Queda do dólar incentiva colecionadores de carros antigos importados

No entanto, um dos entraves são os altos impostos de importação, que chegam a 110% do valor do carro

Por  Equipe InfoMoney -

SÃO PAULO – A queda do dólar frente ao real tem colaborado com um grupo grande de pessoas: os colecionadores de carros antigos.

Como grande parte desses veículos são importados, o dólar mais barato é um atrativo aos colecionadores. “A queda da moeda norte-americana é um dos fatores, que aliado a melhoria na capacidade de restaurações no Brasil, tem permitido o aumento do número de carros antigos importados chegando ao Brasil”, conta o presidente da Federação Brasileira de Veículos Antigos (FBVA), Henrique Thielmann.

No entanto, um dos entraves são os altos impostos de importação. “Os impostos mais do que dobram os preços dos veículos. Recolhe-se o equivalente a 110% do preço do carro, fora os custos de frete, embarque e armazenamento”, afirma o presidente.

Crescimento

Somente este ano, até setembro, foram importados 207 carros, sendo que, em 2004, esse número era de 88.

Thielmann estima que, no Brasil, existam cerca de 40 mil carros de colecionadores, sendo que a frota nacional de carros antigos – veículos com mais de 30 anos e no mínimo 80% de peças originais – equivale a 20% do que foi vendido apena no mês passado de veículos novos.

“Na medida que se faz uma divulgação maior, a tendência é de que mais pessoas resolvam se tornar colecionadores”, conta o presidente.

Valorização

Thielmann conta que, com R$ 3 mil, já é possível ter um carro com mais de 25 anos, o que permite às pessoas participar dos eventos sobre automóveis antigos, e aí, então, ter a certeza de que este é o seu hobby. “E esse é um mercado que procura valorizar os carros. Muitas pessoas compram verdadeira sucatas, para depois restaurar e ter veículos supervalorizados”, explica.

“O problema é que agora qualquer pessoa que tenha um carro que possa ser considerado antigo acha que tem uma fortuna na mão. Com isto cria-se um mercado irreal, com o qual os novos colecionadores precisam tomar cuidado”, alerta o presidente.

O colecionar conta ainda que, em relação às importações, os carros sucatas são os mais procurados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Na verdade, em se tratando de importação, o que ocorre é que o que mais importa são sucatas, para serem restauradas aqui no Brasil. Quanto a se comprar carros já restaurados ou preservados sem restauração, vai do gosto e disponibilidade financeira de cada um. Existem colecionadores que só compram carros para restaurar, tendo neste processo toda a satisfação da criação, enquanto outros, até pelas dificuldades da restauração, preferem comprar o carro pronto. Mas mesmo assim sempre se terá algo a fazer”, finaliza.

Compartilhe