Marfrig (MRFG3) eleva fatia na BRF (BRFS3), Engie (ENGIE) vende 15% da TAG e Light Energia (LIGT3) elege novo CEO

Confira os principais destaques do noticiário corporativo desta sexta-feira (29)

Felipe Moreira

Publicidade

Atenção: Post atualizado para esclarecimento sobre troca de CEO na Light Energia, não na Holding. Abaixo, segue texto corrigido:

O radar corporativo desta sexta-feira (29) traz a Marfrig (MRFG3), que aumentou sua participação acionária na BRF (BRFS3), tendo atingido participação superior a 50% do capital votante e total da companhia.

A Engie (EGIE3), por sua vez, vendeu fatia da TAG para fundo canadense por R$ 3,1 bilhões.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Já o Conselho de Administração da Light Energia S.A. elegeu Carlos Vinicius de Sá Roriz para o cargo de Diretor-Presidente da Light Energia, subsidiária controlada pela holding da companhia elétrica, a Light S.A., em substituição a Alexandre Nogueira Ferreira.

Confira mais destaques:

BRF (BRFS3)

A Marfrig (MRFG3) aumentou sua participação acionária na BRF (BRFS3), e atingiu participação superior a 50% do capital votante e total da companhia.

Continua depois da publicidade

De acordo com a referida notificação, a Marfrig passou a deter direta e indiretamente 842.165.702 entre ações ordinárias e American Depositary Receipts (ADRs), representativas de 50,06% do total das ações de emissão da Companhia.

A Marfrig declarou que a aquisição tem por objetivo incrementar sua participação acionária na BRF, não objetiva alterar a atual composição do controle ou a estrutura administrativa atual da companhia.

Engie (EGIE3)

A Engie (EGIE3) anunciou a venda de 15% de sua participação na Transportadora Associada de Gás (TAG) para o fundo canadense Caisse de Dépôt et Placement du Québec (CDPQ) por R$ 3,1 bilhões.

A Engie mantém uma participação de 32,5%, enquanto a Engie Brasil fica 17,5%, e a CDPQ assume os 50% restantes. O controle da empresa passa a ser compartilhado entre as duas companhias.

Light (LIGT3)

A Light Energia S.A., controlada da holding Light S.A., elegeu Carlos Vinicius de Sá Roriz para o cargo de Diretor-Presidente, em substituição a Alexandre Nogueira Ferreira, com efeitos a partir de 31 de dezembro de 2023.

Alexandre Ferreira Nogueira, por sua vez, foi eleito para cargo no conselho de administração da Light Energia, bem como para a função de presidente do colegiado, substituindo, nas duas situações, a Octávio Cortes Pereira Lopes, com efeitos a partir de 31 de dezembro de 2023.

Alexandre Ferreira Nogueira é também presidente da Light S.A., holding controladora das subsidiárias da companhia da elétrica.

Grupo SBF (SBFG3)

O acionistas Sebastião Vicente Bomfim Filho formalizou a doação com reserva de usufruto vitalício sobre a integralidade dos direitos políticos e econômicos de ações de sua titularidade e de emissão da Pacipar Participações S.A., sociedade por ações de capital fechado.

No âmbito da Doação, foi transferida a nua-propriedade, com reserva do Usufruto, de (a.) 25.000.000 (vinte e cinco milhões) ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal da Pacipar a Cláudia Marcia Mota Oliveira Bomfim (“Cláudia”), (b.) 21.241.701 (vinte e um milhões, duzentos e quarenta e uma mil e setecentas e uma) ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal da Pacipar a Larissa Furletti Bomfim (“Larissa”), e (c.) 25.000.000 (vinte e cinco milhões) ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal da Pacipar a Rizza Furletti Bomfim (“Rizza”).

Ainda, de acordo com o informado, a Sra. Claudia, subsequentemente, doou a Lucas Mota Bomfim (“Lucas”), com reserva de usufruto vitalício sobre a integralidade dos direitos políticos e econômicos em favor do Sr. Bomfim, 24.800.000 (vinte e quatro milhões e oitocentas mil) ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal da Pacipar.
Uma vez que a Doação foi realizada com a reserva de Usufruto, o Sr. Bomfim permanece como titular da integralidade dos direitos políticos e econômicos das ações da Pacipar objeto da Doação, inclusive, mas sem se limitar a, ao direito de voto inerente a tais ações, de modo que a Doação não ocasionou em alteração da composição do controle, direto ou indireto, ou estrutura administrativa da Pacipar ou da Grupo SBF.

Isa CTEEP (TRPL4)

O Presidente e membro efetivo do conselho de administração, Juan Emilio Posada Echeverri, apresentou renúncia aos respectivos cargos pelos quais foi eleito e ocupa desde julho de 2022, com efeitos a partir de 02 de janeiro de 2024.

O o Vice-Presidente, Gustavo Carlos Marin Garat, passará a exercer a Presidência do Conselho de Administração até a Assembleia Geral Ordinária a ser realizada dentro do prazo legal.

Lojas Renner (LREN3)

O Grupo Schroder informou que foram adquiridas 1.462.491 ações de emissão da Lojas Renner.

Com a aquisição das ações da Companhia Investida, Grupo Schroders detêm 48.422.352 ações ordinárias da Companhia que representam 5,027% do total de ações.

O Grupo Schroder detém posição em contratos vendidos de derivativos com liquidação financeira equivalentes a 45.480 ações ordinárias da Companhia Investida que representam 0,005% do total de ações;

CCR (CCRO3)

A CCR encerrou a transação de venda da totalidade das quotas de sua controlada Samm – Sociedade de Atividade Multimídia à Luna Fibra, em razão do não cumprimento, pela compradora, de condição precedente prevista no Contrato de Compra e Venda de Quotas e Outras Avenças, celebrado em dezembro de 2022 entre a Compradora e a CCR, e com a interveniência da Samm, em que pesem os melhores esforços empreendidos pela CCR para conclusão da transação.

IMC (MEAL3)

A IMC concluiu, nesta quinta-feira, a venda da subsidiária indireta, IMC Airport Shoppes S.A.S, a qual (i) opera as concessões de alimentos e bebidas localizadas em certos aeroportos na Colômbia; bem como (ii) detém a Inmobiliaria Cart S.A.S, a qual possui duas plantas localizadas em Cartagena e Barranquilla, Colômbia; e da Industrias Alimenticias Gourmet, sociedade que opera a rede de lojas J&C Delícias na Colômbia. O preço total desta operação é no valor de COP$ 3.807.969.000, aproximadamente US$ 1,000,000.00.

Estas vendas de participação societária concretizam mais um passo importante na agenda de transformação e simplificação do negócio, que visa extrair maiores sinergias
entre as operações existentes e reduzir a complexidade de gestão.

Caramuru

A Caramuru anunciou contratação de um empréstimo externo direto em dólar de $ 29,25 milhões através de recursos originários do New Development Bank (NDB), um banco multilateral de desenvolvimento organizado pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (o “BRICS”), com o objetivo de disponibilizar fundos para apoiar projetos de infraestrutura e desenvolvimento sustentável em mercados emergentes e países em desenvolvimento (“MEPD”); onde o Credor foi o Banco do Brasil de New York e coordenador o Banco do Brasil S/A.

Os recursos foram desembolsados para a empresa em 27/12/2023.

A empresa utilizará os recursos do Empréstimo para o projeto, destinado a armazenagem de grãos em armazéns agrícolas localizados nas cidades de Silvânia (GO), Ipameri (GO), Chapadão do Céu (GO) e Jataí (GO).

Com estes recursos a Caramuru poderá acelerar investimentos importantes para a garantir a eficiência da nossa originação com melhoria de performance, vida útil dos equipamentos e no recebimento da soja nas unidades.

Sequoia (SEQL3)

A Sequoia (SEQL3) que celebrou um acordo global de reestruturação de dívidas bancárias com seus credores bancários.

Segundo comunicado, o objetivo é reestruturar os débitos decorrentes dos instrumentos de dívida junto ao Banco Santander Brasil, Banco Bradesco, Banco ABC Brasil entre outros. 

O acordo global rege as condições econômicas da reestruturação acordadas entre as partes, sendo que, subsequentemente, serão celebrados aditamentos aos Instrumentos de Dívida que regerão individualmente as condições resolutivas de cada operação. 

Nos termos do acordo global os credores converterão um total de aproximadamente R$ 320 milhões de reais em instrumentos conversíveis mandatoriamente em ações e alongarão o saldo remanescente de aproximadamente R$ 90 milhões para amortização até 2031 com período de carência de 3 anos de juros e 5 anos de principal.