Economia americana

Payroll: EUA criam 428 mil empregos em abril, acima do esperado

Consenso Refinitiv projetava abertura de 391 mil vagas de trabalho fora do setor agrícola no mês passado; taxa de desemprego permaneceu em 3,6%

Por  Equipe InfoMoney -

Os Estados Unidos criaram 428 mil vagas de trabalho fora do setor agrícola em abril e a taxa de desemprego se manteve em 3,6%, o menor patamar em dois anos, aponta o Payroll divulgado nesta sexta-feira (6).

O resultado veio acima das expectativas. O consenso Refinitiv projetava a criação de 391 mil vagas, mas uma taxa de desemprego um pouco menor (3,5%).

Os salários aumentaram 0,3% em relação a março e 5,5% ante abril de 2021 e ficaram em linha com as estimativas do mercado (alta mensal de 0,4% e anual de 5,5%).

  • Vagas de trabalho: +428 mil (estimativa: +391 mil)
  • Taxa de desemprego: 3,6% (3,5%)
  • Reajuste nos salários (abril ante março): +0,3% (+0,4%)
  • Reajuste nos salários (ante abril de 2021): +5,5% (+5,5%)

Após a divulgação do payroll, o dólar futuro virou para queda de 0,24%, cotado a R$ 5,056, e o Ibovespa Futuro acelerou sua alta para 0,44%, as 107.290 pontos. Acompanhe aqui o tempo real da Bolsa.

Leia também:

Menor desemprego em 2 anos

O BLS (ou Secretaria de Estatísticas Trabalhistas, em tradução livre) disse que “o crescimento do emprego foi generalizado, liderado por ganhos em lazer e hospitalidade, em manufatura e em transporte e armazenagem”.

O órgão ligado do Departamento de Trabalho americano destacou que o números de desempregados e a taxa de desemprego de abril (5,9 milhões e 3,6%, respectivamente) estão em patamares próximos aos de fevereiro de 2020 (5,7 milhões e 3,5%), antes da pandemia.

A Secretaria de Estatísticas Trabalhistas dos EUA revisou para baixo a criação de empregos de fevereiro e março. A de fevereiro diminuiu em 36 mil vagas de trabalho (de 750 mil para 714 mil) e a de março, em 3 mil (de 431 mil para 428 mil).

A importância do payroll

Indicador tradicionalmente importante para os mercados, o payroll (ou relatório de emprego dos EUA) traz não só dados completos sobre o mercado de trabalho no país, mas também ajuda a entender a sua situação econômica.

Os dados são divulgados mensalmente pelo BLS e são utilizados pelo Fed (Federal Reserve, o Banco Central americano) para definir a taxa de juros dos EUA.

Na quarta (4), o Fed acelerou o passo e subiu a taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual, — a maior alta em 22 anos (um movimento que já era esperado pelo mercado, diante da forte alta da inflação).

Ainda não investe no exterior? Estrategista da XP dá aula gratuita sobre como virar sócio das maiores empresas do mundo, direto do seu celular – e sem falar inglês

Compartilhe