Petrobras (PETR4) anuncia nova política de dividendos e pagará 45% do fluxo de caixa livre aos acionistas

Nova política permite recompra que, quando ocorrer, deverá ser realizada por meio de programa estruturado aprovado pelo Conselho

Equipe InfoMoney

(Rodrigo Soldon/Flickr)

Publicidade

O Conselho de Administração da Petrobras (PETR3);PETR4) informou nesta sexta-feira (28) que aprovou sua nova política de dividendos, acrescentando que ela permite recompra de ações, de acordo com documento enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A decisão foi tomada após reunião do Conselho de Administração nesta data.

A recompra, quando ocorrer, deverá ser realizada por meio de programa estruturado aprovado pelo Conselho de Administração, informou.

Sob a nova política, o dividendo trimestral da Petrobras estabelecido é de 45% de seu fluxo de caixa livre, abaixo dos atuais 60%, isso quando a dívida bruta da empresa estiver abaixo de US$ 65 bilhões (como consta no atual plano estratégico em vigor da estatal). Contudo, o número é acima dos 40% projetados pelos analistas de mercado.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A companhia destaca que o fluxo de caixa livre é a diferença entre o fluxo de caixa operacional e os investimentos, que foram ajustados para considerar, além das aquisições de imobilizados e intangíveis, também as aquisições de participações societárias.

“As referências a valores específicos de dívida bruta foram substituídas pela expressão ‘nível máximo de endividamento definido no plano estratégico em vigor’, eliminando a necessidade de atualização da política numa eventual mudança de referência de endividamento. No plano atual esse valor é de US$ 65 bilhões”, aponta a companhia.

A estatal estabeleceu remuneração mínima anual de US$ 4 bilhões para exercícios em que o preço médio do petróleo brent, utilizado como referência pela companhia, for superior a US$ 40 o barril (bbl), a qual poderá ser distribuída independente do seu nível de endividamento.

Continua depois da publicidade

A remuneração mínima anual será equivalente para as ações ordinárias e as ações preferenciais, desde que supere o valor mínimo para as ações preferenciais previsto no estatuto social.

A companhia ainda informou que poderá, em casos excepcionais, realizar a distribuição de remuneração extraordinária aos acionistas, superando o dividendo mínimo legal obrigatório e/ou os valores estabelecidos nos parâmetros anteriores desde que a sustentabilidade financeira seja preservada.

A distribuição de remuneração aos acionistas deverá ser feita trimestralmente.

A empresa também destacou que poderá excepcionalmente promover a distribuição de remuneração aos acionistas mesmo na hipótese de não verificação de lucro líquido, uma vez atendidas as regras previstas na Lei 6.404/76 e observados os critérios definidos na política.

A estatal reafirmou que o aperfeiçoamento das regras da remuneração aos acionistas “mantém seu objetivo de promover a previsibilidade do fluxo de pagamentos de proventos aos acionistas, ao mesmo tempo em que garante a perenidade e a sustentabilidade financeira de curto, médio e longo prazos”, afirmou.

A nova política possui vigência imediata e já será aplicada ao resultado do segundo trimestre de 2023.

Veja também:

Política de Dividendos da Petrobras será de 45% do fluxo de caixa livre; ainda vale a pena investir com foco em renda passiva?

Fitch eleva ratings de Petrobras (PETR4) e várias empresas brasileiras após melhora em nota soberana; veja a lista

Mudança bastante esperada

O mercado tinha grande expectativa para a política de dividendos da estatal depois que petroleira pagou dividendos abundantes no ano passado, superando até os maiores produtores internacionais de petróleo.

Em 2022, a Petrobras pagou um total de R$ 215,8 bilhões a seus acionistas, incluindo o governo brasileiro, que detém o controle acionário da empresa.

Na semana passada, Sergio Caetano Leite, diretor financeiro da companhia, disse que o novo modelo será adotado para o pagamento de dividendos referentes ao segundo trimestre.

O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, afirmou ainda em meados deste mês que a companhia teria dividendos mais ajustados para uma realidade onde ela projeta e investe para o futuro, pontuando que a empresa quer atrair investidores que entendem o olhar de longo prazo para a petroleira. Ao mesmo tempo, destacou que a companhia pagaria proventos em linha com os pares internacionais.

Após as falas dos executivos, analistas de mercado passaram a projetar um pagamento de dividendos da ordem de cerca de 40% do fluxo de caixa livre da companhia.

A Petrobras anunciará seus dividendos e resultados do segundo trimestre em 3 de agosto, após o fechamento do mercado.

(mais informações em breve)