Senador abre processo

Amazon pode ser alvo de investigação por práticas “predatórias” de dados

Empresa diz que abriu sindicância interna para apurar as denúncias

SÃO PAULO – O senador republicano Josh Hawley pediu na terça-feira (28) uma investigação criminal antitruste sobre o uso feito pela Amazon de dados de vendedores terceiros para beneficiar suas próprias marcas.

Em uma carta ao procurador-geral William Barr, Hawley disse que a Amazon “se envolveu em práticas predatórias e excludentes de dados para construir e manter um monopólio”, citando um relatório do Wall Street Journal que dizia que a empresa usa dados de vendedores externos para informar decisões sobre preços ou recursos a serem copiados nos produtos por suas marcas de marca própria, como a Amazon Basics.

“A lei antitruste impõe penalidades criminais às empresas que tentam adquirir ou manter o poder de monopólio”, disse Hawley, senador do Missouri e ex-procurador geral do estado. “As práticas de dados da Amazon, conforme relatado pelo Wall Street Journal, parecem atender a essa descrição. A Amazon abusa de sua posição como uma plataforma online e coleta dados detalhados sobre mercadorias para que possa criar produtos semelhantes sob sua marca”.

PUBLICIDADE

Documentos internos e testemunho de mais de 20 ex-funcionários da Amazon validam a denúncia que, segundo o senador, representa “uma ameaça muito maior à concorrência do que a dados acessíveis a lojas de varejo comuns”.

A Amazon disse ao Journal em seu relatório que abriu uma investigação interna sobre o assunto e que essas práticas violam suas próprias políticas.

Não é a primeira vez que a gigante varejista fundada por Jeff Bezos é alvo de investigações antitruste. No ano passado, a Comissão Europeia abriu uma investigação para avaliar se o uso feito pela Amazon de dados confidenciais de varejistas independentes que vendem em seu mercado viola as regras de concorrência da UE.

A Comissão acredita que a companhia pode estar violando o artigo 101 do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, que proíbe acordos que impedem, restringem ou distorcem a concorrência no mercado único da UE, ou o artigo 102, que proíbe o abuso de posição dominante.

A companhia cresce com a pandemia de coronavírus, mesmo enfrentando críticas na Europa e nos Estados Unidos sobre as medidas ineficientes de segurança em seus armazéns, que continuam funcionando.

Hawley disse que “abusar da posição de alguém como plataforma de mercado para criar produtos copiados sempre é ruim, mas é especialmente preocupante agora”, por causa do coronavírus, pois as pequenas empresas foram forçadas a suspender o varejo na loja e, em vez disso, confiaram na Amazon.

“As práticas de dados relatadas da Amazon são uma ameaça existencial que pode impedir que essas empresas se recuperem”, escreveu o senador.

Newsletter InfoMoney
Informações, análises e recomendações que valem dinheiro, todos os dias no seu email:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.