Resposta à invasão

Iates de luxo de bilionários russos são confiscados na Europa

Autoridades francesas apreenderam iate de 85 metros na costa mediterrânea; outro navio, do bilionário Alisher Usmanov, está parado no porto de Hamburgo

Por  Equipe InfoMoney -

Em meio a sanções contra a Rússia e cidadãos russos devido à invasão da Ucrânia, iates de luxo de bilionários do país estão sendo apreendidos e confiscados pela Europa.

Autoridades francesas disseram ter apreendido o Amore Vero, um iate de 280 pés (85 metros de comprimento) que pertence a uma empresa do russo Igor Sechin, presidente-executivo e presidente do conselho de administração da Rosneft, um empresa produtora de petróleo da Rússia.

Sechin é aliado do presidente do país, Vladimir Putin, e está no grupo de pessoas que sofreram sanções da União Europeia após a invasão da Ucrânia pela Rússia. Segundo o “The Wall Street Journal”, o Amore Vero foi apreendido durante a noite em um estaleiro em La Ciotat, na costa mediterrânea da França.

“Agradeço à alfândega francesa por aplicar as sanções da UE contra pessoas próximas aos líderes da Rússia”, escreveu o ministro das Finanças da França, Bruno Le Maire, no Twitter. “O barco estava sendo preparado para zarpar com urgência”.

Leia também:
União Europeia confirma novas sanções e fecha espaço aéreo para a Rússia
Tradicionalmente neutra, Suíça adota sanções da União Europeia contra Rússia
Sanções contra Rússia: os impactos intencionais (e não intencionais) na economia global

O presidente da Rússia, Vladimir Putin (ao fundo), olha para o CEO da Rosneft, Igor Sechin, durante visita do presidente da China, Xi Jinping, a Moscou em 5 de junho de 2019 (Foto de Mikhail Svetlov/Getty Images)

A revista “Forbes” chegou a noticiar que o iate Dilbar, que tem 512 pés (156 metros) e é um dos maiores do mundo (veja na foto no início desta reportagem), havia sido apreendido em Hamburgo, na Alemanha.

O navio pertence ao bilionário russo Alisher Usmanov, que também está entre os alvos de sanções europeias, mas um representante de Usmanov negou que o iate tenha sido apreendido, citando uma declaração do Ministério da Economia e Inovação do estado de Hamburgo.

No comunicado, o ministério do estado alemão afirmou que a agência alfandegária federal do país é a “autoridade responsável pela execução”, que ela teria que emitir uma isenção de exportação para o iate sair do porto e que “nenhum iate sai do porto se não estiver autorizado a fazê-lo”.

“Nenhum iate foi confiscado”, disse um porta-voz da autoridade econômica de Hamburgo ao jornal britânico “The Guardian”. “A entrega [do iate ao seu proprietário] também não está planejada. Nenhum iate vai deixar o porto se não tiver permissão para fazê-lo”.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, cumprimenta o bilionário russo Alisher Usmanov em 27 de novembro de 2018 (Foto de Mikhail Svetlov/Getty Images)

Alisher Usmanov é o 99º bilionário mais rico do mundo, segundo a “Forbes”, e tem uma fortuna estimada em US$ 14,2 bilhões (cerca de R$ 70 bilhões na cotação atual).

A revista diz que Usmanov tem a maior parte da sua fortuna ligada à gigante de minério de ferro e aço Metalloinvest, foi um dos primeiros investidores do Facebook, possui participações na Xiaomi e vendeu sua participação de 30% no Arsenal Football Club em 2018 por quase US$ 700 milhões.

Segundo a agência de notícias Reuters, ao menos cinco outros superiates de bilionários russos estão ancorados ou navegando pelas Maldivas, uma nação no meio do Oceano Índico.

Leia também:

Cadastre-se na IMpulso e receba semanalmente um resumo das notícias que mexem com o seu bolso — de um jeito fácil de entender:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe