Sua declaração

Tabela de IR está defasada em 134%; confira como deveria ser e quem é mais impactado por isso

Documento vai completar sete anos sem passar por atualizações

Por  Mariana Amaro -

O número de brasileiros isento de pagamento do Imposto de Renda passaria de 23 milhões se a tabela fosse corrigida pela inflação. O ajuste mais que dobraria o número de declarantes na faixa de isenção que, em 2020, foi em torno de 11 milhões.

Com a atualização, a faixa de isenção passaria de R$ 1.903,98 para R$ 4.427,60 — mais que o dobro do valor da isenção atual — o que aponta uma defasagem de 134,5%. Os dados são de um levantamento do Sindifisco Nacional (Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil).

Leia também:
Quais documentos são necessários para a Declaração do Imposto de Renda 2022?

O levantamento apontou que enquanto o efeito inflacionário que se acumulou desde 1996 foi de 391,62% as correções perfizeram 109,63%, valor insuficiente para repor as perdas com a inflação.

Para Richard Domingos, diretor executivo da Confirp Consultoria Contábil, isso faz com que cada vez menos brasileiros estejam isentos de realizar essa declaração. “Além disso, os valores a serem restituídos também se mostram cada vez menores”, explica.

De acordo com o estudo do Sindifisco, a defasagem na correção da tabela é ainda mais prejudicial para aqueles cuja renda tributável mensal é menor. Para os com rendimento de R$ 6.000,00, por exemplo, a não correção da tabela impõe um recolhimento mensal “extra” de R$ 662,71, um valor 561,95% maior do que seria se a tabela fosse corrigida pelo IPCA.

Já para um contribuinte com renda mensal tributável de R$ 10.000,00, o recolhimento é 145,99% do que seria se a tabela fosse corrigida.

Na prática, a ausência de uma correção da tabela implica em uma penalização dos contribuintes de menor renda.

“Guardadas as diferenças entre os governos estadual e federal, é interessante contrapor a defasagem da tabela, por exemplo, com o aumento do IPVA. Quando é conveniente para o governo atualizar a inflação, o poder público vai lá e faz”, afirma João Vestim Grande, advogado especialista em direito empresarial.

Para ele, essa defasagem também impacta no ambiente de negócios, porque representa um aumento da carga tributária. “Esse é um dinheiro que poderia estar na mão das pessoas, aquecendo a economia, melhorando o ambiente de negócios. No fim das contas, seja pela ineficiência do estado, seja por interesses da classe política, quem continua pagando a conta é o contribuinte”, afirma.

Tabela atual de Imposto de Renda

Base de cálculo (R$)Alíquota (%)Parcela a deduzir do IR (R$)
Até R$ 1903,98
De R$ 1.903,01 até R$ 2.826,657,5%R$ 142,89
De R$ 2.826,66 até R$ 3.751,0515%R$ 354,80
De R$ 3.751,06 até R$ 4.664,6822,5%R$ 636,13
Acima de R$ 4.664,6827,5%R$ 869,36

Tabela Progressiva Mensal Corrigida pela Defasagem Acumulada

Base de cálculo (R$)Alíquota
Até R$ 4.427,59
De R$ 4.427,60 até R$ 6.573,217,5%
De R$ 6.573,22 até R% 8.805,5315%
De R% 8.805,54 até R$ 11.002,4022,5%
Acima de R$ 11.002,4027,5%

Isenção poderia subir para R$ 3.300

O projeto de lei 4452/21 do senador Angelo Coronel propõe alterar a Lei 11.482/07 para modificar a legislação vigente e aumentar para R$ 3.300 a faixa de isenção do imposto de renda.

Como ficaria a tabela do Imposto de Renda, neste caso?

Base de cálculo (R$)AlíquotaParcela a deduzir do IR (R$)
Até 3.300,00
De R$ 3.300,01 até R$ 4,250,0015%R$ 495,00
De R$ 4.250,01 até R$ 5.300,0022,5R$ 813,75
Acima de R$ 5.30027,5%R$ 1.078,75

O projeto de lei propõe ainda corrigir a tabela sempre que a inflação acumulada superar os 10% desde o início da validade da última Tabela Progressiva Mensal. A correção, baseada no IPCA, passaria a ser feita de maneira automática a partir do ano-calendário 2023.

No texto, o senador escreveu que “com o objetivo de beneficiar todos os 32 milhões de contribuintes do IRPF, mormente os de renda mais baixa, é que proponho aumentar, a partir de janeiro de 2022, o piso de isenção daquele imposto de R$1.903,98 para R$3.300,00 (atualmente três salários mínimos), reajustando as demais faixas.

Essa proposta implica aumento de aproximadamente 68% no limite de isenção, fazendo também com que as rendas atualmente tributadas à alíquota de 7,5% fiquem isentas (até R$3.300,00 mensais), o que eleva para mais de 19 milhões o universo de pessoas físicas isentas. As demais faixas de renda até R$5.300,00 mensais também teriam redução expressiva do imposto.

Planeje seus gastos
Baixe de graça a planilha de controle financeiro com todos os cálculos para monitorar seus gastos mensais e veja um resumo sobre a evolução do seu orçamento ao longo do ano:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Deduções defasadas

A defasagem vai além da Tabela de Imposto de Renda e atinge, também, valores de deduções permitidos por lei. Se os valores fossem corrigidos pela inflação acumulada do IPCA, de 1996 a 2021, seriam muito diferentes.

Os descontos por dependente, por exemplo, que estão em R$ 189,59 por mês (R$ 2.275,08 ao ano), subiria para R$ 444,66 ao mês (ou R$ 5.335,92 ao ano).

Já os gastos com educação que podem ser deduzidos hoje, seriam corrigidos de R$ 3.561,50 para R$ 8.353,12.

Promessa de campanha

Durante sua campanha, em 2018, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PL) prometeu corrigir a faixa de isenção para cinco salários mínimos, o que faria com que todas as pessoas com salário igual ou inferior a R$ 6.060,00 (5x R$ 1.212,00) ficassem isentas de pagamento de imposto de renda.

A promessa ainda não foi cumprida mas poderia ser feita via Medida Provisória que teria vigência imediata, embora precisasse ser aprovada pelo Congresso em até quatro meses.

O principal empecilho para a publicação de uma medida como essa, com atualização da tabela, seria a compensação de perda de arrecadação. “Tudo pode acontecer, inclusive, a publicação de uma medida como essa que teria efeito imediato. Mas precisamos considerar que estamos em um ano eleitoral e que passar uma medida dessa natureza teria um impacto na reforma tributária, que está em tramitação”, afirma o advogado.

Cadastre-se na IMpulso e receba semanalmente um resumo das notícias que mexem com o seu bolso — de um jeito fácil de entender:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

LEIA MAIS

Compartilhe