Relações trabalhistas

Trabalhadores da Amazon em NY votam para formar o 1º sindicato da empresa nos EUA

Amazon disse estar decepcionada com o resultado porque acredita que ter um relacionamento direto com a empresa é o melhor para os funcionários

Por  Estadão Conteúdo -

Os trabalhadores dos armazéns da Amazon em Nova York votaram para estabelecer o primeiro sindicato da gigante de tecnologia nos EUA, proporcionando uma grande vitória para os ativistas trabalhistas que há muito procuram trazer representação ao segundo maior empregador privado do país. Os funcionários da instalação JFK8, a maior da Amazon em Staten Island, votaram 2.654 a 2.131 a favor da organização, anunciou o Conselho Nacional de Relações Trabalhistas nesta sexta-feira, 1º.

Isso deu ao grupo trabalhista, que se autodenomina Sindicato Trabalhista da Amazon, uma clara maioria do total de votos, mesmo com várias dezenas de cédulas contestadas ou anuladas. Mais de 57% dos cerca de 8.300 eleitores elegíveis da instalação votaram válidos. Pode levar meses ou mais para os trabalhadores do JFK8 chegarem a um primeiro contrato sindical. Mas os resultados devem galvanizar ativistas que já acionaram votos em duas outras instalações da Amazon e intensificaram seus esforços nos últimos anos, à medida que a Amazon rapidamente adicionou trabalhadores e se tornou uma referência em salários, benefícios e práticas de contratação de empresas em muitas regiões. A Amazon emprega cerca de um milhão de pessoas nos EUA, atrás apenas do Walmart.

Leia mais:

A Amazon disse estar “decepcionada com o resultado porque acredita que ter um relacionamento direto com a empresa é o melhor para os funcionários”. Em comunicado, a companhia acrescentou que está avaliando opções que podem incluir a apresentação de objeções contra o sindicato, que alega ter exercido influência indevida na eleição. A Amazon não detalhou. Uma porta-voz da união disse que é independente e que qualquer uma de suas ações contra a Amazon foi consistente com a aplicação da lei trabalhista.

Os sindicatos dos EUA têm pressionado amplamente para aumentar suas fileiras e garantir ganhos para seus membros em meio ao mercado de trabalho mais apertado da era da pandemia, buscando reverter os declínios de longo prazo na filiação sindical do setor privado. Em 2021, um recorde de baixa de 6,1% dos trabalhadores do setor privado eram membros de um sindicato, segundo o Departamento do Trabalho.

Cadastre-se na IMpulso e receba semanalmente um resumo das notícias que mexem com o seu bolso — de um jeito fácil de entender:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe