"Lado bom" da proposta

Petrobras (PETR4) e Raízen (RAIZ4) serão beneficiadas com aprovação da PEC dos Auxílios, diz Credit Suisse

Mecanismo para auxiliar produtores de etanol deve trazer alívio para Raízen, enquanto PEC diminui temores de mudanças na política de preços da Petrobras

Por  Equipe InfoMoney

Em relatório, o Credit Suisse comentou sobre o “lado bom” para o mercado acionário da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Auxílios, a despeito dos riscos fiscais que estão sendo monitorados de perto pelos investidores.

Os integrantes da comissão especial destinada a discutir a PEC na Câmara dos Deputados aprovaram, na última quinta-feira (7), o substitutivo apresentado pelo relator da matéria, deputado Danilo Forte (PSB-CE). Foram 36 votos a favor e 1 contra. O texto-base foi para análise do plenário mas, devido ao quórum baixo no plenário na noite de ontem, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), decidiu adiar para a próxima terça-feira (12) a votação.

O texto, apensado a outra proposta que trata de estímulos tributários aos biocombustíveis, cria programas sociais e amplia benefícios já existentes, por meio da abertura de R$ 41,25 bilhões em créditos extraordinários, e institui um estado de emergência até o final do ano.

Regis Cardoso e Marcelo Gumiero, analistas do Credit, destacaram que o mecanismo que consta na PEC para auxiliar os produtores de etanol deve surtir e trazer algum alívio para o setor, o que inclui a produtora Raízen (RAIZ4).

A proposta estabelece, na Constituição Federal, o regime fiscal diferenciado para os biocombustíveis, com vantagens em relação aos combustíveis fósseis. A intenção é minimizar o impacto de medidas aprovadas recentemente, que reduziram impostos sobre a gasolina e o diesel, sobre a competitividade dos biocombustíveis, como o etanol.

Nesse sentido, cria-se um auxílio para os estados que outorgarem créditos tributários do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) para produtores e distribuidores de etanol hidratado. O pagamento seria feito em parcelas mensais, proporcionais à participação de cada unidade da federação no consumo do biocombustível em 2021. Os valores deverão ser repartidos com municípios e entrarão no cálculo de receita para efeito de investimento mínimo em Educação.

Para os analistas, a Raízen deve conseguir entregar os R$ 13 e R$ 14 bilhões de guidance para a Safra 2022-2023 (a projeção do Credit está em R$ 13 bilhões). “Nos preços atuais, enxergamos a Raízen negociando em um múltiplo consolidado de 4,3 vezes a 4,7 vezes a relação entre o EV/Ebitda [valor da firma sobre o Ebitda, ou lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações] para 2022 e 2023 e este numero indica um EV/Ebitda de 3 a 3,3 vezes o EV/Ebitda para o negócio de açúcar e etanol, bem abaixo da média histórica de 5,5 vezes do setor”, destacam.

Olhando para a Petrobras (PETR3;PETR4), os analistas apontam que “a parte boa” fica para a mitigação de risco de algum ataque a política de preços e pelo fato de isolar a empresa da discussão politica.

“Em algum momento também existiu um receio de aumento de imposto nos produtores de petróleo, mas esta possibilidade parece descartada e reforça a governança da Petrobras”, ressaltam os analistas.

Cardoso e Gumiero apontam que os custos totais da nova PEC de R$ 41,25 bilhões são bastante relevantes. Mas, se assumir a premissa de um preço de barril de petróleo de US$ 50 acima do esperado anteriormente, deve haver uma receita adicional de pelo menos R$ 13 bilhões por mês acima do projetado (ou R$ 160 bilhões ao ano).

Os ganhos viriam de aumento em royalties (R$ 2 bilhões ao mês), aumento na participação especial (R$ 2 bilhões ao mês), impostos da Petrobras (R$ 5 bilhões ao mês) e participação do governo no dividendo da Petrobras (R$ 4 bilhões ao mês).

Os analistas possuem recomendação outperform (desempenho acima da média do mercado) para as ações da Raízen, com preço-alvo de R$ 8,50 (potencial de alta de 87% em relação ao fechamento da véspera) e também para os American Depositary Receipts (ADRs, ou recibo de ações, de companhias brasileiras que negociam ativos na Bolsa americana) da Petrobras. O preço-alvo para os ativos PBR (equivalente aos ordinários) é de US$ 17, ou upside de 47% frente o fechamento da véspera.

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.

Compartilhe