Após IPO

Ações em NY e BDRs do Nubank na B3 têm segundo dia de forte alta e sobem mais de 14%

Banco digital estreou na bolsa de Nova York na quinta-feira (9), após precificar suas ações classe A em US$ 9 cada

Por  Mariana Zonta d'Ávila -

Após dispararem no primeiro dia de negociação na bolsa de Nova York, as ações do Nubank (NU) e os BDRs (NUBR33) da companhia listados na B3 tiveram mais um dia de forte alta nesta sexta-feira (10).

Os papéis listados na NYSE encerraram o pregão em alta de 14,71%, negociados a US$ 11,85. Já os Brazilian Depositary Receipts (BDRs) tiveram alta de 14,54% na B3, negociados a R$ 11,50. O dia, contudo, também foi de volatilidade: na mínima do dia, os papéis chegaram a ser negociados na casa dos R$ 10 na B3.

Os BDRs são recibos de ações estrangeiras negociados na Bolsa brasileira. No caso do Nubank, cada BDR representa 1/6 de uma ação do banco digital na NYSE.

Ontem, os ativos NUBR33 fecharam com disparada de 20,10%, a R$ 10,04, após chegarem a subir 22% na máxima do dia (a R$ 10,20). Já as ações encerraram o pregão com ganhos de 14,77%, a US$ 10,33, na NYSE.

O banco digital precificou suas ações classe A em US$ 9 cada na NYSE, em uma oferta inicial de ações na bolsa de valores de Nova York, contemplando a venda de 289 milhões de ações.

A empresa tocou o sino da NYSE na quinta-feira (10) e o da B3 nesta sexta.

Segundo documento enviado à Securities and Exchange Comission (SEC), o banco planeja usar os recursos para capital de giro, despesas operacionais e de capital, assim como para aquisições.

O Nubank foi fundado no Brasil em maio de 2013 pelo colombiano David Vélez, o americano Edward Wible e a brasileira Cristina Junqueira.

A empresa surgiu como uma fintech e recebeu oito rodadas de investimento e mais duas extensões, com a participação de fundos de investimento e empresas de venture capital, tendo entre seus investidores a Berkshire Hathaway, do bilionário Warren Buffett.

O primeiro cartão de crédito da marca foi lançado em 2014 na cor roxa, símbolo do Nubank, e, a partir de 2018, a empresa começou a disponibilizar a conta digital para clientes.

A empresa possui hoje mais de 48 milhões de clientes no Brasil, México e Colômbia, com escritórios ainda na Alemanha e nos Estados Unidos.

Analista da Rico Corretora ensina ferramentas práticas a extrair lucro do mercado financeiro de forma consistente. Inscreva-se Grátis.

Compartilhe