Argentina: em grande revés para Milei, “lei ônibus” é enviada de volta a comissão

As rejeições ocorreram durante o processo de aprovação artigo por artigo

Reuters

O presidente da Argentina, Javier Milei (Tomas Cuesta/Getty Images)

Publicidade

BUENOS AIRES (Reuters) – Um importante pacote de reformas econômicas defendido pelo ultraliberal Javier Milei conhecido como “lei ônibus” será enviado de volta a uma comissão legislativa, informou o partido do presidente da Argentina nesta terça-feira, marcando um grande retrocesso para o projeto após parlamentares derrubarem muitos de seus dispositivos.

As rejeições ocorreram durante o processo de aprovação artigo por artigo. No final da semana passada, parlamentares haviam votado pela aprovação geral da “lei ônibus”, deixando a análise dos dispositivos para esta terça. 

O projeto de lei, que já havia sido significativamente reformulado pelos parlamentares, ainda incluía disposições para permitir a privatização de entidades estatais, mudanças em centenas de regulamentações, e medidas para permitir reduções nos subsídios estatais.

Continua depois da publicidade

O partido governista Libertad Avanza, de Milei, que controla apenas um pequeno número de assentos no Congresso, atacou o que chamou de comportamento traiçoeiro dos parlamentares que se opõem ao projeto de lei em uma postagem no X, reconhecendo que ele deve agora retornar à comissão.

Alguns integrantes da oposição pediram concessões aos que apóiam o pacote de reformas.

“Pedimos ao partido governista que tenha alguma flexibilidade. Eles adoram continuar perdendo”, disse o parlamentar da oposição Miguel Pichetto durante a sessão legislativa.