Internacional

“Estou disposto a perder torneios de tênis do que ser forçado a vacinar contra a Covid”, diz Djokovic

Tenista afirmou que não está ligado ao movimento antivacina, mas que apoia o direito de escolha de cada pessoa em se vacinar ou não

Por  Equipe InfoMoney -

Novak Djokovic, o número um do tênis mundial, disse que está disposto a perder futuros torneios de tênis do que ser forçado a receber uma vacina contra a Covid-19.

“Porque os princípios de tomada de decisão sobre meu corpo são mais importantes do que qualquer título ou qualquer outra coisa. Estou tentando estar em sintonia com meu corpo o máximo que posso”.

A declaração foi dada em entrevista à BBC.

O tenista afirmou que não está ligado ao movimento antivacina, mas que apoia o direito de escolha de cada pessoa em se vacinar ou não.

Djokovic afirmou esperar que os critérios de vacinação em torneios de tênis mudem. “Eu nunca fui contra a vacinação. Eu entendo que, globalmente, todos estão tentando fazer um grande esforço para lidar com esse vírus e chegar, espero, a um fim em breve para esse vírus”.

Ele também disse na entrevista que estava “mantendo a mente aberta” sobre a possibilidade de ser vacinado no futuro, “porque estamos todos tentando encontrar coletivamente a melhor solução possível para acabar com a Covid”.

Ele claramente pensou bastante sobre o conflito entre a autonomia individual e o bem coletivo — e ele defende que, como um atleta de elite, seu corpo é assunto seu. O tenista falou à BBC que tem uma mente aberta, mas do jeito que as coisas estão, ele afirma que não vai se vacinar.

Leia também:

Debate global

A posição do tenista desencadeou um debate global sobre os direitos das pessoas que optam por não se vacinar depois de tentar jogar o Australian Open mesmo sem estar vacinado.

O tenista acabou detido, teve o visto negado e foi obrigado a deixar o país após batalha duríssima na Justiça da Austrália.

A decisão de não se vacinar vai seguir custando caro a Djokovic. O governo de Emmanuel Macron já comunicou que o tenista só jogará em Roland Garros, em maio, se apresentar comprovante de vacina contra a Covid-19.

Vale lembrar que o tenista detém a participação de 80% de uma empresa dinamarquesa que busca criar um tratamento médico para combater a Covid-19.

Segundo o executivo-chefe da companhia, Ivan Loncarevic, Djokovic fez aportes na empresa, em junho de 2020 — os valores, porém, não foram revelados.

A QuantBioRes possui 11 pesquisadores espalhados por Dinamarca, Austrália e Eslovênia. O grupo não está focado em criar uma nova vacina, mas um tratamento para a Covid-19.

Segundo Loncarevic, a empresa está desenvolvendo um peptídeo, que seria capaz de estabelecer uma barreira contra as infecções do coronavírus nas células humanas.

Experimentos clínicos têm a previsão de colocar o método à prova no Reino Unido nos próximos meses.

Cadastre-se na IMpulso e receba semanalmente um resumo das notícias que mexem com o seu bolso — de um jeito fácil de entender:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe