TIM (TIMS3): resultados fortes mostram ponto de inflexão para setor em 2023, dizem analistas

Com divulgação de guidance otimista e dados fortes no balanço, TIM demostra que setor de Telecomunicações vive bom momento, de maior racionalidade

Camille Bocanegra

Publicidade

Os resultados da TIM (TIMS3) vieram fortes como o esperado e o guidance divulgado manteve a visão de tendências favoráveis para a companhia. De acordo com a administração da companhia, o cenário tem se tornado cada vez melhor para o mercado móvel e a proposta de valor da TIM tem sido reconhecida como superior.

As ações da companhia apresentam movimento de leve alta em grande parte da sessão desta quarta-feira, 7, registrando valorização de 0,55%, às 13h30 (horário de Brasília), cotada a R$ 18,24.

Nas análises sobre o resultado, há pouca surpresa e manutenção de visões para a companhia. No caso do Goldman Sachs, os números apresentados e as visões para os próximos anos permanecem fortes. O destaque do trimestre foi a receita de serviços móveis, com alta de 7,6% em relação ao mesmo período de 2022. O banco tem recomendação neutra para o nome.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O JPMorgan considerou os números apresentados para guidance como positivos, porém o gasto de capital (capex, em inglês) aparece como um pouco mais elevado. O ponto foi, inclusive, levantando por analistas durante a teleconferência que a administração realizou para apresentação dos resultados.

A CFO da companhia, Andrea Viegas, afirmou que o capex se manteve compatível com as expectativas para a TIM. Junto com o resultado, a TIM divulgou as novas projeções para o plano estratégico que valerá para o triênio de 2024 a 2026, com investimentos na faixa de R$ 4,4 bilhões a R$ 4,6 bilhões por ano.

O JPMorgan destacou, entre os dados do balanço, que houve pequena perda no lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) devido a receitas mais fracas que o esperado. Contudo, em comparação com o esperado pelo consenso, a perda foi muito discreta e considera em linha. O JPMorgan tem recomendação overweight (exposição superior, similar à compra) para o papel, mantida após o balanço.

Continua depois da publicidade

Para o Research da XP, o balanço refletiu a recuperação importante do setor, que lidou com muitos desafios nos últimos anos. Com as mudanças estruturais presentes nos últimos anos, o setor viveu ponto de inflexão em 2023, com maior aceleração na geração de receita e de caixa.

“A TIM passou por mudanças estruturais e continua colhendo os benefícios da consolidação e market repair. Historicamente, o setor sempre teve dificuldades para repassar a inflação, mas os resultados mostram que, após a consolidação do mercado, esse cenário mudou, e hoje a racionalidade prevalece entre os três players, que conseguiram aumentar os preços de seus planos em todos os segmentos, inclusive no pré-pago, historicamente mais competitivo e com uma demanda mais sensível a preços”, afirma a XP, que considera a TIM como top pick no setor de Telecom, com recomendação de compra e preço-alvo para final de 2024 de R$ 21,00 por ação.


Capex estável e expectativas de crescimento de receita e Ebitda

Alberto Griselli, CEO da companhia, apresentou as atualizações de guidance para o período entre 2024 e 2026. De acordo com o executivo, a expectativa para curto prazo, para o fim de 2024, é de crescimento de receita de serviços entre 5 a 7% e de EBITDA em 7 a 9%. O executivo afirmou que o ritmo de crescimento tem se acelerado com a melhoria das condições do mercado e a proposta de valor da companhia é reconhecida.

Já o capex esperado de R$ 4,4 a 4,6 bilhões por ano entre 2024 e 2026 aparece com papel de desenvolvimento de infraestrutura. O anúncio de valores para proventos de acionistas acontecerá em evento separado, agendado para 7 de março. 

“Nós vemos condições favoráveis de demanda”, afirma o CEO, retomando o que foi mencionado em evento em novembro. O executivo reforçou a oportunidade presente na liberação de acesso para redes sociais, já explorada atualmente pela companhia, e parcerias para cross-selling.

Dentre as estratégias com parceiros, Griselli destacou o acordo com o Zé Delivery, que garante cash back para clientes TIM. Para além da monetização em si, o CEO afirmou que iniciativas da natureza garantem a fidelização e permanência do cliente. O executivo demonstrou otimismo com a redução do churn rate (taxa de cancelamento dos clientes), com base em uma série de ajustes que a companhia pretende realizar ao longo dos meses.