Vale (VALE3) perde R$ 39 bi de valor em 2024 com Mantega, condenação e baixa do minério

Nos últimos dez dias, valor de mercado da mineradora caiu R$ 14,4 bi; além de pressão por ex-ministro em seu comando, empresa foi condenada nesta quinta por tragédia em Mariana

Estadão Conteúdo

(Shutterstock)

Publicidade

A Vale (VALE3) já perdeu apenas neste ano R$ 39,3 bilhões de valor de mercado, em meio a um momento de baixa do preço do minério de ferro – devido à demanda incerta da China – e às pressões do governo para achar uma posição na empresa para o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega.

As ações da companhia fecharam o pregão desta quinta-feira, 25, com queda de 2,2%, acumulando perda de 11,3% desde o início do ano. Com isso, o valor de mercado atual da Vale é de R$ 309,1 bilhões.

Nesta quinta, também pesou contra a empresa a notícia de que a Justiça Federal condenou a mineradora, a BHP e a Samarco a pagar uma multa de R$ 47,6 bilhões como indenização por danos morais coletivos causados pelo rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG), em 2015. A condenação ocorreu no dia em que a ruptura de outra barragem ligada à Vale, a do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), completou cinco anos.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Desde que voltou a ganhar força, no meio de janeiro deste ano, a ofensiva para emplacar o nome de Mantega ao menos entre os integrantes do conselho de administração da mineradora, a perda de valor se intensificou.

Desde 15 de janeiro, em apenas 10 dias, a empresa viu o seu valor cair R$ 14,4 bilhões, apesar de uma leve recuperação das ações entre 22 e 24 de janeiro.

O interesse principal do governo era conduzir Mantega à presidência da empresa, algo ventilado nos bastidores ao menos desde meados do ano passado, como confirmado pelo Estadão. A mineradora tem até o final do mês para decidir quem será o comandante dos negócios pelos próximos três anos.

Continua depois da publicidade

Apesar de o governo Lula querer influir nesse processo, ele tem pouca interferência na companhia, em comparação com o passado. A Vale foi privatizada em 1997, e atualmente não possui controlador definido, já que nenhum acionista detém mais de 10% das ações.

Também não existe em vigor um acordo de acionistas nos moldes do passado, na época dos primeiros governos do PT, quando o Bradespar e a Previ, o fundo de pensão dos empregados do Banco do Brasil, detinham maior poder nas escolhas do rumo da empresa.

O conselho de administração da Vale tem 13 integrantes. Dois deles são indicados pela Previ, um pelo Bradesco, um pela Mitsui, outro representa os funcionários da empresa e oito são independentes.

Entre os maiores acionistas também estão o fundo de investimentos americano BlackRock e a Cosan, do empresário Rubens Ometto. Esta última comprou 4,9% da mineradora em 2022, o que permitiu emplacar no conselho da Vale o seu último CEO, Luis Henrique Guimarães. Como homem de confiança de Ometto, ele também é cotado a assumir a presidência da mineradora.

Na quarta-feira, 24, o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, telefonou para conselheiros da empresa para defender a indicação de Mantega para a presidência da companhia, alegando se tratar de uma demanda do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A informação, revelada pelo jornal O Globo, foi confirmada por um dos conselheiros ao Estadão.

A iniciativa indicou a aposta redobrada do governo em influenciar na sucessão da Vale, ainda que a governança interna e a participação reduzida do governo na mineradora, privatizada em 1997, sejam obstáculos. O conselho da Vale vai se reunir na próxima terça-feira, 30, para deliberar sobre o assunto.

Auxiliares de Lula e acionistas privados da Vale debateram um arranjo em que Mantega iria para o conselho de administração, como revelou o Estadão. O atual presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo, permaneceria por um mandato mais curto (mais um ano) à frente da empresa, e o nome da Cosan no conselho, Luis Henrique Guimarães, iria para o comitê executivo.

O arranjo segue na mesa, segundo apurou a reportagem. Mas, de acordo auxiliares do presidente, o governo Lula deseja que Mantega tenha um papel de destaque no comando e não seja apenas um coadjuvante.

Nesta quinta-feira, 25, a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, foi a público em defesa da indicação de Mantega. Nas redes sociais, ela afirmou que o ministro é um dos “pouquíssimos brasileiros” qualificados para compor o conselho de administração da empresa, grupo do qual fazem parte os representantes dos acionistas.

Lula também foi às redes, mas não mencionou Mantega. Citou os acidentes em Brumadinho e Mariana, em barragens de resíduos provenientes de mineração da Vale, para criticar a empresa.

“Hoje faz cinco anos do crime que deixou Brumadinho debaixo de lama, tirando vidas e destruindo o meio ambiente. Cinco anos e a Vale nada fez para reparar a destruição causada. É necessário o amparo às famílias das vítimas, recuperação ambiental e, principalmente, fiscalização e prevenção em projetos de mineração, para não termos novas tragédias como Brumadinho e Mariana”, escreveu.

A Vale informou que não foi notificada da decisão judicial desta quinta. “A companhia se manifestará oportunamente no processo sobre a decisão, contra a qual cabe recurso”, disse a mineradora, em comunicado ao mercado.