Netanyahu desfez gabinete de guerra, apesar de pressões internacionais, diz fonte

O primeiro-ministro israelense deve agora realizar consultas sobre a guerra de Gaza com um pequeno grupo de ministros

Reuters

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu - 13/5/2024 (Gil Cohen-Magen/Pool via Reuters)
O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu - 13/5/2024 (Gil Cohen-Magen/Pool via Reuters)

Publicidade

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, dissolveu o gabinete de guerra de seis membros, informou uma autoridade israelense nesta segunda-feira (17), em uma medida amplamente esperada que ocorreu após a saída do governo do general da reserva centrista Benny Gantz.

Netanyahu deve agora realizar consultas sobre a guerra de Gaza com um pequeno grupo de ministros, incluindo o ministro da Defesa, Yoav Gallant, e o ministro de Assuntos Estratégicos, Ron Dermer, que faziam parte do gabinete de guerra.

Diversifique investindo no Brasil e no exterior usando o mesmo App com o Investimento Global XP

Continua depois da publicidade

O primeiro-ministro enfrentou exigências dos parceiros nacionalistas-religiosos de sua coalizão, o ministro das Finanças, Bezalel Smotrich, e o ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben-Gvir, para serem incluídos no gabinete de guerra, uma medida que teria intensificado as tensões com os parceiros internacionais, incluindo os Estados Unidos.

O fórum foi formado depois que Gantz se juntou a Netanyahu em um governo de unidade nacional no início da guerra em outubro e também incluiu o parceiro de Gantz, Gadi Eisenkot, e Aryeh Deri, chefe do partido religioso Shas, como observadores.

Gantz e Eisenkot deixaram o governo na semana passada, devido ao que eles disseram ser o fracasso de Netanyahu em formar uma estratégia para a guerra de Gaza.

Continua depois da publicidade

(Reportagem de Maayan Lubell e James Mackenzie)