Longe de voltar a voar

Boeing promete consertar falhas do 737 Max após relatório sobre acidente da Lion Air

Documento oficial foi divulgado nesta sexta-feira (25); e custos da fabricante de aviões vão subir

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A Boeing se posicionou sobre a divulgação do relatório final sobre o acidente da aeronave Lion Air 737 Max em outubro do ano passado que fez 189 vítimas fatais.

O relatório, divulgado nesta sexta-feira (25) pelo Comitê Nacional de Segurança de Transportes da Indonésia, concluiu que a Boeing precisava projetar melhores sistemas de cabine e que uma supervisão mais forte da Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA) e outras agências é necessária.

Cinco meses após o acidente da Lion Air, outro jato 737 Max caiu apenas 6 minutos depois de decolar do Aeroporto Internacional Addis Ababa Bole, na Etiópia. Desta vez, 157 pessoas morreram.

Aprenda a investir na bolsa

O foco de análise de ambos os acidentes tem sido o sistema de controle de voo, projetado pela Boeing, conhecido como MCAS, que empurrou o nariz do avião para baixo, confrontando as ações dos pilotos nos acidentes, de acordo com o texto.

Em sua resposta ao relatório dos reguladores indonésios, a Boeing disse que está redesenhando os sensores de ângulo de ataque (AoA, na sigla em inglês)- parte do sistema de controle. Esse sensor tem a função de detectar se as asas do avião têm sustentação suficiente para continuar voando – se não possuem, o avião fica fora de controle – forçando o nariz da aeronave para baixo.

Ainda, a ideia é melhorar o sistema para que o MCAS seja ativado apenas uma vez quando detectar o aviso dos sensores para evitar confrontar a decisão do piloto ao tentar controlar o avião.

A fabricante de aviões disse que essas mudanças vão impedir que as condições de voo que causaram o acidente da Lion Air aconteçam novamente.

A Boeing também está atualizando os manuais da tripulação e o treinamento dos pilotos.

Relatório dos órgãos da Indonésia

Em seu relatório, os reguladores indonésios disseram que o sistema MCAS havia forçado repetidamente o nariz do avião para baixo devido à falha no sensor de ângulo de ataque, o que significa que os pilotos tinham que aplicar repetidamente a manobra em uma tentativa condenada de corrigir a aeronave.

PUBLICIDADE

Os reguladores concluíram que: “o projeto e a certificação do MCAS não consideraram adequadamente a probabilidade de perda de controle da aeronave”.

LEIA TAMBÉM: American Airlines exclui 737 Max até janeiro de 2020

Piloto do Boeing levanta suspeita sobre aeronave

Artigo culpa “pilotos inexperientes” por acidentes com 737 Max

Boeing se oferece para pagar treinamento do 737 Max para pilotos

Ainda, o texto diz que havia evidências de que o sensor não havia sido calibrado adequadamente por uma oficina na Flórida, nem havia sido testado pela equipe de manutenção da Lion Air.

A tripulação também foi criticada. O texto diz que o capitão da Lion Air não deu todas as informações sobre a situação da aeronave ao primeiro oficial ao passar o controle do avião pouco antes do acidente acontecer.

Resposta da FAA

A Autoridade Federal de Aviação dos EUA (FAA) também se posicionou depois das críticas.

PUBLICIDADE

Em um comunicado, a FAA afirmou que vai considerar cuidadosamente as conclusões do relatório, bem como outras recomendações, enquanto continua sua análise de como a Boeing planeja lidar com a operação do 737 Max.

“Como prometemos anteriormente, a aeronave retornará ao serviço somente depois que a FAA determinar que é segura”, disse o comunicado.

A FAA acrescentou que o relatório do acidente é “um lembrete sóbrio” de que a primeira prioridade dos reguladores deve sempre ser a segurança.

Custos da Boeing só aumentam

No início desta semana, a Boeing disse que os custos de construção do 737 Max haviam aumentado em US$ 900 milhões no terceiro trimestre. Isso estava além dos US$ 2,7 bilhões em custos extras de produção anunciados no início deste ano.

O custo total da reconstrução do 737 Max pode não ser conhecido até que haja um consenso global sobre a segurança do avião.

Em setembro de 2019, a Agência de Segurança da Aviação da União Européia (EASA) disse que queria um acordo para a construção de três sensores AoA, em vez da atualização proposta pela Boeing para um contrato de dois em cada aeronave.

A implementação de um sensor mais em cada 737 Max atrasaria inevitavelmente o retorno do avião aos céus e aumentaria significativamente os custos de produção.

As ações da Boeing estavam caindo cerca de 1% nesta sexta-feira (25) às 12h30. À medida que se aproxima o aniversário de um ano do acidente da Lion Air, o estoque de aeronaves está cerca de 3% menor do que exatamente 12 meses atrás.

PUBLICIDADE

Invista seu dinheiro para alcançar a independência financeira. Abra uma conta na XP – é de graça.