Para todos os bolsos: várias medidas podem manter a casa mais fresca no verão

Para diminuir o calor e aumentar a atulmente baixa umidade do ar, diversas medidas podem ser adotadas dentro de casa

Por  Equipe InfoMoney -

SÃO PAULO – As temperaturas elevadas – que chegaram a 35,1ºC em setembro – e a baixa umidade do ar – que diversas vezes durante o ano ficou abaixo de 30%, índice considerado tolerável pela Organização Mundial de Saúde – fazem com que os moradores da cidade de São Paulo busquem soluções para manter a casa mais arejada e úmida.

Algumas soluções podem pesar um pouco no bolso – caso do ar-condicionado, mantas de alumínio para o telhado e troca de lâmpadas – mas também é possível melhorar o ambiente adotando medidas que custam pouco e outras que saem de graça.

Ar-condicionado

“Diversas são as formas de fazer a casa ficar mais arejada. Algumas, como o ar-condicionado, são bastante eficazes, mas nem todos podem ter o aparelho em casa”, afirma o professor do curso técnico de design de interiores do Senac-SP, Rômulo Russi.

De acordo com a CPFL (Companhia Paulista de Força e Luz), o aparelho pesa mesmo no bolso. Além do seu custo – e do valor gasto para a instalação – o aparelho pode encarecer a conta de luz de uma casa ou empresa em 30%.

Para quem não abre mão do ar, a companhia dá algumas digas que fazem com que o aparelho consuma menos energia elétrica:

  • Instalar o aparelho onde circula bastante ar;
  • Ao ligá-lo, manter portas e janelas fechadas, evitando a entrada de ar externo;
  • Limpar sempre os filtros. O acúmulo de sujeira impede a livre circulação do ar e força o aparelho a trabalhar mais;
  • Não esquecer de desligar o aparelho sempre que for ficar muito tempo fora do ambiente.
  • CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

    Proteção no telhado

    Um outro recurso para refrescar o ambiente – já que reduz em 95% o calor gerado pelos raios ultravioletas – são as mantas de alimínio. “Elas podem ser instaladas tanto quando o telhado está sendo construído, quanto em casas já prontas e em todo o tipo de telha”, explica o técnico da Tégula, empresa especializada no produto, Antônio Bordin.

    Bordin explica que o material é colocado entre o teto da casa e as telhas. “Com esse tempo seco e quente, está crescendo muito o número de pessoas que procuram essa solução. A manta também é boa porque ajuda reduzir em 30% o gasto com o ar-condicionado”.

    O produto com alumínio nas duas faces custa R$ 3,89 o metro quadrado. O técnico explica que a cada 50 metros, cinco são perdidos no processo. Portanto, para uma casa de 100 m2, seriam necessários algo em torno de 110 m2, o que custaria – apenas em material – R$ 427,90.

    Lâmpadas

    “Trocar lâmpadas incandescentes por fluorescentes também reduz bastante o calor dentro de casa”, explica o professor do Senac-SP.

    Apesar de mais caras – enquanto uma incandescente de 60 watts custa R$ 1,49, a fluorescente de 20 watts custa, em média, R$ 12,90 – elas compensam no tempo de vida útil e no consumo de energia.

    De acordo com a Companhia Paulista de Força e Luz, uma lâmpada fluorescente de 15 a 40 watts ilumina tanto quanto uma incandescente de 60 w. A companhia informa que uma pessoa que, para iluminar a cozinha, por exemplo, utiliza uma incandescente de 100 watts, pode trocar por uma fluorescente de 32 w e economizar 1/3 da energia, o que é significativo, já que a iluminação representa entre 15% e 25% da conta de energia.

    Além disso, enquanto uma incandescente dura mil horas, a fluorescente dura 10 mil. Confira as dicas da CPFL para economizar ainda mais com a iluminação:

  • Evite acender a luz durante o dia;
  • CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

  • Utilize somente lâmpadas 127 volts ou 220 volts, compatíveis com a voltagem da rede;
  • Lâmpadas com voltagem menor do que a da rede queimam com mais facilidade.
  • Gastando pouco

    Para os que querem medidas mais rápidas e mais baratas, o professor Rômulo Russi dá uma série de dicas:

  • Ventiladores de teto dão uma grande sensação de frescor e são bem mais baratos que ar-condicionado;
  • Colocar plantas naturais nos ambientes, que oxigenam o ar. “Mas evite os dormitórios, porque a noite elas liberam gás carbônico e não faz bem à saúde”, explica;
  • Usar fontes de água. “O movimento da água e o barulho que ela faz refrescam e umidificam o ambiente”;
  • Pinte as paredes apenas com cores pastéis ou branco. “Os tons off whites são ótimas opções”;
  • Retire todos os tapetes de lã da casa;
  • CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

  • Crie ambientes em que as pessoas possam se sentar no chão. “Coloque muitas almofadas no chão – de tecidos sedosos, como cetim e seda, ao invés de veludo e chenille – para que as pessoas sentem no chão ao invés do sofá”;
  • Coloque espelhos nas paredes. “Eles refletirão as outras paredes e criarão um ambiente claro e luminoso, que permitirá manter as luzes apagadas por mais tempo”, finaliza Russi.
  • Compartilhe