Plano de saúde: operadoras dobraram preços em 6 anos

Pesquisa do Idec detalha as cinco empresas de seguro autorizadas a aplicar aumento acima da média, que foi de 86,17% no período

Por  Equipe InfoMoney -

SÃO PAULO – No período de seis anos compreendido entre 2000 e 2006, cinco operadoras aplicaram reajuste no preço de seus convênios médicos acima da inflação do setor, mostrou pesquisa do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec). As empresas, Sul América, Bradesco, Itaú, Amil e Golden Cross são autorizadas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) a empregar alíquotas diferenciadas.

Nesse intervalo de tempo, todas as 1.239 empresas da área tiveram a determinação de encarecer seus produtos em, no máximo, 86,17%. A proporção, por si só, já é maior do que a inflação oficial do período, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que é de 70,66%. Já nas cinco operadoras isentas pela ANS os valores aumentaram mais do que 100%, ou, em outras palavras, dobraram.

Menor e maior

O menor reajuste ficou a cargo da Golden Cross, ao passo que o maior foi verificado na Sul América. Veja, na tabela abaixo, a lista completa:

Levantamento de preços(*)
OperadoraDe 2000 a 2006
Sul América115,36%
Bradesco e Itaú114,85%
Amil104,86%
Golden Cross103,43%

Fonte: Idec

Em 2007

O reajuste anunciado em 1º de junho de 2007 pela ANS foi de 5,76%. Ainda não foram informados os aumentos que as cinco empresas citadas aplicarão. De qualquer maneira, a expectativa do mercado é que os dados sejam liberados até o final deste mês.

De acordo com a agência, a correção dos convênios médicos desse ano foi a menor desde 2000, quando o índice de reajuste foi de 5,42%. Em seguida, aparecem 7,69% (2002), 8,71% (2001), 8,89% (2006), 9,27% (2003), 11,69% (2005) e 11,75% (2004).

De qualquer maneira, o Idec criticou o aumento, lembrando que ele ainda é maior do que a inflação dos últimos 12 meses encerrados em maio, de algo em torno de 2,5%.

Compartilhe