Dilema continua

Petrobras (PETR4) com petróleo acima de US$ 100 é bom ou ruim para ações? Analistas veem “equação difícil” para estatal

Ao mesmo tempo em que, a princípio, desempenho operacional poderia ser impactado positivamente, política de preços da estatal é pressionada

Por  Lara Rizério, Felipe Alves -

Os últimos dias, marcados pela invasão da Ucrânia pela Rússia, têm sido de novos recordes para o preço do petróleo. Na quarta-feira (23), o preço do barril tipo Brent para abril chegou a ultrapassar os US$ 105, mas depois recuou, fechando a US$ 94,12, diante das perspectivas de que as sanções de aliados ocidentais à Rússia fossem poupar o setor de energia do país.

Contudo, nesta segunda-feira (28), com mais sanções ao país, o petróleo voltou a ultrapassar os US$ 100 o barril. Durante a manhã, operava com ganhos de mais de 4%, na casa dos US$ 102, depois de chegar aos US$ 105 na máxima do dia.

Alguns investidores em Wall Street apostam que o movimento de alta que levou a cotação do barril de petróleo a mais de US$ 105 seja apenas o começo de uma trajetória de elevação. Alguns consideram que a cotação possa se aproximar do recorde de 2008, quando encostou nos US$ 150, devido às limitações globais de oferta. A Rússia é o terceiro maior produtor de petróleo mundial, com 11% da oferta/comércio global.

A consultoria Rystad Energy aposta em patamar próximo de US$ 130 se a situação na Ucrânia piorar, enquanto analistas do JPMorgan acreditam que o petróleo pode chegar a US$ 120. O diretor executivo de futuros de energia da Mizuho Securities, Robert Yawger, projeta que o petróleo pode chegar a US$ 125 se o conflito no leste europeu piorar.

Mas quais os impactos disso para as ações de petroleiras, notoriamente para a Petrobras (PETR3;PETR4)? Analistas de mercado destacam que, a princípio, as ações poderiam reagir positivamente, mas a forte alta da commodity pode pressionar ainda mais a Petrobras em um cenário que já era altista para a commodity com a oferta mais limitada e recuperação da demanda. Com isso, destacam preferir outros papéis do setor.

Em relatório do Morgan Stanley na última quinta-feira, logo após o petróleo ter superado os US$ 105 o barril pela primeira desde 2014, os analistas do banco destacaram que o salto da commodity deve colocar a estatal brasileira em uma situação difícil para equilibrar o interesse social versus a criação de valores para os acionistas.

A política de preços de combustíveis da Petrobras continua sendo um tema-chave na política brasileira. Segundo o Morgan Stanley, naturalmente, os produtores de petróleo se beneficiam do ambiente de preços elevados das commodities, mas a equação não é tão simples para a estatal, considerando a sensibilidade da questão do preço do combustível diante de um ciclo eleitoral polarizador no Brasil.

“Vale ressaltar que tanto o presidente Bolsonaro quanto o ex-presidente Lula [pré-candidatos à presidência] comentaram recentemente sobre os preços dos combustíveis, com o primeiro dizendo que não esperava que os preços dos combustíveis mudassem, e o último dizendo que os preços dos combustíveis não estariam mais vinculados aos benchmarks internacionais se ele for eleito novamente”, afirmam os analistas Bruno Montanari e Guilherme Levy.

O último reajuste de preços dos combustíveis foi feito há 47 dias pela Petrobras. Em média, durante a atual gestão da estatal, a empresa levou 33 dias para reajustar os preços da gasolina e 53 dias para o diesel, em linha com sua estratégia de reduzir a volatilidade ao consumidor final (no governo anterior o intervalo entre reajustes era de 9 e 12 dias para gasolina e diesel, respectivamente).

O Morgan Stanley acredita a Petrobras deve esperar alguns dias para não repassar ao consumidor uma volatilidade global desnecessária, mas adiar um aumento de preço pode ser mais difícil desta vez. “Se a empresa reajustar os preços dos combustíveis, aumentará o nível de ruído político no momento em que alguns projetos de lei relacionados aos combustíveis estão em discussão no Congresso e a inflação está em alta”.

Por isso, os analistas preferem, neste momento, empresas menores de exploração e produção de petróleo, ainda que o dividend yield (valor do dividendo sobre o preço da ação) da Petrobras esteja muito atraente. O Morgan Stanley destaca como preferências do setor a PetroRecôncavo (RECV3) e a 3R Petroleum (RRRP3). E cita ainda a colombiana Ecopetrol, embora para esta empresa pode haver alguma pressão de capital de giro dependendo do desempenho do fundo de estabilização de preços de combustíveis da Colômbia.

Para o ADR (American Depositary Receipt, na prática, as ações da companhia negociadas na Bolsa americana), a recomendação do Morgan é equalweight (exposição em linha com a média do mercado, equivalente à neutra) PBR, com preço-alvo de US$ 14, ou uma queda de 1,3% frente o fechamento de sexta-feira.

André Vidal, analista responsável por responsável pelos setores de Óleo, Gás e Materiais Básicos da XP, também destaca que o cenário atual “coloca a Petrobras em uma situação difícil”.

Vidal reforça que, embora a estatal esteja praticando a paridade do petróleo com o preço internacional, isso tem ocorrido com muita defasagem. “Ela vem usando os estoques com custos mais baixos do passado, mas existe um limite para isso. A Petrobras já vem há muito tempo sem reajustar combustível, já acumulou uma defasagem muito alta”, afirma o analista.

Ele diz que o movimento do real nos últimos dias “tinha ajudado a arrefecer um pouco essa defasagem”, mas que a disparada do preço do barril do petróleo e do dólar “aumentou a pressão” para um reajuste – “e provavelmente vai continuar colocando pressão na Petrobras”.

“Se o preço mais alto do petróleo e o câmbio permanecerem no patamar que estão, inevitavelmente em algum momento a Petrobras vai ter de reajustar o combustível”.

Para o Bradesco BBI, os preços do petróleo devem ficar na faixa entre US$ 95 a US$ 105 o barril, enquanto que, se os EUA assinarem um novo acordo nuclear com o Irã, pode haver algum alívio nos preços do petróleo.

Os analistas da casa avaliam que as empresas “junior” de petróleo, caso de PetroRio (PRIO3) e 3R, além distribuidoras de combustíveis (que podem se beneficiar de uma oferta interna apertada)  podem ter um desempenho positivo, enquanto a Petrobras teria alta dos papéis, mas em menor grau.

Leia também:

“Para a Petrobras, embora a empresa ainda possa se beneficiar de preços mais altos do petróleo (como é um exportador líquido de petróleo e vende outros derivados de petróleo que acompanham a paridade), acreditamos que a empresa
hesitaria em passar essa volatilidade de uma guerra aos preços domésticos da gasolina e do diesel”, avaliam.

Se este fosse o caso (sem repasse para diesel e gasolina domésticos), o banco estima que, para cada US$ 10 o barril de preços de petróleo mais altos, a empresa se absteria de fazer cerca de US$ 3 bilhões em lucro antes juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) e cerca US$ 2 bilhões em Fluxo de Caixa do Acionista (medida de quanto dinheiro pode ser distribuído aos acionistas da empresa como dividendos ou recompra de ações).

“Portanto, embora as perspectivas para o fluxo de caixa da Petrobras continue forte, o impacto seria relativamente menor do que para as empresas de exploração e produção junior”, apontam os analistas.

O Bradesco BBI tem recomendação outperform (exposição acima da média do mercado, equivalente à compra) para as ações PETR4, com preço-alvo de R$ 42, ou potencial de alta de 23,5%; a XP também tem recomendação de compra, com preço-alvo de R$ 45,30, ou potencial de valorização de 33% frente o último fechamento. Analistas têm recorrentemente destacado os riscos políticos e a expectativa de maior volatilidade no segundo semestre em meio às eleições, mas reforçam que o bom pagamento de dividendos é um dos maiores pontos positivos para a companhia.

Petrobras fala em manter política de preços

Enquanto isso, a Petrobras tem reforçado que vai manter seus preços atrelados aos do mercado internacional. O argumento é de que, se não acompanhar as cotações do petróleo e dos derivados, o mercado brasileiro de combustíveis e o abastecimento interno poderão ser afetados, como afirmou o diretor de Comercialização e Logística da estatal, Cláudio Mastella, em teleconferência com analistas para detalhar o lucro recorde de 2021.

“Temos observado a elevação dos preços nas últimas semanas e, em paralelo, o dólar foi desvalorizando. Com esses dois movimentos, em contraposição, a gente pôde manter nossos preços”, afirmou Mastella, acrescentando que, na quinta-feira (24)  em particular, a volatilidade foi maior e a empresa estava “observando” o mercado para avaliar possíveis reajustes.

A visão do executivo é de que, mesmo com as turbulências internacionais, a Petrobras é competitiva e se mantém alinhada ao mercado externo, ao mesmo tempo em que evita repassar aos consumidores as volatilidades conjunturais das cotações.

(com Estadão Conteúdo)

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.

Compartilhe