Tecnologia

Restaurantes pedem que iFood cubra prejuízo após troca de seus nomes por mensagens políticas e ofensivas

Para Abrasel, entidade que representa o setor, procedimentos de segurança do aplicativo de entregas precisam ser revistos e reforçados

Por  Dhiego Maia

GONÇALVES (MG) — A Abrasel (entidade que representa bares e restaurantes do país) pediu nesta quarta-feira (3) que o iFood faça uma compensação financeira aos estabelecimentos que tiveram seus nomes trocados por mensagens políticas e ofensivas.

“Além dos óbvios prejuízos financeiros (que, esperamos sejam compensados pelo aplicativo) e de imagem para os estabelecimentos, o que chama a atenção é a fragilidade demonstrada”, disse, por nota, a Abrasel.

O problema foi registrado contra bares e restaurantes cadastrados no aplicativo de entrega neste feriado de Finados (2). Segundo o próprio iFood, o incidente atingiu cerca de 6% dos estabelecimentos localizados em todas as regiões do país.
No lugar do nome das empresas apareceram mensagens pró-Bolsonaro (sem partido), como esta: “Bolsonaro 2022”. E em desfavor do ex-presidente Lula, como “Petista Comunista”.

Ofensas contra ativistas políticos também foram publicadas como esta: “Marielle Franco Peneira”, uma referência à vereadora do PSOL assassinada em 2018, no Rio de Janeiro. Houve também manifestações contrárias à campanha de vacinação da população para a Covid-19 com lemas que diziam: “Vacina Mata”.

Por nota, o aplicativo disse que um funcionário de uma empresa prestadora de serviço de atendimento que tinha permissão para ajustar informações cadastrais dos restaurantes na plataforma foi o responsável pelas alterações de forma indevida.
O nome do funcionário e nem da empresa foram divulgados. Também não se sabe de qual cidade o homem burlou as regras do aplicativo de entregas.

“O acesso da prestadora de serviço foi imediatamente interrompido, e os nomes dos restaurantes já estão sendo restabelecidos”, informou o iFood.

Dados bancários

O iFood ressaltou que após tomar conhecimento do incidente colocou em prática todas as medidas “para sanar o problema e proteger os dados de restaurantes, consumidores e entregadores”. “É importante destacar que os meios de pagamento dos clientes estão seguros”, enfatizou.

Segundo o iFood, as informações de pagamento dos usuários não são armazenadas nos bancos de dados da empresa, ficando gravados apenas nos dispositivos dos próprios usuários “não tendo havido comprometimento de dados de cartões de crédito”.

“Também não há qualquer indício de vazamento da base de dados pessoais de clientes ou entregadores cadastrados na plataforma”, afirmou o iFood.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Apesar da negativa da empresa, muitos usuários reclamaram nas redes sociais de transações efetuadas ou tentativas de uso de cartões de crédito que estavam cadastrados como forma de pagamento na plataforma do iFood.

“Mas fica o alerta: esperamos que os procedimentos de segurança sejam revistos e reforçados não só neste, mas em todos os aplicativos de delivery, para que bares e restaurantes (assim como seus clientes) se sintam seguros em ter seus dados confiados a eles”, afirmou a Abrasel.

Procurado, o iFood não se manifestou sobre o posicionamento da Abrasel até esta publicação.

(Reprodução/App iFood)

Aprenda a transformar a Bolsa de Valores em fonte recorrente de ganhos. Assista a aula gratuita do Professor Su e descubra como.

Compartilhe