Inadimplência dos brasileiros diminui 7,25% de janeiro a julho, revela SPC Brasil

Na comparação com julho com o mesmo mês de 2008, a queda é de 13,73%; frente a junho, houve decréscimo de 15,25%

SÃO PAULO – O volume de consumidores inadimplentes incluídos no SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) diminuiu 7,25% nos sete primeiros meses de 2009, na comparação com igual período do ano passado, revela o indicador da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e do SPC Brasil, divulgado nesta quarta-feira (12).

Considerando apenas o mês de julho, em relação ao sétimo mês de 2008, houve queda de 13,73%. De acordo com as instituições, tais reduções devem-se ao controle maior dos empresários na concessão do crédito e à cautela das pessoas contra o consumo por impulso, evitando contrair dívidas em longo prazo.

No confronto com junho, houve alta de 15,25%. Neste caso, o aumento pode ser explicado pela queda nos juros, que fez muitos lojistas registraram seus débitos, para que os consumidores possam liquidar as dívídas em melhores condições, e também pelo parcelamento de compras do Dia das Mães, quando parte da população pode ter excedido em seus gastos.

Registros cancelados

Na análise dos registros cancelados no SPC Brasil, que acontece depois de quitada a dívida, houve redução de 5,25% nos primeiros sete meses de 2009, ante igual período de 2008, e de 26%, somente em julho, na comparação com o sexto mês do ano.

Segundo a entidade, à medida que os consumidores melhoraram o orçamento, procuraram regularizar os débitos em meses anteriores, para voltar a consumir, principalmente em datas comemorativas, como o Dia das Mães e dos Namorados, tornando junho uma base forte de comparação.

Já na relação de julho com o mesmo mês de 2008, houve queda de 12,69%, devido ao fato de que 2008 também é uma base forte de comparação, já que a economia e o emprego estavam mais fortes nesse período.

Dívidas

Ainda segundo o levantamento, a maior parte dos registros se deu por conta de dívidas de até R$ 50, que representaram 21,7% do total. As de R$ 50,01 a R$ 100 tiveram 13,4% de participação e as de R$ 100,01 a R$ 250, 18,9%.

Os débitos acima de R$ 500 e entre R$ 250,01 e R$ 500 responderam por 13,97% e 15,4% dos registros, respectivamente.

Inadimplência Serasa

Nesta quarta-feira (12), a Serasa Experian divulgou o Indicador de Inadimplência Pessoa Física de julho, que apresentou alta de 6,9% frente ao mesmo mês do ano passado, mas, segundo a entidade, o índice perdeu o folêgo em relação aos meses anteriores.

PUBLICIDADE