Moradores de Gaza fogem de ataque israelense, que pode ameaçar cessar-fogo, diz Hamas

Tanques israelenses aprofundaram sua incursão em alguns distritos da Cidade de Gaza, como Shejaia, Sabra e Tel Al-Hawa

Reuters

Ataque israelense contra casa no centro de Gaza 
(Foto: Ramadan Abed/Reuters)
Ataque israelense contra casa no centro de Gaza (Foto: Ramadan Abed/Reuters)

Publicidade

Moradores da Cidade de Gaza fugiram sob fogo israelense enquanto os tanques se aprofundavam no coração da cidade, nesta terça-feira, o segundo dia de uma ofensiva militar intensificada que, segundo o grupo militante palestino Hamas, pode prejudicar as negociações de cessar-fogo.

Mediadores do Catar e do Egito, apoiados pelos Estados Unidos, aceleraram seus esforços nesta semana para fechar um acordo de cessar-fogo com o objetivo de acabar com a guerra de Gaza e libertar reféns israelenses no enclave em troca de prisioneiros palestinos detidos em Israel.

Nesta terça-feira, os tanques israelenses aprofundaram sua incursão em alguns distritos da Cidade de Gaza, incluindo Shejaia, Sabra e Tel Al-Hawa, onde os moradores relataram no dia anterior alguns dos combates mais ferozes desde o início da guerra entre Israel e o Hamas.

Continua depois da publicidade

Imagens que circularam nas mídias sociais nesta terça-feira mostraram famílias em carroças de burro e na traseira de caminhões empilhados com colchões e outros pertences pelas ruas da cidade para fugir de áreas sob ordens de retirada israelenses.

“A Cidade de Gaza está sendo dizimada, é isso que está acontecendo. Israel está nos forçando a deixar nossas casas sob fogo”, disse Um Tamer, mãe de sete filhos, à Reuters por meio de um aplicativo de mensagem.

Ela afirmou que era a sétima vez que sua família fugia de sua casa na Cidade de Gaza, no norte do enclave e um dos primeiros alvos de Israel no início da guerra em outubro.

Continua depois da publicidade

“Não aguentamos mais, chega de morte e humilhação. Acabem com a guerra agora”, declarou ela.

O Crescente Vermelho Palestino disse que todas as suas clínicas médicas estavam fora de serviço na Cidade de Gaza devido às ordens de retirada.

O ataque se desenrolou no momento em que autoridades graduadas dos EUA estavam na região pressionando por um cessar-fogo depois que o Hamas fez concessões na semana passada. Mas a campanha renovada “poderia levar o processo de negociação de volta à estaca zero”, disse o líder do Hamas, Ismail Haniyeh, na segunda-feira.

Continua depois da publicidade

As alas armadas do Hamas e da Jihad Islâmica disseram que lutaram contra as forças israelenses em Tel Al-Hawa com foguetes antitanque e morteiros, e causaram baixas. Não houve resposta imediata dos militares israelenses sobre essas alegações.

Em uma nota, os militares israelenses disseram que as tropas continuavam as operações na Cidade de Gaza, seguindo a inteligência que indicava a presença do Hamas e da Jihad Islâmica na área. Acrescentaram que as forças israelenses haviam tirado dezenas de combatentes de ação e localizado várias armas.

Autoridades de saúde palestinas disseram que os ataques aéreos israelenses na terça-feira mataram seis pessoas em uma casa na Cidade de Gaza, nove em duas casas em Al-Nuseirat e Deir Al-Balah, no centro de Gaza, e três pessoas em Rafah, no extremo sul da Faixa de Gaza.

Continua depois da publicidade

Um ataque israelense contra um grupo de palestinos no campo de Al-Bureij, na região central da Faixa de Gaza, matou pelo menos sete pessoas, a maioria delas crianças, segundo médicos.

A guerra foi desencadeada em 7 de outubro, quando combatentes liderados pelo Hamas atacaram o sul de Israel, matando 1.200 pessoas e fazendo cerca de 250 reféns, de acordo com dados israelenses.

Mais de 38.000 palestinos foram mortos na ofensiva militar israelense desde então, segundo as autoridades de saúde de Gaza.

Continua depois da publicidade

Diversifique investindo no Brasil e no exterior usando o mesmo App com o Investimento Global XP