Por 6 a 3

DPVAT: STF suspende MP de Bolsonaro que acabava com o seguro obrigatório

O tema ainda precisa ser discutido no plenário presencial, mas não há uma data prevista

Acidente de carro
(Shutterstock)
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O STF (Supremo Tribunal Federal) suspendeu a medida provisória (MP 904/2019) do presidente Jair Bolsonaro que prevê a extinção do DPVAT (Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres) a partir de 2020.

O julgamento, que aconteceu no plenário virtual, foi encerrado na última quinta-feira (19) e oficializado pelo STF nesta sexta-feira (20).

O tema ainda precisa ser discutido no plenário presencial, mas não há uma data prevista. Por hora, o seguro obrigatório volta a valer.

Aprenda a investir na bolsa

A medida provisória foi assinada por Bolsonaro no dia 11 de novembro e nova regra entraria em vigor a partir do dia primeiro de janeiro de 2020.

O relator, ministro Luiz Edson Fachin, fez uma análise do caso e propôs a suspensão da MP. Segundo o ministro, o tema só pode ser tratado por meio de lei aprovada pelo Congresso Nacional.

“É vedada a edição de medida provisória que disponha sobre matéria sob reserva de lei complementar. Como a legislação sobre seguro obrigatório regula aspecto essencial do sistema financeiro, para o qual, conforme o art. 192 da CRFB exige-se lei complementar, o tema não poderia ser veiculado na medida provisória”, disse Fachin.

Além de Fachin, os ministros Alexandre de Moraes, Marco Aurélio Mello, Rosa Weber, Luiz Fux e Dias Toffoli também votaram a favor da suspensão da MP.

Do outro lado, votaram pela manutenção do fim do seguro obrigatório Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Celso de Melo.

A ministra Cármen Lúcia não participou do julgamento, e o ministro Luís Roberto Barroso se declarou suspeito porque, antes de ser ministro do Supremo, já advogou para a seguradora Líder.

O que é o DPVAT?

Na prática, o DPVAT é o seguro que faz a cobertura de casos de morte, invalidez permanente ou despesas com assistências médica e suplementares por lesões de menor gravidade causadas por acidentes de trânsito em todo o país.

O pagamento é anual e obrigatório para todos os donos de veículos do país e realizado junto com o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA).

PUBLICIDADE

O seguro foi instituído por lei em 1974 e era requisito para que os condutores conseguissem renovar o licenciamento do veículo. Em 2019, o valor do DPVAT ficou entre R$ 16,21 (carro particular) e R$ 84,58 (moto).

Os valores das indenizações incluem R$ 13,5 mil em caso de morte, entre R$ 135 e R$ 13,5 mil em caso de invalidez permanente. Já o reembolso de despesas médicas inclui indenizações limitadas a R$ 2,7 mil.

Para entender melhor: O DPVAT cobre todos os cidadãos brasileiros, motoristas ou pedestres, que se envolverem em um acidente de carro e precisarem de assistência médica ou de indenização por morte ou invalidez. 

O fim do seguro obrigatório, significaria,na prática, que o condutor não teria mais garantia de tratamento em caso de acidente ou indenização à família em caso de morte no trânsito.

O InfoMoney mostrou que as alternativas ao DPVAT poderiam custar mais de R$ 2 mil aos condutores. 

Invista seu dinheiro para realizar seus maiores sonhos. Abra uma conta na XP – é de graça. 

PUBLICIDADE