Pro Teste alerta sobre aumento de 10% nos planos de saúde da Sul América

A empresa oferecerá uma cobertura maior para os clientes que fecharam acordo antes de 1999. Ordem é pesquisar

Por  Equipe InfoMoney -

SÃO PAULO – Consumidores que têm plano de saúde da empresa Sul América devem ficar atentos a suas contas. A empresa envia a seus clientes que firmaram contrato antes de 1999 o plano de adesão a um novo produto, que oferece coberturas mais amplas (direito a marca passo, acupuntura, por exemplo), aumentando em 10% o preço cobrado. Para aderir à nova modalidade, basta pagar o boleto que vem junto com a proposta.

“O que acontece é que a pessoa acaba não tendo informações completas sobre isso”, explicou a advogada e supervisora institucional da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Pro Teste), Ana Luisa Ariolli. “Às vezes existem outros planos com mais serviços que podem ser contratados por um valor menor”, adicionou. Por isso, a entidade pediu esclarecimentos da Agência Nacional de Saúde (ANS). “Enviamos e-mail, fax e carta perguntando se houve autorização para esse aumento”, contou.

ANS e Sul América

A ANS explicou ainda não ter sido notificada sobre o pedido da Pro Teste e que, portanto, não se pronunciará. De qualquer maneira, a agência afirmou que a Sul América não pediu autorização para aplicar um aumento e que, assim que receber a denúncia, vai averiguar se o encarecimento é justificável ou não.

Por meio de nota, a seguradora informou que a contratação do produto oferecido fica a cargo do cliente, que pode ou não optar pela adesão. “O problema é que existe um prazo, até o fim do mês, para a pessoa pagar ou não o boleto. Isso pode pressionar a pessoa a tomar uma decisão sem ter pesquisado direito, e sem saber se o novo valor cabe no orçamento dela”, explicou Ana Luisa.

A advogada lembrou que pesquisa do Departamento Intersindical em Pesquisas Socioeconômicas estima que 10% da renda familiar vai para o pagamento de saúde suplementar. “O consumidor é a parte mais fraca: a oferta de muita facilidade nem sempre traz resultados positivos”, adicionou, orientando, então, que os clientes se informem muito bem antes de aderir à modificação.

E o reajuste?

Além disso, deve ser lembrado que, em maio, começa a temporada de reajuste dos convênios médicos. A ANS sinalizou que ele deve ficar na casa dos 9%. A possibilidade do aumento já causa comoção entre diversos setores da sociedade, que pedem que o máximo permitido seja correspondente à inflação do período, de algo em torno de 3%.

No caso em específico da Sul América, foi informado, por meio de nota, que o aumento de maio não seria empregado nesses novos contratos.

Compartilhe