Trump e aliados já preparam terreno para contestar eventual derrota nas eleições

Comitê Nacional Republicano anunciou em abril que recrutará 100.000 voluntários e advogados, o dobro do contingente usado em 2020, para fiscalizar o processo e evitar as alegadas fraudes

Reuters

O ex-presidente e candidato republicano à Presidência dos EUA, Donald Trump, durante comício 01/05/2024 (Foto: Brendan McDermid/ Reuters)

Publicidade

(Reuters) – Donald Trump e seus aliados estão preparando o terreno para contestar uma possível derrota na eleição presidencial dos Estados Unidos em novembro, fomentando dúvidas sobre a legitimidade do pleito, mesmo quando as pesquisas de opinião mostram o candidato republicano liderando nos Estados decisivos para a disputa.

Em entrevistas recentes, Trump tem se recusado a se comprometer a aceitar os resultados da eleição. Em seus comícios, ele tem retratado os democratas como trapaceiros, chamado as cédulas de votação enviadas por correio de corruptas e pedido a seus apoiadores que votem em um número tão grande que torne a eleição “grande demais para ser manipulada”.

Ele também apoiou um novo projeto de lei patrocinado pelos republicanos com o objetivo de impedir que estrangeiros votem, buscando vincular suas falsas alegações de fraude eleitoral à questão da imigração ilegal, embora o voto de não cidadãos já seja ilegal e os estudos mostrem que é extremamente raro.

Continua depois da publicidade

As táticas de Trump são uma versão intensificada da estratégia que ele usou durante a eleição de 2020, quando suas alegações infundadas de fraude eleitoral inspiraram seus apoiadores a atacar o Capitólio dos EUA, em 6 de janeiro de 2021, em uma tentativa de anular sua derrota eleitoral.

Em vez de se intimidar com a iminência de julgamentos criminais sobre sua conduta após a eleição de 2020, Trump está repetindo as alegações falsas que as pesquisas mostram que ressoam entre seus apoiadores, enquanto prepara o poder de fogo legal necessário para lançar um desafio semelhante à validade da votação neste ano.

Seus críticos temem que ele esteja preparando o terreno para outro período pós-eleitoral turbulento, condicionando seus apoiadores a acreditarem mais uma vez que o sistema está manipulado contra ele. Trump se recusou a descartar a possibilidade de violência após a eleição de novembro, dizendo à revista Time em abril, em resposta a uma pergunta sobre essa perspectiva: “Se não ganharmos, você sabe, depende”.

Continua depois da publicidade

Trump instruiu o Comitê Nacional Republicano, agora liderado por sua nora e um aliado próximo, a priorizar a formação de uma equipe de observadores de urnas e advogados para monitorar a votação e litigar possíveis desafios pós-eleitorais, de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto.

Exército de voluntários

Como parte desse esforço, o comitê anunciou em abril que recrutará 100.000 voluntários e advogados — o dobro do número prometido durante o ciclo de 2020, chamando o esforço de “o mais extenso e monumental programa de integridade eleitoral da história do país”.

Os advogados republicanos já entraram com dezenas de ações judiciais desde o ano passado com o objetivo de limitar a janela para a contagem de cédulas enviadas pelo correio e outras regras de votação consideradas como uma vantagem para os democratas.

Continua depois da publicidade

“Estamos trabalhando sem parar para garantir que seja fácil votar e difícil trapacear”, disse um porta-voz do comitê.

Os democratas têm criticado o plano de recrutamento como irrealista e uma tentativa de intimidar os eleitores, ao mesmo tempo em que montaram sua própria equipe jurídica.

O presidente Joe Biden, rival de Trump na eleição de 5 de novembro, chamou de “perigosa” a perspectiva de Trump não aceitar os resultados da eleição.