Lojas Renner (LREN3) tem lucro de R$ 229,7 milhões no segundo trimestre, queda de 36,3% no ano

Cenário macroeconômico, com juros alto e famílias endividadas, foi apontado pela companhia como principal peso do resultado

Vitor Azevedo

(Crédito editorial: casa.da.photo / Shutterstock.com)

Publicidade

A Lojas Renner (LREN3) lucrou R$ 229,7 milhões de forma líquida, queda de 36,3% na base anual. De acordo com a companhia, o pior resultado é explicado por um recuo do varejo e do seu braço de serviços financeiros, ambos impactados pelo atual cenário macroeconômico.

A receita líquida da Lojas Renner caiu 6% na base anual, para R$ 2,98 bilhões.

“O contexto macroeconômico ainda desafiador, com inflação acumulada, juros elevados e inadimplência pressionada, seguiu afetando o poder de compra e comportamento dos clientes. Esse impacto foi mais pronunciado nas lojas de perfil popular, que estão expostas a consumidores mais sensíveis a preço”, comenta a companhia no documento publicado na noite desta quinta-feira (3).

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O cenário macro forçou ainda a varejista de moda a diminuir seus preços, tendo impacto direto na sua margem bruta – que foi de 53,9%, ante 56,1% no segundo trimestre de 2022. “A diminuição da margem bruta do varejo foi principalmente resultado da maior necessidade de remarcações, consequência dos menores volumes vendidos”, explicam.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) também recuou, saindo de R$ 689,7 milhões no ano passado para R$ 535,3 milhões neste ano. A margem Ebitda caiu 3,8 pontos percentuais, para 17,9%.

As despesas operacionais – com vendas, gerais e administrativas – cresceram 3,4% no ano, chegando a R$ 1,09 bilhão, refletindo gastos com o novo centro de distribuição de Cabreúva. A fatia desses gastos frente a receita também cresceu, por conta da menor diluição.

Continua depois da publicidade

Olhando em segmentos, o varejo da Lojas Renner teve seu Ebitda caindo 22,4% no ano, para R$ 535,3 milhões.

Na frente de serviços financeiros, a companhia viu as receitas cresceram 15,% no ano, para R$ 488,4, milhões. As perdas em créditos, no entanto, subiram 40,7%, para R$ 396,1 milhões, e os gastos operacionais, 12,5%, para R$ 146 milhões. O braço acabou dando um prejuízo de R$ 53,7 milhões.

Saiba mais:

Confira o calendário de resultados do 2º trimestre de 2023 da Bolsa brasileira

O que esperar da temporada de resultados do 2º trimestre? Confira ações e setores para ficar de olho

“O crescimento das receitas foi superior ao da carteira de crédito, reflexo de uma melhor gestão do portfólio eajustes na precificação dos riscos”, comenta a Lojas Renner. “As Perdas Líquidas, por sua vez, seguiram impactadas, em razão da continuidade do contexto macroeconômico mais difícil e do alto endividamento das famílias, resultando em maior provisionamento de perdas do portfólio em atraso, garantindo as coberturas necessárias”.

A carteira de crédito fechou junho em R$ 6,17 bilhões, crescimento de 12,9% no ano. A porcentagem da carteira relativa a dívidas vencidas subiu para 28,1%, ante 23,3% no segundo trimestre de 2022, e as perdas líquidas chegaram a 6,6%, frente 5,6% na mesma comparação.

A Lojas Renner, por fim, teve um resultado financeiro negativo em R$ 28,7 milhões entre abril e junho deste ano, ante prejuízo de R$ 3,5 milhões no mesmo período do ano passado. “A principal razão foram os menores rendimentos de caixa e aplicações financeiras, dado o menor saldo de caixa médio no período”, mencionam.

A varejista, por fim, teve um fluxo de caixa livre de R$ 262,9 milhões, atribuída a uma menor necessidade de capital de giro. Eles fecham junho com uma posição de caixa líquido de R$ 574,9 milhões, ante R$ 1,2 bilhão no mesmo período de 2022.