas da BRF não aprovem a retirada da cláusula, a Marfrig teria que pagar o preço de tela mais 40% na OPA, encarecendo demais a operação.

“Lembremos que no último follow-on [de fevereiro de 2022] alguns acionistas se recusaram a dispensar a Marfrig de ultrapassar a barreira de 33,33% sem pagar a poison pill“, acrescentou o analista Thiago Bortoluci, do Goldman, ao citar a resistência da Petros, o fundo de pensão de funcionários da Petrobras e então acionista relevante da BRF, ao negócio.

Outra questão que paira no ar é como será a participação do Salic no negócio. Também acionista da Minerva (BEEF3), com 30,5% de participação, o fundo árabe deverá ter uma posição de 16% na BRF, mas afirmou que será investidor passivo no negócio, a despeito da especulação de que poderia ter um assento no board da BRF.

Rikardy Tooge

Repórter de Negócios do InfoMoney, já passou por g1, Valor Econômico e Exame. Jornalista com pós-graduação em Ciência Política (FESPSP) e extensão em Economia (FAAP). Para sugestões e dicas: rikardy.tooge@infomoney.com.br