Setembro registra a maior taxa de juros do cheque especial desde julho de 2003

Nota de Política Monetária do BC mostra que, em agosto, taxa foi de 8,64% a.m., ante 8,76% em julho de 2003

SÃO PAULO – A taxa de juros do cheque especial em setembro foi a maior registrada desde julho de 2003, segundo a Nota de Política Monetária e Operações de Crédito do Banco Central (BC), divulgada nesta quarta-feira (22).

De acordo com os dados, a taxa de juros anual do cheque especial ficou em 170,2% no nono mês deste ano, menor apenas do que a de 173,9% de julho de 2003. Isso significa que há cerca de cinco anos o brasileiro não pagava tão caro pelo empréstimo em cheque especial.

Em relação às taxas mensais, é possível dizer que o brasileiro pagava uma média de 8,76% no cheque especial há cinco anos, ante 8,64% no mês passado.

Custo do crédito

Em 12 meses findos em setembro, os juros do cheque especial já registraram aumento de 30,2 pontos percentuais. Em um mês, o avanço foi de 3,8 p.p., de acordo com a tabela abaixo, que mostra os juros no nono mês de 2007 e 2008, bem como em agosto deste ano:










Taxa (% ao mês)Setembro 2007Agosto 2008Setembro 2008
Cheque especial7,578,518,64

Fonte: Banco Central

Destaque entre empréstimos

Com a taxa registrada em setembro, o cheque especial é destaque em cobrança de juros ao consumidor. No crédito pessoal, a taxa de juros mensal foi de 3,79% no nono mês do ano, enquanto para a aquisição de veículos a taxa foi de 2,41%.

Os dados mostram que é preciso cautela antes de aderir a esse tipo de empréstimo para quitar as dívidas. O ideal mesmo é não usar esta opção ou, então, fazê-lo por apenas alguns dias. Alguns bancos inclusive não cobram juros, caso o cliente devolva o dinheiro em pouco tempo.

O mais importante para quem utiliza o cheque especial com freqüência é saber que o dinheiro não faz parte da sua renda e que, ao final de um certo período, você terá de pagar a quantia que pegou mais os juros sobre ela.

PUBLICIDADE