Oceanpact (OPCT3) reverte prejuízo e tem lucro de R$ 72,2 mi no 2º trimestre com venda de créditos judiciais

Resultado foi beneficiado principalmente pela venda parcial dos créditos judiciais da controlada UP Offshore

Felipe Moreira

(Divulgação/Imprensa OceanPact)

Publicidade

A Oceanpact (OPCT3) registrou um lucro líquido de R$ 72,2 milhões em seu balanço referente ao segundo trimestre de 2023, revertendo prejuízo líquido de R$ 76,6 milhões do mesmo período do ano passado.

Segundo a companhia, o principal fator que contribuiu para esse resultado foi a venda parcial dos créditos judiciais da controlada UP Offshore, adicionando R$ 86,4 milhões ao resultado da companhia.

No que diz respeito à receita líquida, a empresa alcançou R$ 399,3 milhões entre abril e junho, representando uma elevação de 61,8% em relação ao mesmo período de 2022.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, na sigla em inglês) ajustado, por sua vez, foi de R$ 100,3 milhões, apresentando um aumento de 160% em relação ao segundo trimestre de 2022. Já a margem Ebitda ajustada subiu 31,1 p.p. na base anual, para 46,8%.

Saiba mais:

Confira o calendário de resultados do 2º trimestre de 2023 da Bolsa brasileira

Continua depois da publicidade

O que esperar da temporada de resultados do 2º trimestre? Confira ações e setores para ficar de olho

Em relação aos gastos, as despesas administrativas e gerais subiram 35,2% no ano, para R$  37,8 milhões.

O lucro bruto atingiu a cifra de R$ 76,8 milhões no segundo trimestre de 2023, um aumento de 301,5% na comparação com igual etapa de 2022. A margem bruta foi de 19,2% no 2T23, alta de 11,5 p.p. frente a margem do 2T22.

No âmbito financeiro, a companhia registrou um resultado financeiro negativo de R$ 28,9 milhões, uma redução de 60,9% na comparação com as perdas financeiras registradas um ano antes.

A companhia fechou junho com uma dívida líquida de R$ 871,8 milhões, um aumento de 13,1% na base anual.

O indicador de alavancagem financeira, medido pela dívida líquida/Ebitda ajustado, ficou em 1,78 vez em junho/23, queda de 1,38 p.p. em relação ao mesmo período de 2022.