Os setores da Bolsa brasileira mais afetados pelo aumento das projeções de inflação

Projeções de inflação vêm subido após a última reunião do Copom

Felipe Moreira

Publicidade

Dado o cenário atual de aumento das expectativas de inflação para os próximos anos, o Santander calculou a correlação entre a inflação implícita de 2 anos no Brasil e os índices setoriais do Ibovespa, com base em dados desde junho de 2016.

Segundo o banco, o índice que contém empresas de materiais básicos (IMAT) tem a correlação mais positiva com a inflação implícita (32%). “Isso pode estar relacionado aos efeitos da desancoragem das expectativas de inflação sobre a taxa de câmbio, com viés de depreciação cambial”, explica o banco, o que beneficia essas empresas, muitas vezes exportadoras.

Além disso, o fato dessas empresas serem menos sensíveis ao ambiente macroeconômico do país (e mais relacionadas à dinâmica dos preços das commodities) também contribui para a correlação observada: diante de expectativas desancoradas, o Santander acredita que os investidores teriam mais tendência a aumentar sua preferência por empresas menos relacionadas ao ciclo de atividade doméstica.

Continua depois da publicidade

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Por outro lado, o índice de empresas do setor imobiliário (IMOB) tem a maior correlação negativa com a inflação implícita de 2 anos (-55%), seguido pelo índice de varejo (ICON; -42%).

De acordo com relatório, empresas desses setores são mais dependentes das condições econômicas e tendem a ser mais vulneráveis quando as expectativas inflacionárias estão desancoradas.

Continua depois da publicidade

Veja abaixo a correlação entre a inflação e os setores da Bolsa:

Correlação entre setores da Bolsa e inflação

Projeções de inflação aumentando

No início de fevereiro, a Pesquisa Focus, divulgada pelo Banco Central do Brasil com projeções de mercado, indicava o IPCA em 3,50% para o final de 2025; essa expectativa subiu para 3,64% na Pesquisa Focus anterior à reunião do Comitẽ de Política Monetária (Copom) em 8 de maio; a Pesquisa Focus mais recente, publicada nesta segunda-feira (3), mostrou que as projeções medianas do IPCA estão em 3,77% para o final de 2025. A meta de inflação do Brasil está atualmente fixada em 3% até 2026.

Para analistas, parte da desancoragem das previsões de inflação se deve à mudança no conselho do Copom no próximo ano, já que o atual presidente, Roberto Campos Neto, e os mandatos de outros dois diretores expiram no final deste ano. Como resultado, o comitê será renovado, com o governo atual nomeando a maioria dos membros.

Continua depois da publicidade

“Esse cenário, combinado com a votação dividida na reunião de maio do Copom, levou o mercado a esperar que a próxima composição do comitê possa adotar uma visão mais leniente sobre a inflação no futuro”, explica Santander.