Em minhas-financas / cartoes

Radar: acompanhe algumas das principais oscilações na bolsa nesta segunda-feira

Mercados seguem no azul nesta tarde, acompanhando o preço das commodities e novas referências positivas dos EUA

v class="show-for-large id-0 cm-clear float-left cm-mg-40-r cm-mg-20-b" data-show="desktop" data-widgetid="0" style="">
SÃO PAULO - Mantendo o otimismo visto na abertura dos negócios, os principais mercados acionários operam em alta na tarde desta segunda-feira (23), com o Ibovespa registrando ganhos de 1,25%, acompanhando a valorização das commodities e os eventos favoráveis provenientes da economia norte-americana.

Na pauta econômica dos EUA, novos sinais de recuperação do mercado imobiliário animaram os investidores. Segundo dados da Associação de Corretoras de Imóveis, o número de vendas de casas usadas no país atingiu o patamar de 6,10 milhões durante os 12 meses encerrados em outubro, ficando acima das expectativas dos analistas, que giravam em torno dos 5,70 milhões.

Ainda na principal economia do mundo, perspectivas em torno da política monetária tornaram o clima de negociações mais agradável na abertura da semana. James Bullard, presidente do Fed de St. Louis, acredita que o comitê deveria manter o programa de ativos ligados a hipotecas mesmo após o limite previsto para seu término. Já Charles Evans, presidente do Fed de Chicago, afirmou que a Fed Funds Rate deverá permanecer próxima a zero até o final de 2010.

Acompanhando estas perspectivas, os preços das commodities disparam nesta segunda-feira, com destaque para o cobre, que atinge sua maior cotação nos últimos 14 meses, e o ouro, que registra novo recorde em Londres.

Petrobras
Sem muitas referências inéditas, investidores repercutem declarações de José Sérgio Gabrielli, presidente da Petrobras (PETR4). Na última sexta-feira, o executivo defendeu um novo sistema de partilha da produção para a exploração da camada pré-sal.

Segundo Gabrielli, o modelo atual de concessão foi criado quando o País passava por um momento difícil, privilegiando aqueles que assumiam riscos para encontrar petróleo. "No pré-sal, a situação é diferente: o risco é mínimo. É como você oferecer um bilhete de nove números com oito já certos", afirmou. Gabrielli também apoiou um possível aumento no valor dos royalties a ser repassado para estados não-produtores.

Seguindo em linha com o benchmark, as ações preferenciais da petrolífera registram valorização de 1,22% nesta segunda-feira.

Aumento de capital
Quem também tem buscado mexer no seu capital é o Iguatemi (IGTA3). A empresa aprovou um aumento de capital de R$ 22,8 milhões, através da emissão de 800 mil ações a um preço unitário de R$ 28,50. Seus papéis registram valorização de 2,01% na bolsa brasileira.

A GVT (GVTT3) também aprovou a expansão de seu capital. Através da emissão de 8,76 milhões de ações, a empresa aumentou seu montante em R$ 133,9 milhões, passando agora a possuir R$ 1,51 bilhão em capital. Os ativos da companhia operam em alta de 0,62%.

Ofertas e compras de ações
No mais, fica a atenção ao calendário de ofertas de ações na bolsa. Os interessados na oferta secundária da Energias do Brasil (ENBR3) têm até esta segunda-feira para reservarem os papéis da empresa, que estreiam na BM&F Bovespa na próxima quinta-feira. Nesta sessão, os ativos apresentam queda de 0,33%.

Por sua vez, a Visanet (VNET3) - Cielo - divulgou um comunicado ao mercado anunciando a aquisição de 6 milhões de suas ações ordinárias, "para permanência em tesouraria, cancelamento, alienação e, em especial, para atender ao exercício de opções outorgadas no âmbito do Plano de Opção de Compra de Ações". Seus papéis operam com forte valorização de 3,55%.

Recisão de contrato
A Cyrela (CYRE3) comunicou a rescisão do contrato com o Credit Suisse para a função de formador de mercado de seus papéis, com finalização das operações prevista para 22 de dezembro. As ações da construtora avançam 1,85% neste pregão.

 

Contato