Santander (SANB11): Inconsistências contábeis são de responsabilidade única da Americanas (AMER3)

Declaração diz respeito às trocas de e-mails apresentadas pela varejista à CPI da Câmara que investiga a fraude que ocorreu na empresa.

Estadão Conteúdo

Publicidade

O Santander (SANB11) afirmou, por meio de nota, que as “inconsistências contábeis” reveladas pela Americanas (AMER3) hoje são de responsabilidade “única e exclusiva” da companhia.

A declaração diz respeito às trocas de e-mails apresentadas pela varejista à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Câmara que investiga a fraude que ocorreu na empresa.

As imagens projetadas durante o depoimento do CEO, Leonardo Coelho, mencionam o Santander e dão a entender que o banco teria mudado a redação das cartas de circularização a pedido da companhia, para amenizar menções a dívidas de financiamentos conhecidos como “risco sacado”.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Leia também

Mais informaçõesAmericanas (AMER3): CEO diz haver indícios de participação de KPMG, PWC e bancos em irregularidades“A fraude é uma fraude de resultados”, afirmou o executivo em CPI na última terça-feira
CPI da varejistaAmericanas (AMER3) decidiu chamar crise de fraude após documentos apresentados, diz CEO da varejista“A fraude da Americanas é uma fraude de resultados”, comentou Leonardo Pereira na CPI da Americanas

Na nota, o banco afirma que “conforme Fato Relevante publicado hoje, a Americanas confessa que ‘as demonstrações financeiras da Companhia vinham sendo fraudadas pela diretoria anterior da Americanas’. A própria empresa ressalta os esforços da diretoria anterior para ocultar do mercado a real situação de resultado e patrimonial da companhia. Isso, por si só, comprova taxativamente que a única e exclusiva responsabilidade pelas ‘inconsistências contábeis’ é da Americanas, por intermédio da sua antiga diretoria. O Santander acrescenta que as cartas de circularização são apenas uma entre muitas fontes de auditoria e que sempre informou integralmente todos os saldos das operações da companhia no Sistema Central de Risco, mantido pelo Banco Central, que inclusive poderia ser fonte de auditagem”.