Israel enfrenta crescente isolamento e críticas de Biden, mortes em Gaza aumentam

Desde o colapso de uma trégua de uma semana no início do mês, as forças israelenses estenderam sua campanha terrestre do norte da Faixa de Gaza para o sul

Reuters

Sinalizadores da Força de Defesa de Israel iluminam o céu sobre Beit Hanoun, no norte da Faixa de Gaza, em 15 de novembro de 2023 (Christopher Furlong/Getty Images)

Publicidade

CAIRO/GAZA (Reuters) – Israel enfrenta um isolamento diplomático cada vez maior em sua guerra em Gaza, com as Nações Unidas pedindo um cessar-fogo humanitário imediato e o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, dizendo que o bombardeio “indiscriminado” de civis estava custando o apoio internacional.

Com intensos combates sendo travados simultaneamente no norte e no sul do enclave, as tropas israelenses relataram na quarta-feira suas piores perdas em combate em mais de um mês, incluindo um coronel, o oficial de mais alta patente já morto na campanha terrestre.

Aviões de guerra bombardearam novamente toda a extensão de Gaza e as autoridades de ajuda humanitária disseram que a chegada do clima chuvoso do inverno piorou as condições de centenas de milhares de famílias que dormem em barracas improvisadas. A grande maioria dos 2,3 milhões de habitantes de Gaza está desabrigada.

Conteúdo XP

Peça o melhor cartão de crédito do Brasil e tenha acesso à Salas vip e Investback nas compras

Israel lançou sua campanha para aniquilar o grupo militante Hamas, que controla Gaza, com apoio global depois que combatentes atravessaram a cerca da fronteira em 7 de outubro, matando 1.200 israelenses, a maioria civis, e fazendo 240 reféns.

Mas, desde então, as forças israelenses sitiaram o enclave e destruíram grande parte dele, com mais de 18.000 pessoas confirmadas como mortas, de acordo com as autoridades de saúde palestinas, e muitos outros milhares podem estar sob escombros ou fora do alcance das ambulâncias.

Desde o colapso de uma trégua de uma semana no início de dezembro, as forças israelenses estenderam sua campanha terrestre do norte da Faixa de Gaza para o sul, com a invasão da principal cidade do sul, Khan Younis.

Continua depois da publicidade

Os combates só se intensificaram em meio aos escombros do norte, onde Israel havia anunciado anteriormente que seus objetivos militares haviam sido amplamente alcançados.

Israel informou que dez de seus soldados foram mortos nas últimas 24 horas, incluindo um coronel que comandava uma base avançada e um tenente-coronel que comandava um regimento. Foi a pior perda em um dia desde que 15 soldados foram mortos em 31 de outubro.

De acordo com a Rádio do Exército, a maioria das mortes ocorreu no distrito de Shejaiya, na Cidade de Gaza, ao norte, quando uma unidade de infantaria que caçava atiradores do Hamas entrou em um prédio e perdeu contato com a base da retaguarda. Quando outra unidade foi enviada atrás deles, bombas foram detonadas no prédio e atiradores abriram fogo.

O Hamas disse que o incidente mostrou que as forças israelenses nunca poderiam subjugar Gaza: “Dizemos aos sionistas que sua liderança fracassada não tem consideração pelas vidas de seus soldados”, afirmou. “Quanto mais tempo vocês permanecerem lá, maior será a conta de suas mortes e perdas, e vocês sairão disso carregando decepção e perda, se Deus quiser.”

Os hospitais do norte, em sua maior parte, pararam de funcionar completamente. No sul, eles estão repletos de mortos e feridos, levados às dezenas durante o dia e a noite.

“Médicos, inclusive eu, estão passando por corpos de crianças para tratar crianças que morrerão”, disse à Reuters o Dr. Chris Hook, um médico britânico que trabalha com a organização médica beneficente MSF no hospital Nasser, em Khan Younis.

As agências internacionais dizem que a ajuda limitada que chega a Gaza está sendo distribuída apenas em partes de Rafah, perto da fronteira com o Egito. Mesmo lá, a situação se tornou muito mais extrema nesta semana, com centenas de milhares de pessoas abrigadas sob lonas.

VOTAÇÃO NA ONU

A votação da Assembleia Geral da ONU exigindo um cessar-fogo não tem força legal, mas foi o sinal mais forte de que o apoio internacional às ações de Israel está diminuindo. Três quartos dos 193 Estados membros votaram a favor e apenas oito países se juntaram aos Estados Unidos e a Israel para votar contra.

Antes da votação, Biden disse que Israel ainda tem o apoio da “maior parte do mundo”, incluindo os EUA e a União Europeia, para sua luta contra o Hamas.

“Mas eles estão começando a perder esse apoio devido aos bombardeios indiscriminados que estão ocorrendo”, afirmou ele em um evento para doadores de campanha em Washington.

Os aliados próximos dos EUA no compartilhamento de inteligência Canadá, Austrália e Nova Zelândia disseram em uma declaração conjunta: “O preço para derrotar o Hamas não pode ser o sofrimento contínuo de todos os civis palestinos”.

No sinal mais público de divisão entre os líderes dos EUA e de Israel até o momento, Biden disse que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu precisava mudar seu governo linha-dura e que, em última análise, Israel “não pode dizer não” a um Estado palestino independente, ao qual se opõem os membros de extrema-direita do gabinete israelense.