AO VIVO Stock Pickers entrevista RI da Cogna: após entrevistarmos gestores comprados e vendidos, é hora de falarmos com o RI da empresa; assista

Stock Pickers entrevista RI da Cogna: após entrevistarmos gestores comprados e vendidos, é hora de falarmos com o RI da empresa; assista

Destaques da Bolsa

Vale dispara 5% após Trump, Cielo afunda 3% e Magazine Luiza salta 12% com volume atípico

Confira os destaques da Bovespa nesta sexta-feira (20)

SÃO PAULO – Embora o cenário siga nebuloso, o discurso de posse de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos não trouxe surpresas ao mercado, o que trouxe alívio para as bolsas mundiais. Por aqui, o Ibovespa fechou em alta de 1,06%, a 64.627 pontos, enquanto o dólar comercial fechou no menor nível desde 12 de janeiro, caindo 0,55%, a R$ 3,1825 na venda. 

Segundo Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset Management, Trump não falou “nenhuma novidade”, repetindo o que já vinha falando em momentos anteriores, mas o cenário ainda é nebuloso. “O mercado deve continuar atento a tudo aquilo que Trump venha a falar que possa se chocar com Federal Reserve, políticas expansionistas inflacionárias, questões de protecionismo, que podem afetar a economia americana”, comentou. 

Contribuíram para os ganhos do Ibovespa nesta sessão as ações da Vale e Bradespar – holding que detém participação na Vale -, que aceleraram a alta a partir das 15h, após discurso de Trump, fechando com altas de 5%, nas máximas do dia. Esses papéis foram seguidos pelas ações da Rumo e Usiminas. 

Do outro lado, as ações da Cielo figuraram como as maiores perdas do dia, de 2,8%, em meio à uma enxurrada de notícias negativas para a empresa (confira aqui a análise para 2017). Na sequência, apareceram os papéis da Fibria, Suzano e Klabin, que corrigiram hoje, depois de terem subido forte ontem em meio ao anúncio de reajuste de preços. Essas ações foram penalizadas neste pregão pela queda do dólar frente ao real.  

Confira abaixo os principais destaques de ações da Bovespa nesta sessão:

Petrobras (PETR3, R$ 17,83, -0,56%;PETR4, R$ 16,00, +1,46%)
Indo na contramão do Ibovespa, a Petrobras perdeu força nesta tarde, com a virada para queda das ações ordinárias, apesar do movimento positivo do petróleo no cenário internacional. Lá fora, o petróleo WTI fechou em alta de cerca de 2%, a US$ 52,42 o barril, enquanto o Brent registrava alta de 2,5%, a US$ 55,50 o barril. Os contratos de petróleo aceleravam a alta nesta sessão, em meio às expectativas de que os maiores produtores de petróleo do mundo demonstrem complacência sobre o acordo para corte de produção da commodity em reunião que ocorre no final de semana.

Ainda no radar da estatal, segundo a Bloomberg, a FUP (Federação Única dos Petroleiras) indicou que aceitará a proposta de reajuste feita pela estatal. Na quarta-feira, a Petrobras havia afirmado que considerava “equilibrada” a proposta dos sindicatos. Apesar da sinalização favorável quanto às negociações salariais, os representantes da categoria indicaram estado de greve contra possíveis privatizações no setor.

Telecomunicações
As ações da TIM (TIMP3, R$ 8,77, -0,34%) viraram para queda, depois de terem subido 3,86% na máxima do dia, a R$ 9,14, em meio à notícia de que grupos concorrentes – incluindo Claro e TIM – podem unir forças para assumir a recuperação judicial da Oi (OIBR3, R$ 3,11, +2,98%; OIBR4, R$ 2,53, +2,02%). As ações da concorrente Telefônica Brasil (VIVT4, R$ 45,28, -0,24%) fecharam praticamente estáveis.  

Diante da insatisfação de credores da Oi com o atual plano de reestruturação da tele, que está em recuperação judicial, vários grupos têm surgido para propor alternativas ao desenho atual da renegociação das dívidas da empresa. Em meio a tanta disputa para assumir o negócio, um consórcio de investidores está sentando à mesa de negociações para unir forças com concorrentes e garantir a preferência dos credores da Oi.

PUBLICIDADE

Esse grupo – formado por João Cox, ex-presidente da Claro; Mario Cesar de Araújo, ex-presidente da TIM; Renato Franco, fundador da Íntegra, consultoria de reestruturação em empresas; e o banco de investimentos americano ACGM, especializado em companhias em crise – está em conversas com o fundo americano Elliott e o empresário egípcio Naguib Sawiris para uma possível associação com um deles na reestruturação alternativa para a Oi, apurou o jornal O Estado de S. Paulo. No ano passado, esse mesmo consórcio demonstrou interesse em se tornar um dos principais acionistas da operadora brasileira, que tem dívidas de R$ 65,4 bilhões. Agora, a ideia é se unir a um desses dois potenciais investidores para ajudar a reestruturar a operação da companhia, informou uma fonte a par do assunto.

Executivos do fundo Elliott virão ao Brasil nos próximos dias para conversar com credores da tele antes de apresentar sua proposta oficial para reestruturar a companhia, segundo fontes de mercado. “Acredito que o Elliott vai precisar de investidores locais que conheçam questões regulatórias e possam ajudar na reestruturação. O caso de Sawiris é diferente, uma vez que ele já tem mais experiência nesse setor, embora não seja no mercado brasileiro”, diz outra pessoa familiarizada com o assunto. Com dois executivos egressos do mercado de telecom – Cox e Araújo -, o consórcio de investidores quer se apresentar como candidato a ajudar na recuperação da companhia.

Há pelo menos três investidores interessados em apresentar um plano alternativo para a Oi: além do fundo Elliott e de Sawiris, o americano Cerberus também está no páreo. Todos eles já entraram em contato com a Oi, mas somente Elliott e Ceberus assinaram contrato para trocar informações confidenciais com a empresa. Já Sawiris apresentou, em dezembro, uma proposta informal que prevê um aumento de capital de US$ 1,25 bilhão. O Elliott estaria disposto a injetar até R$ 9 bilhões na Oi. Já o Cerberus, representado pela RK Partners, teria mais US$ 3 bilhões. Segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo, uma eventual parceria do consórcio com o Cerberus está descartada. 

Cielo (CIEL3, R$ 24,54, -2,66%)
As ações da Cielo afundaram nesta sessão, em meio a um cenário ainda difícil para a empresa em 2017 (veja aqui a análise). Além disso, dois comentários ajudaram a pressionar 
os papéis nesta sessão: um do presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, e outro do presidente do Itaú Unibanco, Roberto Setúbal.

No primeiro caso, o destaque fica para o comentário de Ilan que o modelo de cartões hoje funciona, mas pode melhorar ao longo do tempo dado os muitos subsídios cruzados, segundo reportagem do Valor. Para o BTG Pactual, essas discussões devem continuar, dado que haverá um seminário promovido pelo BC no dia 07 de fevereiro sobre spread bancário, que deverá incluir o tema de cartões.

Já no segundo caso, Setúbal deu uma entrevista ao Valor e quando questionado sobre como será afetado pela redução do crédito rotativo, disse que o Itaú deveria continuar gerando um bom retorno no segmento, dado que está em todas as partes da cadeia.

Em relatório, o BTG comentou que segue acreditando que as mudanças no setor serão faseadas e estudadas. “Nossa percepção é que Cielo precifica mudanças mais disruptivas, mas o noticiário deve seguir intenso”, comentaram os analistas. 

Gafisa (GFSA3, R$ 2,50, +4,17%)
As ações da Gafisa dispararam até 5,00%, a R$ 2,52, nesta sessão, após a construtora ter divulgado sua prévia operacional do 4° trimestre. A construtora 
lançou R$ 299,4 milhões em projetos no período, uma queda de 21% na comparação com o ano anterior. Segundo prévia operacional divulgada nesta quinta-feira, no entanto, as vendas líquidas avançaram 45% na base anual para R$ 355,8 milhões, enquanto os cancelamentos ficaram em R$ 99,9 milhões. O documento informa ainda que os novos projetos da Tenda cresceram 24% no último trimestre do ano passado em relação a igual período de 2015 para R$ 379,9 milhões, com alta de 31% nas vendas líquidas para R$ 311,7 milhões e cancelamentos de R$ 91,8 milhões. Com isso, as vendas consolidadas somaram R$ 667,5 milhões, uma alta de 38%.

PUBLICIDADE

Segundo o Itaú BBA, os números apresentados são “sólidos devido aos lançamentos mais fortes e a velocidade saudável de vendas, apesar do aumento dos cancelamentos na comparação trimestral”. O banco reiniciou a recomendação da ação, com preço justo para o fim de 2017 em R$ 2,90 por ação. 

O Credit Suisse destacou que o desempenho foi positivo, com a velocidade de vendas nas duas unidades de negócio sólida. O VSO (velocidade de vendas) da unidade da Gafisa foi o maior desde o 4° trimestre de 2013, em função da boa performance de vendas dos lançamentos trimestrais, enquanto a velocidade de vendas da Tenda apresentou uma recuperação depois de uma queda relevante no 3° trimestre e agora está rodando a saudaveis 22%, comentaram os analistas. Eles destacaram ainda que os resultados preliminares de Gafisa e de Cyrela indicam algum sinal de melhora no segmento de média renda. “Esperamos que esse movimento se intensifique ao longo de 2017 com a queda de juros”, disseram.

Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 36,60, +0,30%)
O BTG Pactual elevou hoje sua exposição em ações brasileiras e inclui Itaú Unibanco na sua carteira para América Latina, em meio às expectativas de que a queda de juros traga efeitos positivos para a retomada da economia do Brasil. 

 Com a revisão, a carteira do banco para América Latina volta a ter 6 ações brasileiras, com Itaú Unibanco, BM&FBovespa, Petrobras, Minerva, Gerdau e BR Malls.  

JHSF (JHSF3, R$ 2,20, +5,77%)
O presidente do Conselho de Administração da JHSF, José Auriemo Neto, fechou um acordo de delação premiada no âmbito da Operação Acrônimo. Em fato relevante enviado à CVM (Comissão de Valores Mobiliados) a companhia informa que o acordo homologado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) garante antecipadamente a suspensão de um eventual futuro processo.  

A incorporadora também informou que o conselho de administração da companhia aprovou em reunião nesta sexta-feira encerrar a investigação interna para apuração de alegações de pagamentos ilícitos que deram origem a um mandado de busca e apreensão de documentos em agosto do ano passado. Em comunicado ao mercado, a empresa afirma que a decisão dos membros do colegiado ocorre tendo em vista que, “após aproximadamente seis meses dos trabalhos investigatórios, não foram encontrados indícios para concluir que a companhia ou suas controladas tenham realizado pagamentos ilícitos”.

Vale (VALE3, R$ 32,10, +2,00%; VALE5, R$ 30,05, +4,74%)
As ações da Vale e Bradespar (BRAP4, R$ 20,80, +5,00%) ganharam força após o discurso de Donald Trump. Os papéis PNs da mineradora 
dispararam 4% nas últimas duas horas de pregão, fechando na máxima do dia, se descolando dos preços do minério de ferro. Hoje, o minério de ferro negociado na Bolsa de Dalian fechou em forte queda de 3,16% na cotação do minério de ferro negociado na Bolsa de Dalian, cotado a 613 iuanes. Já o minério spot negociado em Qingdao teve baixa mais amena, de 0,72%, a US$ 80,41. 

Acompanharam o movimento os papéis das siderúrgicas, com Usiminas (USIM5, R$ 4,82, +5,24%), CSN (CSNA3, R$ 11,96, +2,05%), Gerdau (GGBR4, R$ 12,22, +0,99%) e Metalúrgica Gerdau (GOAU4, R$ 5,51, +0,36%). 

PUBLICIDADE

O mercado também acompanhou de perto os dados da China. A economia do país cresceu 6,8% no quarto trimestre na comparação com o ano anterior, mais do que o esperado, sustentada por gastos governamentais mais altos e empréstimos bancários recordes, dando ao país um impulso para o que deve ser um ano turbulento.

BRF (BRFS3, R$ 45,96, +1,50%)
A BRF diz estar explorando alternativas para capitalizar a OneFoods. Segundo a companhia, no entanto, não há decisão no momento sobre a forma de obtenção de recursos para a capitalização da empresa. Segundo informa a Bloomberg, a empresa pode seguir um dos 2 caminhos: a colocação privada de ações, inclusive realizando reuniões com potenciais investidores, ou fazer um IPO (Oferta Pública Inicial) de ações na bolsa de valores de Londres. “Seja qual for a forma de eventual capitalização, a BRF continuará a ser acionista controladora da OneFoods”, disse a empresa em comunicado.

Papel e celulose
O movimento das ações do setor de papel e celulose é bem distinto, acompanhando dois relatórios de recomendações. Conforme afirmou o Bradesco BBI, o ano de 2017 será “decisivo (e volátil)” para as companhias de papel e celulose, citando o câmbio e os preços da celulose como os dois maiores fatores de choques. O cenário-base do relatório vê câmbio a R$ 3,50/dólar e celulose a US$ 100 a tonelada. As companhias do setor devem tomar decisões importantes. A Suzano (SUZB5, R$ 13,88, +1,35%) poderá decidir por unificar as classes de ações. Já a Klabin (KLBN11, R$ 16,33, -2,80%) pode anunciar sua próxima máquina de papel. Enquanto isso, a Fibria (FIBR3, R$ 31,98, -2,97%) pode avaliar as próximas etapas estratégicas após o início da expansão de celulose em Três Lagoas.

“Apesar de pensarmos que a consolidação do setor está nos cartões, lutamos para identificar os gatilhos para que isso aconteça este ano”. A Klabin (outperform) “é a top pick, já que está mais protegida contra o cenário de volatilidade câmbio/preços de commodities, além de oferecer crescimento nos próximos anos”. A Suzano continua com recomendação neutra e “segue negociada com um desconto injustificado de 18% vezes a Fibria (underperform) e vemos gatilhos para ele estreitar”, afirmam os analistas.

Já o Credit Suisse assumiu a cobertura do setor de Papel e Celulose, com a Suzano top pick do setor com preço-alvo de R$ 17 por ação e rating neutro para Fibria, com preço-alvo de R$ 33,00 por ação e Klabin, com preço-alvo de R$ 18,00. 

Magazine Luiza (MGLU3, R$ 119,90, +11,64%)
As ações da Magazine Luiza tiveram mais uma sessão de disparada nesta sexta-feira, com um giro financeiro mais de quatro vezes acima do normal, atingindo R$ 33,2 milhões, contra média diária de R$ 8,03 milhões nos últimos 21 pregões. 

A maior compradora foi a corretora do Morgan Stanley, com um volume financeiro de R$ 17,5 milhões, representando 11,9% das compras. A movimentação desta sessão abre margem para duas hipóteses: a entrada de um grande investidor institucional ou algum grande investidor zerando posição de venda nos ativos. 
As ações já avançaram cerca de 1.400% desde a mínima de R$ 7,83, registrada em dezembro de 2015. 
Vale destacar que, nesta sexta, o Bradesco BBI manteve a recomendação de compra para os ativos.  Os analistas mantiveram a perspectiva positiva com a administração após café da manhã com investidores realizado na quinta. Eles esperam que o alto grau de otimismo da companhia continue em 2017 com continuação de transformação de estratégia digital. O preço-alvo para os ativos é de R$ 140,00, o que configura um upside de 18,64% em relação à cotação registrada na tarde desta sexta.
Fleury (FLRY3, R$ 37,63, -0,45%)
As ações da Fleury caíram até 2,49% nesta sessão, a R$ 36,86, após notícia de que sua concorrente Diagnósticos da América (Dasa) confirmou ter assinado um contrato para comprar o SalomãoZoppi, fundada pelos médicos Paulo Zoppi e Luís Salomão. 
Segundo o BTG Pactual, a notícia é marginalmente negativa para a Fleury. “Embora o SalomãoZoppi não seja um competidor direto da marca premium da Fleury, eles competem com a “a+”, operação da empresa destinada ao segmento de renda mais elevada”, comentaram os analistas. Para eles, uma potencial expansão rápida do SalomãoZoppi (atualmente 11 unidades) poderia deteriorar o panorama competitivo da Fleury (cuja marca “a+” possui atualmente 9% de participação na cidade de São Paulo).