Pagamento com cripto

Visa e Agrotoken lançam cartão de pagamentos com grãos tokenizados

Cada token da solução representa uma tonelada de grãos vendida e entregue pelo produtor a um armazém

Por  Lucas Gabriel Marins -

Produtores agora podem usar criptomoedas para comprar maquinário agrícola, insumos e outros produtos em mais de 80 milhões de estabelecimentos que aceitam Visa. A Agrotoken, startup argentina de tokenização de commodities agrícolas, e a gigante de pagamentos firmaram parceria e lançaram um cartão com tokens lastreados em grãos.

A solução de pagamentos comporta tokens chamados Agrotoken. Cada um é o equivalente a uma tonelada de grãos – soja, milho ou trigo – vendida e entregue pelo produtor a um armazém. Na prática, a moeda é uma stablecoin, um tipo de cripto pareada em algum ativo estável.

De acordo com a Agrotoken, a quantidade de commodities fica registrada em blockchains, e todos os dados podem ser auditados. O projeto utiliza os ecossistemas Ethereum (ETH), Polygon (MATIC) e Algorand (ALGO).

Com o cartão, os agricultores poderão fazer compras nos estabelecimentos que aceitam Visa. Também será possível solicitar empréstimos garantidos por grãos e consultar os índices de preço em tempo real.

“É algo que vai além dos cartões que se conhece hoje. Com o aplicativo que estamos cocriando com a Visa, o produtor terá um registro de todas as suas transações para facilitar sua contabilidade e suas tomadas de decisão. Além disso, a cada uso, ele receberá de volta uma quantia em criptomoeda”, explicou Eduardo Novillo Astrada, CEO e cofundador da Agrotoken.

A Visa disse que o agronegócio é um setor essencial para a economia e precisa de soluções digitais ágeis. “Nós estamos na vanguarda dessa revolução, oferecendo soluções inovadoras e flexíveis que melhoram processos administrativos de compra e venda e vários outros”, falou Gabriela Renaudo, diretora geral da Visa na Argentina.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe