Vacinas contra Covid

Reforço com Pfizer aumenta proteção em quem recebeu doses da CoronaVac, aponta estudo

Efetividade de 3 doses da CoronaVac contra Ômicron foi de 15% contra infecções sintomáticas e de 71% contra casos graves; com 3ª dose da Pfizer, 56% e 85%

Por  Agência Brasil -

Receber uma dose de reforço da vacina da Pfizer após duas doses de CoronaVac produz uma proteção mais efetiva contra a variante Ômicron do que uma terceira aplicação da CoronaVac, indica um estudo divulgado na terça-feira (5) pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

O trabalho avaliou dados do e-SUS, do Sivep-Gripe (Sistema de Informação de Vigilância Epidemiológica da Gripe) e do PNI (Programa Nacional de Imunizações). Os dados abrangem dois períodos:

  1. De 6 de setembro de 2021 a 14 de dezembro de 2021: quando a variante Delta era a dominante no Brasil;
  2. De 25 de dezembro de 2021 a 10 de março de 2022: quando havia maior circulação da variante Ômicron.

Leia também:

Para avaliar a efetividade da dose de reforço em pessoas vacinadas com duas doses de CoronaVac, foram desenhados três cenários:

  1. No primeiro, foram analisadas pessoas que receberam as duas doses da vacina produzida no Instituto Butantan e não reforçaram a imunização nos seis meses seguintes. Os pesquisadores calcularam que a efetividade de apenas duas doses contra infecções sintomáticas durante o período de maior circulação da variante Ômicron foi de 8,1%, enquanto a proteção contra desfechos graves da doença chegou a 57%.
  2. No segundo cenário, foram avaliados casos em que as pessoas receberam uma dose de reforço também de CoronaVac, o que produziu uma proteção adicional considerada limitada pelos pesquisadores. A efetividade contra infecções sintomáticas foi de 15% e contra casos graves, de 71,3%.
  3. O terceiro cenário, em que a dose de reforço foi com a vacina da Pfizer, apresentou os maiores percentuais de efetividade: de 56,8% contra infecções sintomáticas e de 85,5% contra casos graves. Além disso, o estudo mostrou que, 90 dias após a dose de reforço, a proteção contra casos graves não caiu — o que foi observado na vacinação com três doses da CoronaVac.

Tecnologia de mRNA

Os pesquisadores afirmam que as conclusões reforçam a orientação do Ministério da Saúde de que a dose de reforço deve ser prioritariamente com vacinas de RNA mensageiro (mRNA). A recomendação foi publicada em nota técnica de novembro de 2021, e no Brasil o imunizante da Pfizer é o único com essa plataforma tecnológica.

As vacinas contra a Covid-19 usadas no Brasil são de três plataformas tecnológicas diferentes:

  1. Vacina de RNA mensageiro (Pfizer): contêm RNA sintético do SARS-CoV-2.
  2. Vacinas de vetor viral (AstraZeneca e Janssen): um outro vírus, que não infecta humanos, é usado como vetor para transportar informações genéticas do novo coronavírus.
  3. Vírus inativado (CoronaVac): contém o vírus “morto”, incapaz de se replicar.

9 formas de transformar o seu Imposto de Renda em dinheiro: um eBook gratuito te mostra como – acesse aqui!

Compartilhe