Safra de balanços

Temporada de resultados começa a pegar fogo: Bradesco é destaque

Já nesta segunda-feira, depois do pregão, saem os números da Cielo e da Fibria

SÃO PAULO – A temporada de balanços do quarto trimestre ganha força nesta semana com destaques para empresas do setor financeiro e de papel e celulose. Os números mais aguardados da semana são os do Bradesco (BBDC4), que saem na quinta-feira (2), antes do pregão. A teleconferência para comentar os resultados será na sexta-feira (3), às 9h.

Na quarta-feira (1º), é a vez da Klabin (KLBN11) publicar seus resultados. A empresa ainda não informou o horário da divulgação. Encerram a semana, BrasilAgro (AGRO3) e Tim Participações (TIMP3), ambas na quinta-feira, depois do fechamento dos negócios. As teleconferências serão na sexta-feira, às 14h e às 15h, respectivamente.

Nesta segunda-feira, depois do pregão, saíram os números da Cielo (CIEL3) e da Fibria (FIBR3). A Cielo, maior empresa de meios eletrônicos de pagamentos do país, informou que teve lucro líquido de R$ 1,064 bilhão no quarto trimestre, uma alta de 18,3% ante o mesmo período de 2015. O resultado medido pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação, na sigla em inglês), somou R$ 1,396 bilhão de outubro a dezembro, aumento de 5% na comparação ano a ano. 

Já a Fibria reverteu o lucro líquido de R$ 910 milhões do quarto trimestre de 2015 e registrou um prejuízo líquido de R$ 92 milhões nos três últimos meses do ano passado. O resultado foi impactado tanto pelo lado operacional, com queda do preço da celulose em dólar e desvalorização da moeda norte-americana, quanto por piora na linha financeira. A receita líquida da companhia ficou em R$ 2,53 bilhões no trimestre, queda de 15% na comparação anual. Já o Ebitda ajustado recuou 50% em um ano, para R$ 804 milhões. A margem Ebitda, por sua vez, caiu 18 pontos percentuais na comparação anual, para 36%. As duas empresas realizam teleconferência nesta terça-feira (31), às 12h.

Na semana passada, o Santander Brasil (SANB11) abriu a safra de balanços. O maior banco estrangeiro em operação no país reportou um lucro líquido gerencial de R$ 1,989 bilhão para o quarto trimestre, aumento de 23,7% ante R$ 1,607 bilhão no mesmo período de 2015.