Destaques da Bolsa

Petrobras cai em dia de CPI; Estácio dispara e Souza Cruz recua sem OPA

Confira as ações que são destaque no pregão desta terça-feira, dia 10

11h16: Cetip (CTIP3, R$ 29,83, -2,99%)
As ações da Cetip seguem o movimento da véspera, quando caíram mais de 7% em meio ao suposto envolvimento da empresa em esquema de propina com o governo. Segundo uma reportagem da Folha de S. Paulo, os políticos investigados pela Operação Lava Jato, da Petrobras, também receberam propina para facilitar negócios com outras estatais do governo federal, de acordo com o doleiro Alberto Youssef, um dos operadores do esquema.

Há menções de pagamentos milionários a políticos provenientes de contratos de órgãos como o Denatran (Departamento Nacional de Trânsito). A Cetip é responsável por registros de gravames nesse sistema, o que a ligaria possivelmente a esse esquema, embora seu nome não tenha sido explicitamente mencionado pela reportagem, corroborando para queda das ações hoje, comenta a XP Investimentos. No caso do Denatran, dois ex-deputados do PP, João Pizzolatti (SC) e Pedro Correia (PE), serão investigados pela suspeita de terem recebido propina de R$ 20 milhões. 

10h55: Bancos
Seguindo o movimento dos últimos dias, os papéis dos bancos registram forte queda diante das preocupações com a economia nacional. Bradesco (BBDC3, R$ 34,60, -1,40%; BBDC4, R$ 34,24, -1,75%), Itaú (ITUB4, R$ 33,31, -2,29%) e Santander (SANB11, R$ 13,71, -1,15%) recuam, enquanto o Banco do Brasil (BBAS3, R$ 21,18, +0,19%) se mantém próximo da estabilidade.

10h48: Petrobras (PETR3, R$ 8,56, -2,62%PETR4, R$ 8,72, -2,13%)
Apesar das especulações que ganham força no mercado financeiro, o Tesouro Nacional não pretende oferecer garantias à captações da Petrobras nos mercados interno ou externo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. De acordo com a publicação, não há hoje nenhuma operação da petrolífera sendo estruturada com o aval do Tesouro. Lembrando que na semana passada, a companhia anunciou ter obtido do conselho de administração autorização para captar este ano até US$ 19 bilhões.

O dia da companhia também é marcado pelos depoimentos que serão feitos na CPI. A fala do engenheiro Pedro Barusco, ex-gerente da estatal, à Comissão será aberto nesta manhã. Barusco, que também é delator da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, já chegou à Câmara.

10h25: CCR (CCRO3, R$ 14,39, +2,13%) e Ecorodovias (ECOR3, R$ 9,33, +2,87%)
Segundo o Valor Econômico, o governo pretende autorizar reajustes extraordinários das tarifas de pedágio para compensar as perdas de concessionárias de rodovias com a nova Lei dos Caminhoneiros, sancionada pela presidente Dilma Rousseff para jogar panos quentes no movimento de protesto dos motoristas. Porém, de acordo com a publicação essa autorização, no entanto, deverá ocorrer somente em meados de 2016. A alta pode ficar entre 14% e 20%, em média, segundo estimativas preliminares de algumas autoridades.

10h021: Estácio (ESTC3, R$ 16,97, +4,37%)
A Estácio ganha força nos primeiros minutos de pregão, chegando a liderar os ganhos do Ibovespa após uma grande sequência negativa na Bolsa. Mesmo com a alta de momento, a companhia ainda acumula perdas de 12% em março e de 29% em 2015. 

10h12: Souza Cruz (CRUZ3, R$ 25,00, -1,19%)
A Aberdeen, maior acionista da Souza Cruz rejeitou a oferta da BAT para fechar o capital da companhia fabricante de cigarros. Segundo Nick Robinson, chefe de equities da Aberdeen no Brasil, disse à Bloomberg, a BAT oferece “um preço baixo dada a qualidade da companhia”. De acordo com ele, a Aberdeen tem mantido contato com outros investidores e a maioria divide a mesma opinião. “Estamos avaliando vender a um preço mais alto”, completou. A BAT (British American Tobacco) se ofereceu para pagar R$ 10,1 bilhões, ou R$ 27,75 por ação pelos 24,7% que ainda não detém na Souza Cruz.

10h08: Fibria (FIBR3, R$ 39,37, +1,55%)
As ações da companhia de papel e celulose abriram esta sessão liderando os ganhos do Ibovespa após a informação de que a empresa elevará seu preço de celulose em US$ 20 por tonelada a partir de 1º de abril. Com isso, o preço da commodity passa a ser de US$ 880 por tonelada para o mercado norte-americano, US$ 790/t para a União Europeia e US$ 680/t para a Ásia. Acompanhando o movimento, destaque também para a Suzano (SUZB5, R$ 13,48, +0,75%).

PUBLICIDADE