Conteúdo editorial apoiado por

Pacote de reformas de Milei volta à estaca zero e títulos da Argentina caem

Os títulos caíram em toda a curva ontem, liderando as perdas nos mercados emergentes

Bloomberg

Javier Milei, candidato à presidência da Argentina, fala após o 1º turno das eleições em Buenos Aires (Tomas Cuesta/Getty Images)

Publicidade

Bloomberg — Os títulos argentinos caíram depois que a coalizão governante do país enviou o pacote de reformas do presidente Javier Milei de volta à estaca zero no Congresso, após os deputados perceberem que não tinham votos suficientes para aprová-lo na Câmara.

Os títulos caíram em toda a curva, liderando as perdas nos mercados emergentes. Os títulos em dólares de referência com vencimento em 2030 tiveram a maior queda desde outubro, caindo quase 1,9 centavos de dólar durante as negociações de quarta-feira (7), de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

As notas com vencimento em 2041 caíram 1,4 centavos para cerca de 33 centavos de dólar. “Este é um importante revés político para o governo”, disse Mauro Roca, diretor-gerente do TCW Group.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Em primeiro lugar, esta lei era o seu esforço político mais importante. Em segundo lugar, e mais importante, a derrota política decisiva sofrida pelo governo no Congresso atesta sua fraca governabilidade e falta de habilidade política.”

O chamado Projeto de Lei Omnibus, primeiro grande teste de Milei no legislativo, havia sido aprovado em votação geral na semana passada após três dias de debate. Mas, na Argentina, tal legislação precisa passar por um segundo processo de votação para cada artigo individual, no qual as reformas de Milei enfrentaram mais resistência.

O governo agora avalia — entre outras medidas constitucionais — convocar um referendo para levar a série de medidas de austeridade de Milei à frente dos eleitores, disse o porta-voz presidencial Manuel Adorni a repórteres durante uma coletiva de imprensa na manhã de quarta-feira.

“Traidores”

Em uma série de posts nas redes sociais na quarta-feira, o presidente listou dezenas de membros do congresso, rotulando-os de “os leais e os traidores”.

A casta política celebrou o revés da noite passada, disse ele, deixando bons argentinos sofrerem seus efeitos hoje. “Eles são muito semelhantes às bestas que celebraram o default em 2001/2002″, escreveu em uma série de posts. “Venham ver os inimigos de uma Argentina melhor.”

Anteriormente, ele havia prometido seguir em frente com seu programa econômico “com ou sem a classe política que destruiu o país”, embora não tenha fornecido detalhes sobre os próximos passos ou timing, aumentando sua retórica de campanha após sinais anteriores de comentários pragmáticos e moderados. Milei está em Israel, onde se encontrou com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

Embora os investidores ainda questionem se Milei pode aprovar sua bateria de reformas — especialmente sem desencadear distúrbios sociais — muitos veem o plano audacioso como a melhor aposta para domar a inflação desenfreada e recolocar a economia longe do abismo de sua sexta recessão em uma década.

As esperanças para o governo de Milei elevaram parte da dívida em dólares do país para o patamar mais alto em mais de três anos.

© 2024 Bloomberg L.P.