Mobilidade

Financiamento ou carro por assinatura: qual é a melhor opção? Compare os custos das duas modalidades

Pandemia fez muitas pessoas repensarem a necessidade de ter um veículo e, neste cenário, a opção por assinatura ganha força: veja prós e contras

Por  Giovanna Sutto -

SÃO PAULO – A pandemia de coronavírus vem transformando hábitos e comportamentos. Com a quarentena e o isolamento social para grande parte da população, comprar um carro ou mesmo trocar de modelo passou a ser uma decisão tomada com mais cautela ou em alguns casos foi deixada para depois com receio de dívidas em um momento de incertezas.

Quem estava pensando em comprar um carro, agora em home office passou a considerar também outras alternativas, como o serviço de assinatura de veículos, em que você paga uma taxa fixa por mês para utilizar o carro de uma locadora, ficando responsável apenas pelo custo de abastecimento — seguro, imposto e manutenção ficam a cargo da empresa que você contratou o serviço.

Embora a dinâmica do setor automotivo esteja mudando, a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) ainda prevê um crescimento de 15% nas vendas de totais veículos de todas as categorias em 2021 no Brasil, na comparação com 2020. A produção, porém, chegou a cair 99% no ano passado, e foi se recuperando ao longo do segundo semestre.

O InfoMoney consultou especialistas do setor para entender os prós e contras das duas alternativas, o financiamento de um veículo e o serviço de assinatura com uma locadora: quando eles valem a pena? Veja as orientações abaixo.

Financiamentos: preços de veículos mais altos

Com algumas fábricas ainda fechadas e falta de peças afetando toda a cadeia de produção automotiva no país, os preços dos carros novos e seminovos vêm aumentando: há uma demanda por aquisição de carros, mas uma oferta baixa de carros zero quilômetro devido, principalmente, aos problemas logísticos, além da pandemia.

Como consequência da falta de carros novos, as pessoas vão em busca de modelos seminovos, inflando as buscas pelo segmento e os preços também sobem. O InfoMoney detalhou os motivos desse efeito nos preços em reportagem recente.

Há um consenso que os preços dos carros atualmente estão mais altos do que o observado nos últimos meses. “Toda dificuldade que as montadoras estão enfrentando com a falta de peças, especialmente semicondutores, está inflando os preços, já que ainda há uma demanda por parte do público consumidor”, afirma Antonio Jorge Martins, diretor e coordenador acadêmico executivo da FGV.

De fato, segundo a Fenabrave, entidade que representa as associações de veículos, a venda de veículos novos (automóveis e comerciais leves) no acumulado de 2021 até abril apresentou uma alta de 13,3% na comparação com o mesmo período do ano passado — vale lembrar que a pandemia teve início em março e se agravou em abril de 2020.

Considerando o recorte de seminovos (automóveis e comerciais leves), a alta no mesmo período foi ainda mais significativa, de 40,3% na comparação com os primeiros quatro meses de 2020.

Martins entende que a normalização da produção deve acontecer no segundo semestre. “O setor automotivo enfrenta um momento difícil e que pode perdurar por mais meses. O panorama segue o mesmo que já vínhamos observando: faltam peças essenciais, ainda são necessários fechamentos temporários de algumas fábricas, uma preocupação com a retomada da economia em meio à pandemia. O desempenho em termos de produção está comprometido. Espero uma recuperação no segundo semestre, mas dependemos de vários fatores – como as fábricas no exterior, para a normalização da produção”, explica.

De qualquer maneira, ele entende que esse ritmo de alta nos preços vai reduzir à medida que a normalização nas fábricas acontecer porque a oferta de veículos vai aumentar e vai se adequar melhor à demanda. Assim, segundo Martins, “se o consumidor não tem urgência para adquirir um carro, vale esperar um pouco pra comprar”.

Milad Kalume Neto, diretor de novos negócios, da consultoria automotiva Jato Dynamics, também entende que os preços dos carros vêm aumentando, o que é um ponto de alerta para o consumidor que considera financiar um carro nesse momento. Porém, ele acredita que uma redução significativa nos preços não está no horizonte.

“Dificilmente as montadoras vão reduzir os preços justamente diante desse cenário. Com tantos meses difíceis que já passaram, e que ainda vão vir por causa da crise causada pela pandemia, não vejo uma redução de preços significativa o suficiente para que o consumidor aposte todas as fichas nisso. A recomendação é se organizar e se planejar se pretende comprar um carro, e levar em conta um novo cenário com preços mais altos do que vimos meses atrás”, pontua.

Carros por assinatura: novidade ainda incipiente no Brasil

O modelo de carro por assinatura, também conhecido por carsharing, é novo no Brasil e vem se consolidando nos últimos dois anos. Na prática, funciona como um aluguel de longo prazo. Em vez de comprar o carro, o consumidor aluga por um, dois ou mesmo três anos o modelo e no fim do contrato devolve o carro podendo renovar a assinatura com o mesmo modelo ou outro. Em alguns casos é possível comprar o modelo ao fim do contrato.

Muitos países ao redor do mundo já contam com essa modalidade há mais tempo e no Brasil montadoras como Fiat, Jeep, Volkswagen, Renault, Caoa Cherry, e locadoras como Movida, Localiza, Unidas já possuem a opção ofertada aos clientes.

Das nove montadoras com a maior participação de mercado, divulgadas pela Fenabrave, Chevrolet, Hyundai, Honda e Nissan não possuem serviços desse tipo no país, por enquanto.

De fato, o mercado de assinatura nesse modelo ainda é incipiente no Brasil. Ainda há algumas limitações de veículos específicos, versões, quilometragem, tempo de contrato. Uma reportagem do InfoMoney explica como funciona essa modalidade. Mas a verdade é que o interesse das montadoras nesse segmento vem aumentando.

“Na prática, a montadora vê a assinatura como mais uma fonte de receita. É mais um braço de negócio. E vai trazer mais concorrência ao setor, já que as locadoras também estão dentro desse segmento de assinatura. Há uma tendência de disputa pelos melhores preços para atrair o cliente. Essa nova dinâmica entre montadora e locadora pode se tornar atrativa”, diz. Nesse sentido, Martins entende que o segmento de carros por assinatura, embora ainda esteja começando, deve funcionar bem no Brasil.

Ana Renata, diretora geral da Cox Automotive, grupo dono da Kelley Blue Book (KBB), consultoria automotiva, acrescenta que o segmento por assinatura atende perfis diferentes ao público do financiamento. “Essas modalidades não vão se canibalizar entre si. Esses modelos vão conviver no mercado brasileiro e solidificar seus nichos de clientes. Assim, entendo que o carro por assinatura vem para atender um público que precisa desse tipo de serviço, o que vai consolidar a alternativa no Brasil”, explica a executiva.

Romain Darmon, gerente geral da Renault on Demand, explica que essa foi uma surpresa positiva para o negócio da empresa. “Tínhamos uma preocupação sobre a canibalização entre os segmentos de assinatura e o de compra, porém, isso não vem acontecendo. Os públicos realmente são diferentes, quem assina geralmente são jovens de classe A e B, e quem compra, geralmente, são pessoas mais maduras e em outras fases da vida, com filhos, por exemplo”, diz o executivo.

Qual escolher?

Para tomar a decisão há alguns aspectos destacados pelos especialistas. Veja:

Perfil do cliente

Segundo Ana, o perfil do consumidor que, se fechar um plano de assinatura faz sentido é majoritariamente: jovens, como destacado pelo executivo da Renault, e pessoas que usam o carro esporadicamente.

“Jovens, a geração Z, e até Y tem mais a cabeça do consumo e não da posse. Então, ter um carro como propriedade não é um desejo. Nesse sentido o carro por assinatura super resolve o problema de locomoção. Além disso, jovens que vão ganhar o primeiro carro, em vez de comprar testa uma assinatura por um ano, por exemplo. Ainda, quem não usa o carro com frequência também não precisa comprar um, como quem não usa para ir e voltar do trabalho todo dia, por exemplo”. Ainda, outro perfil que vejo como potencial para esse mercado é aquela pessoal que já teve carro, vendeu, ficou um tempo sem e agora quer novamente ter um veículo. Antes de comprar novamente, a assinatura pode ser uma saída para se adaptar”, explica.

Do outro lado, Ana pontuou que pessoas que usam o carro diariamente, para longas distâncias devem considerar a compra. “Os planos por assinatura têm limites de quilometragem, vale a pena conferir para evitar ultrapassá-los e arcar com multas. Além disso, muitos consumidores, principalmente quem tem mais de 40 anos ainda têm o senso de propriedade muito forte. Não é regra, consumidores mais jovens também podem pensar assim. Não há problema nenhum o cliente querer ter o carro para si, mas é um público que não tem aderência ao modelo por assinatura”, complementa.

Ela ressalta que o cliente precisa entender a diferença entre comprar e assinar o carro. “Ao comprar, o cliente faz uma aquisição de um bem. Ao fazer a assinatura, está consumindo um serviço de longo prazo, não adquire o carro, nem aluga por um fim de semana. São formatos diferentes”, explica Ana.

Analise seu orçamento

Allan Inácio, professor de finanças da PUC-PR, alerta que embora, na prática, o carro por assinatura tenha menos custos é preciso avaliar se, de fato, o consumidor vai conseguir arcar com esse custo mensal durante um ou dois anos, por exemplo.

“Pensando puramente do aspecto financeiro, ideal é guardar dinheiro e colocar em uma aplicação para que ao longo de três anos, por exemplo, o cidadão tenha como comprar o carro à vista, sem se endividar. Porém, sabemos que na vida real não é assim. As pessoas têm urgências, necessidades e desejos que também motivam as decisões financeiras”, diz.

Guilherme Mariotto, engenheiro de manutenção, está em busca de um novo automóvel, e vem considerando o carro por assinatura. “Meu carro já tem cinco anos e quero trocar. Me mudei para o Pará e na cidade em que estou não tem concessionária que atende meu carro. Por isso, comecei a pesquisar. Como estou me adaptando por aqui, considerei a assinatura a melhor opção, por enquanto. Tudo é perto e vou para o trabalho com o ônibus da empresa. Olhei as opções da Renault On Demand, Localiza, Unidas, entre outras. Achei esse modelo de assinatura prático”, diz.

Mariana Sousa, veterinária que mora em São Paulo, por outro lado, não achou que a opção de modelo por assinatura faria sentido para ela. “Eu pesquisei o plano por assinatura, comparei com os custos do financiamento, fiz algumas simulações online e conversei com pessoas que tinham o serviço. Mas decidi comprar em vez de alugar devido ao preço final. O aluguel seria cerca de R$ 2 mil, mas com a entrada que dei, as parcelas do financiamento, mesmo com a taxa de juro do meu banco, ficariam mais baratas que esse custo mensal do aluguel por assinatura e o carro ainda seria meu no fim. Preferi investir nas parcelas e ter o carro, do que ter que devolver daqui um, dois anos. Sendo meu posso vender depois, por exemplo, mesmo com a depreciação”, conta.

De qualquer maneira, há dicas que podem ajudar o cliente a decidir. Neto, da Jato Dynamics, separou os principais custos de cada modalidade que devem ser levados em consideração. Vale lembrar que cada montadora e locadora tem suas especificidades, então, pode ser que haja algum custo além dos citados, mas de maneira geral, o padrão de mercado tem se mostrado dessa forma.

Veja a tabela comparativa dessas variáveis: 

Custos que o consumidor vai ter 
Financiamento Carro por assinatura 
Parcela mensal do financiamentoParcela Mensal do plano
CombustívelCombustível
MultasMultas
DepreciaçãoFranquia do seguro
Seguro e franquia
Manutenção (revisões, etc)
Licenciamento, IPVA, Dpvat (impostos)
Pneus

Considerando a tabela, nos dois casos o consumidor precisa estar preparado financeiramente para ter o carro, segundo Inácio.

“O carro não é investimento, é custo. Se a pessoa decide comprar, dias depois já perde 15% a 20% do valor do ativo e o carro segue depreciando ao longo do tempo. A pessoa paga mais do que vale devido aos juros, e no final do financiamento tem um ativo depreciado. Porém, a pessoa vai ter esse ativo, o carro é dela. Por outro lado, no plano de assinatura só tem gasto, já que o carro não é seu. Você não assume vários custos, mas tem parcela mensal que não acaba durante o período de contrato e que pode ser reajustada a depender do acordado”, pondera o professor.

Assim, segundo ele não tem segredo a não ser colocar os custos no lápis e compará-los. “Defina um modelo de veículo, quanto você tem para gastar por mês e avalie se tem uma reserva para dar entrada. Mas cada caso é um caso particular”, diz.

O InfoMoney buscou referências de preços e de custos em ambos os casos para dar uma ideia do que o cliente pode encontrar ao buscar alguma das opções disponíveis. Veja:

Preços e custos

A) Carro por assinatura 

O InfoMoney contatou as empresas ou fez uma busca nos sites para apresentar uma média de preço. A fim de padronizar foram consideradas opções de 24 meses e limite de 1.000 km por mês na média — há períodos e quilometragens mais longas a depender da empresa. Para selecionar os preços, foram considerados os menores preços possíveis dentro do critério citado acima e duas categorias de carros: um hatch e um SUV — as que mais vendem no Brasil, segundo a Fenabrave.

Ainda, entre os modelos de veículos, foram considerados os hatchs e SUVs que integram a lista de mais vendidos da Fenabrave. Por exemplo, no caso da Flua: Mobi e Argo estão entre os dez carros mais vendidos do país no primeiro quadrimestre, mas no acumulado do ano o Mobi vendeu mais, então, ele foi apresentado de exemplo. São apenas referências e os preços de todos os modelos disponíveis estão nos respectivos sites.

Vale lembrar que os clientes podem personalizar o aluguel de várias maneiras, o que impacta no preço também. Confira:

Carro por assinatura Hacth*SUV*Período de contrato 
Fiat/Jeep Flua Fiat Mobi R$ 1.249,00Jeep Compass R$ 3.199,0024 meses
VW Sign & Drive  não possui veículo dessa categoria disponívelT-Cross R$ 2.199,0012 meses**
Renault On Demand Kwid R$ 1.239,00Duster R$ 2.339,0024 meses
Caoa Sempre  não possui veículo dessa categoria disponívelTiggo 5X R$ 1.957,8624 meses
Porto Seguro Chevrolet Onix R$ 1.799,00Hyundai Creta R$ 2.279,0024 meses
Unidas Fiat Argo R$ 1.479,00Jeep Renegade R$ 2.199,0024 meses
Movida Zero KMFiat Mobi R$ 1.113,00Jeep Renegade R$ 1.959,0024 meses
Localiza MeooFiat Mobi R$ 1.423,00Jeep Renegade R$ 2.040,0024 meses
*A partir de; 
**Único período disponível.

B) Financiamento 

Na perspectiva de financiamento, o InfoMoney buscou simular, na média, o custo de um carro para que seja possível comparar com os preços tabelados acima.

Para fazer isso, a Jato Dynamics fez uma simulação. Foram considerados: um Chevrolet Onix, carro mais vendido no Brasil no primeiro quadrimestre, e um Jeep Renegade, SUV mais vendido do Brasil no mesmo período. O levantamento da consultoria não levou em conta as parcelas de financiamento, somente os custos que o cliente teria ao comprar um carro.

O levantamento considera 24 meses de período de financiamento e as versões são exemplos que apareceram como opções para assinaturas — existem outras versões mais em conta e também mais caras dos mesmos carros. No modelo de assinatura nem sempre há disponível todas as versões do carro.

Para ter uma ideia da parcela do financiamento, o InfoMoney usou a calculadora do cidadão do Banco Central, que permite simular financiamentos de diversos tipos. Considerando 24 meses para ficar padronizado com o restante dos dados, uma entrada de 20% do valor total do carro e uma taxa de juro mensal de 1,0%.

Segundo Inácio, professor da PUC-PR, geralmente, para carros novos a taxa de financiamento varia entre 0% e 2% a depender do montante de entrada. “Quanto maior for a entrada menor é a taxa de juros. Têm montadoras que trabalham assim: com 60% de entrada é possível pagar em 24 vezes sem juros, pagando apenas as taxas de operação. Se der R$ 0 de entrada a taxa sobe e algumas nem fazem sem entrada”, explica o professor.

Confira a simulação de custos de compra:

Chevrolet Onix
1.0 Turbo LTZ 21*
hatch
Jeep Renegade
1.8 Longitude Auto 21*
SUV
Preço do carro para o públicoR$73.180,00R$123.983,00
DepreciaçãoR$24.493,35R$46.692,00
SeguroR$5.410,58R$6.587,54
Revisões em ConcessionáriosR$1.575,25R$1.518,21
ManutençãoR$1.105,79R$1.630,81
PneusR$659,80R$1.119,80
ImpostosR$5.394,22R$8.705,61
Parcela financiamentoR$ 2.755,87R$4.669,04
Total em 24 meses R$ 41.393,87R$ 70.923,00
Total por 24 meses R$ 1.724,74R$ 2.955,12
Calcule os custos para ter um carro
Baixe uma planilha gratuita que compara os gastos de um automóvel com outras opções de mobilidade:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe