BRF (BRFS3): Marfrig (MRFG3) e Salic se comprometem a injetar até R$ 4,5 bilhões na companhia

BRF engajou assessor financeiro para estudar alternativas para realização da oferta pública, considerando a distribuição de 500 milhões de novas ações

Felipe Moreira | Rikardy Tooge

Publicidade

A BRF (BRFS3) comunicou nesta manhã de quarta-feira (31) que a saudita Salic se comprometeu a investir em um potencial aumento de capital da companhia, bem como a atual acionista Marfrig (MRFG3).

De acordo com fato relevante, o fundo soberano da Arábia Saudita irá subscrever até 250 milhões de papéis, desde que o preço das novas ações seja de até R$ 9, no âmbito de uma eventual oferta primária de ações.

O frigorifico Marfrig também se comprometeu a subscrever R$ 250 milhões de ações da BRF.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Com base no valor de R$ 9, a BRF receberia um aporte da ordem de R$ 4,5 bilhões.

Nesse contexto, o Conselho de Administração da BRF engajou assessor financeiro para estudar alternativas para realização da oferta pública de ações, considerando a distribuição de 500 milhões de novas ações do frigorífico, a um preço de R$ 9,00 por ação, e a convocação de assembleia geral extraordinária da companhia para deliberar sobre o aumento de capital.

A ação da BRF fechou na última terça-feira (30) a R$ 7,27, o que representa um ágio de até 24%.

Continua depois da publicidade

Segundo fontes ouvidas pelo InfoMoney, as negociações corriam há seis meses e foram acertadas pelo presidente do conselho da BRF, o empresário Marcos Molina.

Embora a Salic não confirme, a avaliação das fontes é de que o fundo tenha uma cadeira no conselho pelo tamanho de participação poderá ter (de cerca de 16%).

Também em fato relevante sobre o tema, a Marfrig informa que seu conselho de administração aprovou de forma preliminar, a realização de futuro aumento de capital privado, com emissão de, no mínimo, 240 milhões de novas ações e, no máximo, 360 milhões de novos papéis ao preço de R$ 6,25 por ação, equivalente ao preço de fechamento do pregão de 30 de maio de 2023 das ações de emissão da companhia.

A companhia informa também que recebeu de seu acionista controlador, MMS Participações, compromisso de investimento de subscrição de ações da companhia, abrangendo, no mínimo, a subscrição de 240 milhões de novas ações e indicou interesse nas eventuais sobras da oferta.

Recomendações

Cabe ressaltar que, na noite da véspera, antes da divulgação do comunicado, o Goldman Sachs havia cortado a recomendação para as ações da BRF de neutro para venda, com preço-alvo de R$ 6,20.

O banco destacou que, embora reconheça o ambiente mais favorável para a alimentação animal, ele acredita que uma métrica mais relevante para a negociação das ações da BRF sejam as margens (e não os custos dos grãos).

Nesse sentido, o Goldman Sachs apontou esperar que a lucratividade continue sob pressão estrutural nos próximos 12 meses, devido ao excesso global/doméstico (os alojamentos no Brasil aumentaram +3% em relação ao ano anterior em março, e não vê sinais claros de redução na oferta nos EUA), aumento da concorrência local da Seara da JBS (+194 pontos-base na participação nos últimos 3 anos e +20% na capacidade de alimentos processados no Brasil) e demanda geralmente fraca nos principais mercados (por exemplo, Brasil, Oriente Médio e Ásia, excluindo a China).

O banco americano ainda fez a previsão de uma queima de caixa livre acumulada de R$ 1,4 bilhão em 2023 e 2024, sendo R$ 983 milhões negativos apenas em 2023.

(com Estadão Conteúdo)