Minério de ferro sobe puxado por demanda e dados positivos da China

Dados favoráveis e incentivos econômicos na China puxam demanda e aquecem preço do minério de ferro pelo segundo dia

Camille Bocanegra

Publicidade

Os preços do minério de ferro em Cingapura foram às máximas de cinco meses no segundo dia de ganhos na sessão desta terça-feira (12) no mercado asiático, de acordo com a Reuters. 

Assim, o minério de ferro com referência para outubro subiu 1,19% na Bolsa de Cingapura, cotado a US$ 118,75 a tonelada, chegando a seu maior nível desde 31 de março.

Enquanto isso, os contrato futuros de minério de ferro mais negociados (para janeiro) na Bolsa de Dalian, na China, subiram, conforme a Reuters, 1,96%, cotados a 859 iuanes (US$ 117,76) – maior patamar desde 7 de setembro.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Na semana passada, dúvidas sobre a demanda na China fizeram com que o rali do minério de ferro se encerrasse e alertasse traders.

Esse sentimento, contudo, ficou para trás (pelo menos, por enquanto) com os recentes dados do maior consumidor mundial da commodity.

China: Dados mais fortes de empréstimos

Em relatório, o Bradesco BBI pontua o aumento de US$ 2 por tonelada durante a última semana, elevando a cotação da commodity para US$ 121 por tonelada.

Continua depois da publicidade

Esse aumento foi justificado pelo “sentimento de mercado mais forte em meio a uma demanda sazonalmente mais forte, restrições à produção abaixo do esperado e novos estímulos econômicos anunciados recentemente na China”.

Além disso, a elevação do preço da commodity tem ligação também com empréstimos concedidos por bancos chineses, na ordem de 1,36 trilhão de iuanes em agosto, muito superiores aos 345,9 bilhões de iuanes de julho.

Os dados foram divulgados pelo Banco Popular da China, na segunda (11) e superaram as expectativas de 1,2 trilhão de iuanes estimados por pesquisa da Reuters.

No mesmo dia, foram divulgados os dados do índice de preços do consumidor, que subiu 0,1% em agosto em relação ao mês anterior, que registrou queda de 0,3%.

Sobre a produção na China, o BBI destacou que houve aumento nas últimas semanas, em especial após retomada de produção por algumas mineradoras no Nordeste da China, que realizaram paradas regulares de manutenção.

“Os atuais estoques de minério de ferro nas usinas estão em 17 dias de consumo, contra 16 dias na semana passada e bem abaixo da média histórica de 25 dias”, aponta.

“Os estoques portuários de minério de ferro foram de -3 milhões de toneladas para 116 milhões de toneladas (-27 milhões de toneladas vs máximos de 2023)”, complementa a análise.

Minério de ferro: Bolsa de Dalian 

Minério de ferro sobe puxado por demanda e dados positivos da China
Fonte: Finance Sina

Prêmio do minério

De acordo com o BBI, os preços brasileiros seguem em patamar estável, mesmo com a demanda considerada fraca. No entanto, há expectativas de aumento de preços no curto prazo.

“Calculamos um prêmio de 20% em relação ao material importado para flats, ainda acima do nível de 5-15% que consideramos justo, e um prêmio de 5% para longos (implicando espaço limitado para aumentos de preços)”, diz o BBI.

As companhias brasileiras exportaram aproximadamente 8,8 milhões de toneladas de minério de ferro durante as duas primeiras semanas de setembro, totalizando uma média diária de 1,8 milhão de toneladas para o período. Isso significa um aumento de 6% WoW e 8% em relação à média de agosto.

“Se as exportações de minério de ferro mantiverem a mesma taxa registrada até agora, em setembro, durante o restante do mês, as exportações de minério de ferro totalizariam aproximadamente 35,1 milhões de toneladas, -6% MoM e -3% YoY” conclui o banco.

Ações brasileiras: valorização do minério

Entre as apostas do BBI, a principal escolha é a Gerdau (GGBR4), que valorizava 0,27%, por volta das 12h25 desta terça, cotada a R$ 25,62.

A instituição tem recomendação outperform (ou seja, similar a compra) para Vale (VALE3), que subia 0,21%, cotada a R$ 67,80, e CSN Mineração (CMIN3), que caia 0,91%, a R$ 4,33.

Usiminas (USIM5), em baixa com 0,87%, a R$ 6,84, e CSN (CSNA3), subindo 0,58%, cotada a R$ 12,20, são classificadas com neutro.