Mercado brasileiro deve seguir exterior com visões sobre Fomc após Copom “copia e cola”

Copom não trouxe surpresas, o que deve fazer com que Brasil siga mais o noticiário externo

Equipe InfoMoney

Publicidade

O comunicado do Comitê de Política Monetária (Copom) na noite de quarta-feira, sem novidades quanto à visão do Banco Central sobre o cenário para a inflação, não deixa margem para ajustes maiores na curva de juros brasileira na quinta-feira, segundo economistas ouvidos pela Reuters.

Durante a tarde, alguns profissionais já tratavam a decisão do Copom desta quarta-feira como uma espécie de “não-evento”, já que a expectativa era de que o colegiado cortasse a taxa básica Selic em 50 pontos-base, para 11,25% ao ano, e mantivesse as linhas gerais de comunicações anteriores. Foi o que aconteceu.

“O Copom fez praticamente um ‘copia e cola’ do comunicado anterior. Não há nada que nos faça pensar em mudança de rota: serão 50 pontos-base de corte nas próximas duas reuniões”, pontuou o economista-chefe do banco Bmg, Flavio Serrano.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Leia também:

Como investir em renda fixa, ações, fundos e FIIs enquanto a Selic (ainda) é de 11,25%?

Com expectativas ainda desancoradas, Copom optou por manter a cautela, dizem economistas

Continua depois da publicidade

“E não tem nada no comunicado que possa mudar a dinâmica na curva de juros. Então, estamos nesta quinta-feira ao sabor de novos dados, ou de alguma correção lá fora”, acrescentou.

A economista-chefe da SulAmérica Investimentos, Natalie Victal, fez avaliação semelhante.

“Foi praticamente um ‘copia e cola’, só com alguns ajustes. Tudo foi muito em linha com a expectativa”, avaliou Victal. “Para o Brasil, não devemos ter grandes movimentos no mercado motivados pelo BC. O que vai ditar o rumo dos mercados será o exterior”, acrescentou.

Fernando Bergallo, CEO da FB Capital, também apontou que o Copom tem pouco poder de mexer com o mercado nesta sessão.

Neste sentido, a decisão de política monetária do Federal Reserve, anunciada poucas horas antes da do Banco Central do Brasil, tem maior potencial para conduzir os negócios com DIs (Depósitos Interfinanceiros) e com dólar no Brasil, nesta quinta, do que o próprio Copom.

Isso porque a mensagem do Fed deu força à visão de que os juros devem começar a cair nos Estados Unidos em maio — e não em março, como vinha sendo largamente precificado. Algumas declarações do chair do Fed, Jerome Powell, foram neste sentido, mas ainda assim os rendimentos dos Treasuries terminaram a sessão em baixa. No Brasil, as taxas dos DIs acompanharam.

A queda dos yields nesta quarta esteve ligada a dados econômicos mais fracos que o esperado nos EUA, mas há também a percepção de que Powell e o Fed não fecharam totalmente a porta para um corte de juros já em março. Nesta quinta não estão descartados ajustes na curva de juros norte-americana, o que também pode impactar o mercado brasileiro.

(com Reuters)