PRIO (PRIO3) lucra US$ 184,6 milhões no segundo trimestre, alta anual de 32%

Resultado foi impulsionado pelo aumento da produção e das vendas da companhia

Felipe Moreira

Publicidade

A PRIO (PRIO3), antiga PetroRio, registrou aumento de 32% no lucro líquido no segundo trimestre de 2023 em relação a igual período do ano passado, saindo de US$ 139,9 milhões para US$ 184,6 milhões, graças ao aumento da produção e das vendas da companhia.

O lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado foi de US$ 333,3 milhões, alta anual de 24%. Isso levou a uma elevação da margem Ebitda ajustada de 3,0 p.p. (pontos percentuais), para 74%.

Saiba mais:

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Confira o calendário de resultados do 2º trimestre de 2023 da Bolsa brasileira

O que esperar da temporada de resultados do 2º trimestre? Confira ações e setores para ficar de olho

A receita total somou US$ 532,5 milhões no segundo trimestre deste ano, crescimento de 41% na comparação com igual etapa de 2022.

Continua depois da publicidade

Já o custo de extração (lifting cost) caiu de US$ 11,1 por barril no 2T22 para US$ 7,40 por barril no 2T23.

O resultado das operações atingiu o montante de US$ 350,3 milhões entre abril e junho deste ano, um avanço de 24% na base anual.

As despesas gerais e administrativas somaram US$ 17 milhões no 2T23, um crescimento de 25% em relação ao mesmo período de 2022.

O resultado financeiro líquido foi negativo em US$ 63,1 milhões no segundo trimestre de 2023, uma elevação de 77% sobre as perdas financeiras da mesma etapa de 2022.

Em 30 de junho de 2023, a dívida líquida da companhia era de US$ 1,512 bilhão, um recuo de 8% na comparação com a mesma etapa de 2022.

O indicador de alavancagem financeira, medido pela dívida líquida/Ebitda ajustado, ficou em 1,1 vez em junho/23, alta de 1,3 p.p. em relação ao mesmo período de 2022.