Mercado de Luxo

A bolsa que subiu 5% ao ano nos últimos 35 anos

Conheça a bolsa que teve um crescimento de preço de 5% ao ano nos últimos 35 anos — um aumento superior ao resultado do S&P 500

Por  Mariana Amaro -

Investidores no mundo inteiro precisam lidar com a volatilidade. Uma hora a bolsa sobe, outra hora a bolsa cai.

Mas existem algumas bolsas resilientes. Que não caem nunca.

São as bolsas de luxo. O preço delas se mantém em uma escalada constante.

A Hermès Togo Birkin Bag, de 35cm, por exemplo, teve um crescimento de preço em torno de 5% ao ano nos últimos 35 anos. Isso representa um retorno melhor que o índice S&P 500, com as 500 maiores empresas dos Estados Unidos, e que o ouro.

Essa bolsa é particularmente famosa no mundo da moda. Criado para a cantora francesa Jane Birkin, em 1984, o modelo, feito à mão por artesãos que levam até 30 horas para concluir um único acessório, é visto como muito mais que um objeto para carregar outros objetos.

Em 2018, por exemplo, uma bolsa Birkin feita com couro de crocodilo e detalhes em ouro e diamantes foi vendida por mais de US$ 400 mil (o equivalente a mais de R$ 2 milhões) – o preço mais alto pago por uma bolsa do tipo, segundo a Sotheby´s, casa de leilão de itens de luxo.

Parte da aura de exclusividade das bolsas da Hermès vem da escassez e do alto custo de seus produtos. O que, no final das contas, acaba transformando bolsas em…ativos.

Usar o verbo “investir” para tratar da compra de uma bolsa de luxo, portanto, não estaria errado. “Comprar uma bolsa como essas é como investir em um ativo com poder de valorização monetária. É como uma joia, que passa pela Lei da Oferta e da Demanda. As marcas de luxo controlam a oferta para que esteja sempre abaixo da demanda”, diz Martin Gutierrez, head da consultoria de luxo MCF.

Esse controle é feito, inclusive, com queima de estoque. Não é queima figurada, é queima mesmo, literal. Os itens que não são vendidos são incinerados para que não entrem em liquidação.

Dessa forma, o preço das bolsas está sempre em ascensão.

A francesa Chanel, buscando aumentar sua percepção como item de luxo, está correndo atrás do prejuízo aumentando os preços de suas bolsas em uma velocidade ainda maior que a Hermès.

De 2019 até o final de 2021, por exemplo, o preço da bolsa média clássica da Chanel cresceu 60%.

Confira a valorização de duas bolsas icônicas (a Birkin, da Hermès, e a Clássica, da Chanel) no nosso GRÁFICO DA SEMANA. 

Gráfico de Bolsas Impulso

_______________________________________________________________________________

Este conteúdo foi publicado, originalmente, no dia 17 de fevereiro de 2022, e faz parte da newsletter IMpulso, um resumo semanal de tudo que importa para o seu bolso. Inscreva-se grátis para receber o conteúdo todas as quintas-feiras, pela manhã, em primeira mão.

Cadastre-se na IMpulso e receba semanalmente um resumo das notícias que mexem com o seu bolso — de um jeito fácil de entender:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe