Brasil terá mais de 489 milhões de cartões até o fim de outubro

Segundo a Abecs, aumento se dá por conta da migração de outros meios de pagamento - como dinheiro e cheque - para o cartão

SÃO PAULO – O setor de cartões (débito, crédito, loja e rede) contará com 489 milhões de plásticos em circulação no país até o final de outubro, segundo levantamento divulgado nesta quarta-feira (15) pela Abecs (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços).

Ainda segundo a pesquisa, esse número é 14% superior se comparado com o número fechado no mesmo mês do ano passado (430 milhões).

De acordo com a entidade, um dos grandes fatores que contribuem para o incremento esperado é a persistente migração de outros meios de pagamento – principalmente do dinheiro e do cheque – para os cartões.

Outro fator é que, a despeito da crise financeira internacional e da turbulência provocada no mercado de capitais brasileiro, as vendas no comércio permanecem aquecidas.

Faturamento

Os dados mostram que serão realizadas 541 milhões de transações no décimo mês de 2008, o que representa uma alta de 21% frente ao mesmo período de 2007, quando foram realizadas 448 milhões.

Já o faturamento do setor deve chegar a R$ 33,6 bilhões, demonstrando que o mercado brasileiro de cartões continua caminhando para a quebra de novos recordes este ano. Em comparação com o volume financeiro transacionado em outubro de 2007 (R$ 27,4 bilhões), haverá um aumento de 23%.

A estimativa no início de 2008 era que o faturamento este ano teria um incremento em torno de 20%, e agora existe a certeza de que a previsão inicial será superada, destaca a Abecs.

O diretor de comunicação da entidade, Marcelo Noronha, observa que, mesmo no caso de uma eventual retração nas vendas do comércio, por conta da crise, o desempenho do setor de cartões permanece positivo, por causa da substituição do cheque pelo plástico.

“A variação percentual pode até ser um pouco menor, mas o movimento permanece sendo de alta”, destaca o diretor.

PUBLICIDADE